O III Seminário da Redarte-SP

A Rede de Bibliotecas e Centros de Informação em Arte de São Paulo (Redarte – SP), surgiu no final da década de 1990, com o objetivo de reunir as instituições e profissionais que mantém acervos da área em torno de projetos e ações colaborativas. A ideia era constituir, no futuro, uma associação como a Redarte do Rio de Janeiro, criada em 1995 e já bastante consolidada.

Depois de dois anos de atuação regular, durante os quais foi elaborado um guia de instituições de artes, a Redarte-SP teve suas atividades interrompidas. Faltou aos seus integrantes, eternamente sobrecarregados com as atividades de suas instituições,  condições mínimas para prosseguir. Somente em 2016 um grupo de profissionais decidiu retomar a ideia, e tem se reunido periodicamente, desde então.

Nessa segunda fase, foi criado um novo website e uma página no Facebook, na qual são divulgadas não apenas notícias sobre as atividades da Redarte-SP, mas informações as mais diversas sobre o mundo da informação na área de artes. A Redarte-SP agora tem uma logomarca, criada pelo Design Lab ESPM, da Escola Superior de Propaganda e Marketing. Outra realização importante desse período foi a realização dos três Seminários de Informação em Arte, de  2016 a 2018.

Cartaz do Seminário – arte de Andréia Tiemi

A edição mais recente do Seminário, realizada no dia 23 de novembro, na ECA, teve como tema Livros de Artistas: da Criação ao Acesso. As palestras abordaram diferentes aspectos do tema, garantindo o interesse da plateia formada por bibliotecários, artistas, pesquisadores, curadores de acervos e estudantes de várias áreas.

A definição do livro de artista como dilema – por Paulo Antonio de Menezes Pereira da Silveira, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRG)

Abordou a definição de “livro de artista”, expressão associada primeiramente a edições específicas da arte contemporânea, surgida espontaneamente e com objetividade nos anos 1970. Nas décadas seguintes passou a ser discutida, reivindicada ou mesmo inadequadamente interpretada, sobretudo por artistas, fenômeno que prossegue nos anos 2000.

Apresentação de Paulo Silveira

Uma reflexão sobre as potencialidades e os conceitos que traduzem o “Livro de artista” – por Silvana Novaes Ferreira,  professora da Escola Superior de Propaganda e Marketing

Partindo de uma reflexão sobre os conceitos que traduzem o Livro de artista, a apresentação abordou as potencialidades de exploração acadêmica junto aos alunos de Graduação em Design da ESPM. No Projeto de graduação em Design PGD os alunos podem optar pela modalidade “Experimental” e muitos escolhem o formato de livro de Artista. A palestra mostrou e explicou a metodologia desenvolvida, as etapas de desenvolvimento dos projetos e os resultados finais.

Apresentação de Silvana Novaes Ferreira

O livro pensado através – por Lucia Mindlin Loeb, artista e pesquisadora em Artes Visuais, doutoranda da ECA/USP

A artista mostrou seu trabalho e contou um pouco do processo de criação e produção dos livros obra/objeto/escultura que vem produzindo desde 2006. Lucia trabalha com fotografia desde 1991 e, buscando um novo suporte para as imagens, começou a investigar e experimentar a construção de uma série de livros objetos, que utilizam procedimentos tais como repetição de imagens, deslocamentos, sobreposições, cortes e furos, entre outros.

Apresentação de Lúcia Mindlin Loeb

Dissertação de mestrado (e livro de artista) de Lúcia Mindlin Loeb

A formação e o desenvolvimento da Coleção Livro de Artista na UFMG – por Diná Marques Pereira Araújo, bibliotecária coordenadora da Divisão de Coleções Especiais e Obras Raras (UFMG)

A Coleção Livro de Artista da Universidade Federal de Minas Gerais, com mais de 700 itens catalogados, é o maior acervo brasileiro no gênero e a primeira em biblioteca de universidade pública no Brasil. Começou em 2009, com a doação de um conjunto de livros de Alex Flemming, Guto Lacaz, Marilá Dardot e Paulo Bruscky. Em sua apresentação, Diná tratou da prática da organização de um acervo de livros de artistas, com seus diversos desafios.

Apresentação de Diná Araújo

O III Seminário, que foi aberto pelo Prof. Dr. Martin Grossmann, chefe do Depto de Informação e Cultura da ECA e teve a mediação da Profa. Dra. Cibele Araujo Camargo Marques dos Santos, do mesmo Departamento, foi gravado. Assim que estiver devidamente editado, o vídeo será divulgado no site da Redarte-SP. As apresentações já estão disponíveis, faltando apenas a do prof. Paulo Silveira, realizada por videoconferência.

Professores Martin e Cibele, na abertura do evento

A Redarte-SP existe e acontece pelo empenho de seus integrantes, que voluntariamente cedem um pouco de seu tempo para um trabalho colaborativo. Se você atua num acervo das áreas de Arquitetura, Artes do espetáculo ou Artes Visuais e deseja participar, entre em contato com A Redarte-SP pelo e-mail redarte.saopaulo@gmail.com.

 

O vídeo do evento está disponível no IPTV

Primeira parte:
http://iptv.usp.br/portal/video.action?idItem=40034

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: