Orientação aos artistas

Quem está fazendo sua tese ou dissertação em formato tido como “normal”, ou seja, texto acadêmico com introdução, objetivos, metodologia, desenvolvimento e conclusão, pode contar com a ajuda das Diretrizes para apresentação de dissertações e teses da USP. Na ECA usamos a versão Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), mas também há Diretrizes para outros estilos de normas.

Trata-se de um manual, preparado por bibliotecários da Universidade, que reúne num único documento as orientações de todas as normas necessárias para elaborar trabalhos acadêmicos: referências, citações, sumário, página de rosto, paginação etc. A consulta desse manual ajuda bastante mas, se as dúvidas persistirem, os bibliotecários podem dar uma força. Basta nos procurar.

Mas e os artistas? O pessoal da área de concentração Poéticas Visuais do Programa de Pós-graduação em Artes Visuais costuma apresentar trabalhos em forma de gravuras, desenhos, objetos, livros de artista etc.  Outros programas, como o de Artes Cênicas, também aceitam apresentações gráficas diferentes e criativas. São trabalhos que pouco tem a ver com folhas de papel digitadas de um lado só e encadernadas em percalux de cor escura.

Envoltórios, tese de Marcos Martins

Nesses casos, as normas de formatação não têm aplicação rígida – ou nem mesmo se aplicam. Normas existem para ajudar, não para atrapalhar a existência do pesquisador.

As Diretrizes, por exemplo, recomendam a apresentação dos textos em papel branco ou reciclado, formato A4 (21 cm x 29,7 cm), digitados na cor preta. Essa indicação, naturalmente, não precisa ser seguida nos trabalhos de arte, nem em qualquer trabalho cujo programa permita abordagens mais criativas. Os limites para a “desobediência” às normas devem ser negociados entre o candidato e seu orientador.

Algumas informações, entretanto, são obrigatórias. Por exemplo:

página de rosto, contendo título do trabalho, nome do autor e do orientador, data, nome da instituição. São informações importantes para identificar o trabalho, e interessam tanto ao leitor quanto ao pessoal da biblioteca

folha de avaliação ou aprovação, com nome completo do candidato, título, natureza: tipo do trabalho (dissertação ou tese) e objetivo (aprovação em disciplina, grau pretendido e outros); nome da instituição; programa e área de concentração, data de avaliação ou aprovação,nome, titulação e instituição a que pertence os componentes da banca.

resumo e palavras-chave, informações muito importantes para a compreensão do trabalho pelo leitor, mesmo que seja um trabalho de caráter visual, por exemplo. E não se esqueçam das pobres das bibliotecárias, que precisam entender seu trabalho para catalogá-lo e divulgá-lo de forma correta. É um livro de artista? Um livro-objeto? Um fotolivro? Nenhuma das anteriores? Mesmo que para você, o autor, essas categorias não tenham tanta importância, talvez tenham para outros pesquisadores, que procuram por esses termos com muita frequência aqui na Biblioteca da ECA.

normalização das citações e referências, caso sejam feitas citações e referências a textos e outros documentos, como é o caso da maioria dos trabalhos acadêmicos, ainda que sejam trabalhos práticos. Se você vai citar alguém, é importante que essa citação seja feita de forma correta e que a referência possa ser identificada pelos seus leitores. Se ficar difícil, corra até a Biblioteca e peça ajuda. Mas é mesmo obrigatório citar e referenciar nesse tipo de trabalho? Bem, localizamos alguns no acervo que não apresentam nada disso. Consulte seu orientador.

Para itens como formato, encadernação ou forma de acondicionamento, apresentação gráfica, tipo de papel etc, as escolhas são do artista. Temos no acervo trabalhos  acondicionados em caixas, pastas  ou sacolas plásticas, menores que um smart phone ou maiores que uma TV de 32 polegadas. A Biblioteca recebe todos os trabalhos que foram aprovados pela banca. Nosso único problema é o local de guarda. Trabalhos que não cabem nas estantes normais, ou que sejam tão frágeis que possam se deteriorar se não forem manuseados com muito cuidado talvez não fiquem nas estantes abertas, mas em salas de consulta mediada pelos funcionários que denominamos Coleção Especial. Assim, se sua tese não estiver na estante com as demais, fale conosco. 

Tese de Gustavo Garcia da Palma

O corpo, o artista e a feiticeira – tese de Kim Cavalcante

Cidade entre olhares, tese de Júlia Lopes da Mota

Deriva, dissertação de Helena Rodrigo Küller

Da imensidão ao poema, tese de Tiago Cardoso Gomes

Para conhecer esse acervo, porque nossas teses e dissertações são as mais bonitas da USP!

E a ficha catalográfica, que causa tanta perplexidade entre os autores, sejam artistas ou não? A ficha é um elemento exigido pelas normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas para elaboração de trabalhos acadêmicos (NBR 14724), mas, se o autor e o orientador estiverem de acordo quanto a isso, pode ser eliminada. Para prepará-la não é necessário pedir nada aos bibliotecários, basta preencher este formulário disponível no site da Biblioteca e a ficha será gerada automaticamente.

Dúvidas? Procure a bibliotecária ou os bibliotecários de referência da ECA.

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: