Ismail Xavier: veja o que temos no acervo

Ismail Xavier foi homenageado na semana passada pela ECA. Recebeu o título de professor emérito e viu acontecer o colóquio O Cinema Pensado: Homenagem a Ismail Xavier, que convidou professores, pesquisadores e ex-orientandos para refletir sobre a importância de sua obra.

Ismail é autor de diversos livros. Alguns de seus textos são de leitura obrigatória em cursos de audiovisual país adentro. Seus livros ganharam traduções em outras línguas, o que mostra também o interesse pela sua obra além das fronteiras nacionais.

Quando a ECA foi criada no final dos anos 1960, Ismail já estava por aqui e fez parte da primeira turma. Graduou-se em 1970 e no ano seguinte passa a integrar o corpo docente do curso de cinema. Mestrado e doutorado foram ambos realizados na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humana, o primeiro sob a orientação de Paulo Emílio Salles Gomes, o segundo, com Antonio Candido, com o título Narração contraditória: uma análise do estilo de Glauber Rocha, 1962-64, que seria mais tarde editado com o título Sertão mar: Glauber Rocha e a estética da fome e se tornaria obra fundamental para o estudos sobre o cineasta brasileiro.

Abaixo algumas de suas obras com comentários extraídos de prefácios, orelhas. Clique aqui para uma relação completa de seus livros no acervo. E aqui para a lista de teses e dissertações feitas sob sua orientação.

Ismail Xavier: encontros. Organização Adilson Mendes.
Série de entrevistas em que Ismail Xavier avalia sua trajetória crítica, fala de seus livros, de filmes brasileiros recentes.

“deixando de lado sua discrição metodológica habitual, enfatiza um tipo de interpretação formal que privilegia as conexões entre história, cinema e ideologia. E este trânsito pelas fronteiras intelectuais fica mais claramente delineado, como se vislumbrássemos o crítico, após seu trabalho, polindo suas ferramentas.” Prefácio de Adilson Mendes.

O discurso cinematográfico: a opacidade e a transparência.

“Há quase trinta anos, o livro O discurso cinematográfico resiste bravamente como a mais importante obra sobre teoria cinematográfica produzida no Brasil, mesmo considerando a excelência de outras contribuições que vieram depois, inclusive do mesmo Ismail Xavier.” Prefácio de Arlindo Machado para a 3ª edição.

Sertão mar: Glauber Rocha e a estética da fome.

“Interpretação original de Glauber, este livro de Ismail Xavier caracteriza o esforço do cineasta em alcançar a síntese, mas aponta as contradições de um processo criativo, na encruzilhada entre a pedagogia militante e o ‘cinema de autor’, entre a crítica à religião do oprimido e o elogio de suas representações. E ainda investiga como, em cada filme, esse cinema de olho na História incorpora elementos da cultura popular e do mito.”

Alegorias do subdesenvolvimento: cinema novo, tropicalismo, cinema marginal.

“Alegorias do subdesenvolvimento é o desdobramento consequente dos problemas de Sertão Mar e o desenvolvimento de questões mais abrangentes em torno do cinema brasileiro moderno.” Prefácio de Adilson Mendes para as entrevistas.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: