Livro de artista

01/12/2014

O chamado livro de artista vai muito além de um encontro indiferente entre a forma ‘livro’ e a expressão ‘arte’.

Anne Moeglin-Delcroix dá indícios sobre o que é um livro de artista ao explicitar a diferença entre o livro que é receptáculo, objeto impresso indiferente ao seu conteúdo, e aquele que estabelece uma relação de dependência recíproca com o seu conteúdo. Assim, se a obra apresentada no livro pode ser exposta em outro lugar, independente da ‘forma livro’, entende-se que este suporte não é intrinsecamente necessário à obra.

Mas, afinal o que é um livro de artista?

Para responder esta questão Johanna Drucker apresentou uma breve definição:

o livro de artista é aquele livro criado como trabalho de arte original, ao invés da reprodução de um trabalho artístico preexistente.

Mas, como a própria autora alerta, a definição lança luzes sobre variadas interrogações, desvelando os muitos elementos implicados na caracterização de um livro de artista:

O que é um trabalho de arte original? Deve ser um trabalho único? Pode ser uma edição? Um múltiplo? Quem faz? É o artista aquele que tem a ideia? Ou, somente pode ser considerado artista aquele que fez todo o trabalho envolvido na produção – impressão, pintura, encadernação, fotografia e o que mais estiver envolvido na elaboração do livro? Ou, então, cada um dos participantes deve ser levado em conta, especialmente quando há complexas transformações envolvidas – como ‘transformar’ a pintura em impressão ou, ainda, quando a encadernação tem uma forma estrutural desenvolvida por outra pessoa, que não o artista?

Hudinilson Júnior – Livro de artista. Em exposição no MAC USP.

Hudinilson Júnior: Livro de artista. Exposição no MAC USP. Fonte: site da Associação de Amigos do MAC/USP.

Nos acervos das bibliotecas da USP, principalmente na ECA e no Museu de Artes Contemporânea, podem ser encontrados tanto os próprios livros de artistas quanto textos sobre livros de artistas, para aqueles que quiserem se enveredar por esta temática. Entretanto, como o assunto é relativamente novo no ambiente das bibliotecas, nossos catálogos ainda refletem uma confusão conceitual entre assunto e tipologia documental. Por esse motivo, quem faz a busca pelo assunto “livros de artistas” no Dédalus obtém um resultado com as duas coisas: os livros de artistas e material sobre eles. A distinção fica por conta do usuário.

As bibliotecas já se deram conta do problema e estão trabalhando para resolvê-lo. O livro de artista entrou na relação de “tipos de documentos” do Dédalus, e as bibliotecas começaram a fazer a distinção quando catalogam o material, mas a novidade ainda não foi incorporada à interface de busca do sistema.

A identificação de um livro de artista é tarefa para especialistas. É o próprio artista, ou um curador, que pode dizer se determinado aquela trabalho pode ser considerado um livro de artista. Aqui na Biblioteca da ECA temos muitos trabalhos acadêmicos cuja forma de apresentação e características físicas “demonstram que o visível não se limita ao legível e que a visualidade é uma forma particular de articular nossa experiência frente ao mundo” nas palavras do prof. Claudio Mubarac em texto preparado para a exposição que montamos no início deste ano. Entre esses trabalhos talvez se encontrem livros de artistas. Os conhecedores do assunto podem nos ajudar a identificá-los. Deixe seu comentário aqui ou envie mensagem para a bibliotecária Sarah Lorenzon Ferreira, responsável pela catalogação em nossa biblioteca: sarahloren@usp.br.

A Divisão de Coleções Especiais da Biblioteca Universitária da Universidade Federal de Minas Gerais tem uma coleção de livros de artista que surgiu depois de um seminário sobre o assunto realizado em 2009 e já conta com mais de 250 títulos. Os livros da coleção, em sua maioria doadas pelos próprios artistas, são avaliados por curadores e professores da Escola de Belas Artes. Foram desenvolvidas formas de organização e critérios para conservação do acervo que precisam levar em conta e equilibrar dois aspectos igualmente importantes: a vontade do artista, que deseja ver sua obra exposta e acessível ao público, eventualmente prevendo até mesmo sua deterioração, e a necessidade que a biblioteca universitária tem de preservá-lo, na condição de acervo destinado à pesquisa.

foto: Sarah Lorenzon Ferreira.

foto: Sarah Lorenzon Ferreira.

Nossa colega Sarah fez uma visita técnica à Divisão, onde teve a oportunidade de assistir a uma aula da Profa. Maria do Carmo de Freitas Veneroso,  do curso de pós-graduação em Artes visuais da Escola de Belas Artes. De acordo com a professora, o que caracteriza um Livro de Artista e o diferencia dos demais livros é a maneira como foram feitos. No Livro de Artista existe um diálogo entre texto e imagem, nos livros “comuns” o texto vem em primeiro lugar e a imagem é utilizada apenas para ilustrar o que foi dito. O surgimento do Livro de Artista se deu num momento em que os artistas queriam sair das galerias/do mercado para exporem suas obras de forma mais livre, acessível e democrática. Era assim, uma forma de trabalharem fora do sistema das Artes.

SAM_0773

Desenhos, de Edith Derdyk. Foto: Sarah Lorenzon Ferreira.

 

Kinocaixa (Kinolivros), de  Mariana Zanetti.

Kinocaixa (Kinolivros), de Mariana Zanetti. Foto: Sarah Lorenzon Ferreira.

 

O blog Livro de Artista permite acessar imagens e informações sobre as obras da coleção da UFMG de forma bastante agradável.

P.S. : A partir de hoje, 8.12, a busca por “Livro de artista” como Tipo de material no banco de dados Dédalus já é possível. Confiram!

Para escrever este post lemos:

DRUCKER, Johanna. The century of artists’ books. New York: Granary, 1995.

PANEK, Bernadette. Livro de artista: o desalojar da produção. Dissertação de mestrado. ECA-USP, 2003.

Para saber um pouco mais sobre o sobre o assunto:

Coleção Livro de Artista da Universidade Federal de Minas Gerais: processos biblioteconômicos em um acervo especial

https://www.bu.ufmg.br/snbu2014/wp-content/uploads/trabalhos/646-2029.pdf

Breve explicação sobre Livro de artista

http://www.fafich.ufmg.br/dcs/tubo/producao/agencia/universidade/livros-de-artista-sabe-o-que-e

Seminário sobre Livro de Artista, realizado em 2009

http://seminariolivrodeartista.wordpress.com/colecao-especial/

Artigo da professora Maria do Carmo sobre Livro de Artista

http://www.eba.ufmg.br/revistapos/index.php/pos/article/view/38

Critérios adotados para seleção de obras raras: critérios de raridade da Divisão de Coleções Especiais da Biblioteca Universitária – Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal de Minas Gerais

https://www.bu.ufmg.br/boletim/obrasraras/criterios_raridade_divisao_colecoes_especiais.pdf

Site Biblioteca Central UFMG/Coleções Especiais e Obras Raras

https://www.bu.ufmg.br/colecoes-especiais/obras-raras-e-especiais

ROCHA, Miguel Zózimo da. Estratégias Expansivas : publicações de artistas e seus espaços moventes. Porto Alegre: M.Z. Rocha, 2011. Acervo da Biblioteca do MAC/USP.


Publicações de artista na Biblioteca da ECA

29/10/2018

A coleção Publicações de artista da Biblioteca da ECA é composta por produções artísticas dos docentes, teses e dissertações do Programa de Pós-graduação em Artes visuais, TCCs do Departamento de Artes Plásticas e livros de artistas adquiridos pela Biblioteca, de autores sem vínculo acadêmico com a Escola.

Dentre as publicações de artista encontram-se obras que são explicitamente manifestações artísticas. Já o livro de artista é obra em que se dá o encontro entre a forma “livro” e a expressão “arte”.  Assim, a forma “livro” constitui a própria obra, não é mero suporte para divulgação de um trabalho artístico.

Caracterizar uma obra como livro de artista é tarefa complexa que implica diferentes elementos. Por esse motivo,  podem existir livros de artista em nosso acervo que ainda não foram identificados como tal. Para ter uma dimensão mínima do que está implicado nessa tarefa, leia esse post.

Cidade imaginária, de Anico Herskovits .
Foto: Carla Bonomi

Júlio Plaza e Augusto de Campos. Poemóbiles. Foto: Carla Bonomi

Dora Longo Bahia. Marcelo do Campo (dissertação)

No Dédalus e no Portal da Busca integrada é possível realizar a pesquisa pelas publicações de artista (termo mais geral que engloba inclusive os livros de artista) e, também, somente pelos livros de artistas (lembre-se que estão em causa aqueles que já foram identificados e caracterizados como tal pela nossa equipe).

Para pesquisar por publicações de artista no Dédalus em “campo para busca” selecione a opção “coleção especial” e digite o termo “publicação de artista” (o uso de acentos e sinais especiais é indiferente).

Publicação de artista é termo que delimita essas coleções em todas as bibliotecas da USP. Assim, outras bibliotecas podem ter coleção desse tipo de publicação e você irá localizá-las ao realizar a pesquisa considerando o acervo das demais bibliotecas da USP.

Para pesquisar apenas por livros de artistas digite o termo “livro de artista” no campo “assunto”:

Vejam também o trabalho realizado por Carla Bonomi como parte de seu trabalho de conclusão de curso de Biblioteconomia.

Bibliografia de livros de artista da coleção da Biblioteca da ECA


Semana do Livro e da Biblioteca

23/10/2017

Na semana de 23 a 27 de outubro, as bibliotecas da USP estão comemorando a XX Semana do Livro e da Biblioteca. Nesse evento, já tradicional em nosso SIBiUSP, as bibliotecas programam uma série de atividades para a comunidade, com o propósito de chamar a atenção para seus serviços e ressaltar sua importância no ambiente acadêmico.

A programação deste ano dá uma boa ideia da diversidade dos serviços oferecidos pelas bibliotecas da USP, e da criatividade e dinamismo das equipes de bibliotecários e técnicos. Mesmo com a dramática redução de pessoal ocorrida nos últimos anos, as bibliotecas da USP continuam vivas e atuantes. O tema deste ano é Conhecimentos e Práticas no Contexto da Informação Científica.

Programação geral da XX Semana do Livro e da Biblioteca

Aqui na ECA o contexto da informação científica tem seus contornos específicos, diferentes das demais unidades da USP. Nossa semana não é apenas do livro, é da música, das artes e dos livros de artista. Vejam nossa programação:

O livro pensado através – palestra de Lúcia L. Mindlin

dia 24.10 – terça-feira – 15 horas – Sala Egon Schaden (prédio central)

A fotógrafa e artista Lucia. L. Mindlin vai apresentar suas experiências enquanto pesquisadora do livro de artista.

Lucia L. Mindlin trabalha com fotografia desde 1991. Buscando um novo suporte para as imagens, começou a investigar e experimentar a construção de uma série de livros objetos, que utilizam procedimentos tais como repetição de imagens, deslocamentos, sobreposições, cortes e furos, entre outros.

Participou do V Nucleo de Formação em Linguagem Fotográfica, do Centro Cultural Oswald de Andrade, em São Paulo,1991. Formou-se em Design Gráfico no Centro Universitário Belas Artes, São Paulo (2010). Mestra em poéticas visuais pela Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de são Paulo, USP, sob orientação do professor Marco Buti (2014). Atualmente faz o doutorado sob a orientação do professor Claudio Mubarac, também na ECA/USP. Tem em seu currículo diversas exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior.

Inscrições gratuitas:

https://www.eventbrite.com.br/e/palestra-o-livro-pensado-atraves-tickets-38944964437

 

 

Visita guiada ao acervo de livros de artista da Biblioteca da ECA –  Alessandra Maldonado

23 de outubro – 15:00
25 de outubro –  10:30

Biblioteca da ECA – térreo do prédio central

Visita guiada com a bibliotecária Alessandra V. C. Maldonado para divulgar o Acervo de Publicações de Artista da Biblioteca da ECA composto por Livros de Artista, teses e dissertações do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais e TCCs do Departamento de Artes Plásticas.

Inscrições gratuitas:

https://www.eventbrite.com.br/e/visita-guiada-publicacoes-de-artista-da-biblioteca-da-eca-tickets-39017985846

 

A pesquisa em música e sua produção multifacetada – Carolina Andrade Oliveira

Palestra e apresentação musical (com Giulia Faria)
26 de outubro – 11 horas

Local: Sala Egon Schaden, prédio central da ECA

Carolina nos mostrará diferentes tipos de produção decorrentes da pesquisa em música e nos contará um pouco sobre seu trabalho de mestrado, que se propõe a investigar, identificar e analisar as práticas do regente-arranjador desde a concepção do arranjo até sua performance, passando pela escolha do repertório, procedimentos e técnicas de escrita, ensaios.  Junto com as também musicistas Anne Karoline Moreira e Juliana Vasques, Carolina mantém um canal no Youtube chamado “musicalidades”, que busca levar conteúdos relacionados à música para diversos tipos de interessados. Por fim, haverá uma apresentação musical do projeto “Volver a Latinoamérica”, em duo com a cantora Giulia Faria, realizando um repertório de canções latino-americanas, principalmente as das décadas de 60 e 70 que foram importante meio de expressão político-social na época das ditaduras.

Inscrições:

https://www.eventbrite.com.br/e/palestra-a-pesquisa-em-musica-e-sua-producao-multifacetada-depoimento-ao-final-de-um-mestrado-tickets-39050377731


Teses de artistas

18/04/2016

Nossa Escola cinquentona já formou muitos artistas importantes, que estão por aí trabalhando, expondo e ganhando prêmios.

Alguns fizeram sua graduação aqui, outros mestrado ou doutorado (ou ambos, ou todos). Muitos também foram nossos professores. Quase todos deixaram na Biblioteca um trabalho acadêmico: dissertação, tese ou trabalho de conclusão de curso de graduação.

Estamos trabalhando, junto com os professores de Artes Visuais, para aumentar a  visibilidade desses trabalhos, já que apenas os mais recentes estão disponíveis online na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Os demais repousam nas estantes e só podem ser usufruídos pelas pessoas que frequentam nossa Biblioteca.

E não podemos esquecer que parte do acervo que já está acessível online tem uma dimensão física e visual que só pode ser devidamente apreciada com o objeto físico em mãos, caso dos livros de artista e outros trabalhos que transitam nessa esfera. Nesse quesito nossa Escola é privilegiada, pois os programas de pós-graduação aceitam e a Biblioteca recebe com prazer trabalhos que fogem à regra do texto acadêmico impresso e encadernado em capa dura azul marinho.

Slide2Slide3

Ainda estamos descobrindo formas de tratar desses documentos que não combinam com uma estante comum de biblioteca, de forma que sua preservação seja garantida sem prejuízo ao acesso, leitura e fruição pelos usuários.

Nosso levantamento inicial já identificou algumas categorias específicas entre os trabalhos acadêmicos de artistas:

Reflexões sobre a própria obra ou sobre outros artistas. São trabalhos fundamentalmente teóricos, em formato de texto acadêmico.

Registro de obras. Documentação fotográfica da obra original do artista, em geral em formato de álbum, alguns com fotos impressas em papel fotográfico coladas nas páginas. O texto, nesses casos, pode ser a explicação do processo criativo que gerou as obras documentadas.

Obra original. O próprio objeto impresso apresentado à banca é uma obra de arte que será avaliada. Os formatos são variados e, por vezes, se distanciam da forma do livro.

Já pudemos observar que essas categorias não são estanques e que alguns trabalhos podem se enquadrar em mais de uma, enquanto outros são de difícil classificação.

Alguns exemplos de trabalhos de artistas que podem ser apreciados na Biblioteca da ECA:

BAHIA, Dora Longo

Marcelo do Campo 1969-1975
São Paulo, 2003.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP
Orientador: GIANNOTTI, Marco Garaude
Localização: t709.8104  C198b

Título: Do Campo a Cidade.
São Paulo, 2010.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP
Orientador: GROSS, Maria do Carmo Costa
Localização: t709.8104  C198ba

BONOMI, Maria

Arte pública : sistema expressivo/anterioridade
São Paulo, 1999.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP, 17/11/1999
Orientador: SILVEIRA, João Evangelista Barbosa Romeo da
Localização: t700  B719a

BUTI, Marco Francesco

Estruturas inevitáveis : continuidade do gravar interior
São Paulo, 1994.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP, 30/06/1994
Orientador: NITSCHE, Maria do Carmo Gross
Localização: t709.8104  B984e

CARMONA, Regina

Inscritos
São Paulo, 2005.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP, 29/09/2005
Orientador: CARVAJAL, Jorge Aristides de Sousa
Localização: t709.8104  C287i

CATUNDA, Leda

Poética da maciez : pinturas e objetos
São Paulo, 2003.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP, 28/03/2003
PLAZA GONZÁLEZ, Julio
Localização: t709.8104  C369p

CYMBALISTA, Marcia

Estações
São Paulo, 2011.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP
Orientador: BUTI, Marco Francesco
Localização: t709.8105  C996e

DIAS, Geraldo Souza

Babel
São Paulo, 2006.
Tese (Livre-docência) – CAP / ECA/USP.
Localização: t709.8105  D541b

FAJARDO, Carlos Alberto

Poéticas visuais : a profundidade e a superfície
São Paulo, 1998.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP, 19/05/1998
Orientador: Dispensado, Art. Cento e três – Reg. USP
Localização: t709.8104  F175p  v.1-2

FORTES, Hugo

Poéticas líquidas : a água na arte contemporânea
São Paulo, 2006.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP
Orientador: FERRARI, Donato
Localização: t709.04  F738p

GRINBERG, Norma

Lugar com arco
São Paulo, 1999.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP
JARDIM, Evandro Carlos Frasca Poyares
Localização: t731.5  G866L

Humanóides : transmutações da forma e da matéria
São Paulo, 1994.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP
Orientador: SILVEIRA, Joäo Evangelista Barbosa Romeo da
Localização: t738.0981  G866h

JARDIM, Evandro Carlos

Processos da gravura em metal
São Paulo, 1980.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP, 17/12/1980
Orientador: AMARAL, Aracy Abreu
Localização: t765  J37p

As gravuras em metal originais montadas em 20 pranchas estão armazenadas em sala climatizada, mas podem ser consultadas.

Reflexões sobre a prática da gravura em metal
São Paulo, 1989.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP, 27/11/1989
Orientador: ZANINI, Walter
Localização: t700  Jardim

MACAMBIRA, Yvoty de Macedo Pereira

A solidão consentida : uma abordagem da obra gráfica de Evandro Carlos Jardim
São Paulo, 1995.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP
Orientador: FABRIS, Annateresa
Localização: t769.981  J37m

Retratos
São Paulo, 2003.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP
Orientador: JARDIM, Evandro Carlos Frasca Poyares
Localização: t709.8105  M114r

MANO, Rubens

Intervalo transitivo
São Paulo, 2003.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP
Orientador: FAJARDO, Carlos Alberto
Localização: t709.8104  M285i

MUBARAC, Luiz Claudio

Notas sobre incisão
São Paulo, 1998.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP
Orientador: JARDIM, Evandro Carlos Frasca Poyares
Localização: t765  M941n

Sobre desenho, a gravura e a imagem repetida : memorial circunstanciado
São Paulo, 2010.
Tese (Livre-docência) – CAP/ECA/USP
Localização: t769.981  M941s

MUSA, João Luiz

Viagem a uma terra desconhecida
São Paulo, 1990.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP
Orientador: SILVEIRA, Regina
Localização: t770.08  M985vi

O viajante e as cidades
São Paulo, 1998.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP
Orientador: SILVEIRA, Regina
Localização: t770.08  M985v

NADOR, Mônica, 1955-

Paredes pinturas.
São Paulo, 1999.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP
Orientador: SILVEIRA, Regina
Localização: t700  N138p

NITSCHE, Maria do Carmo Gross (Carmela Gross)

Pintura, desenho
São Paulo, 1987.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP
Orientador: ZANINI, Walter
Localização: t709.8104  N732p

Projeto para a construção de um céu : apresentação
São Paulo : M C G Nitsche, 1981.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP
Orientador: ZANINI, Walter
Localização: t741.2  N732p

OLIVEIRA, Henrique de Souza

Tapumes : relatos de uma experiência pictórica em 3 dimensões
São Paulo, 2007.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP
Orientador: DIAS FILHO, Geraldo de Souza
Localização: t709.8105  O48t

PASTA, Paulo

Notas sobre pintura
São Paulo, 2002.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP
Orientador: FAJARDO, Carlos Alberto
Localização: t759.981  P291n

PLAZA, Júlio

Imagem digital : crise dos sistemas de representação
São Paulo, 1991
Tese (Livre docência) –  CAP/ECA/USP
Localização: t709.0408 P723i e.2

RAMIRO, Mário

O gabinê fluidificado e a fotografia dos espiritos no Brasil : a representação do invisivel no território da arte em diálogo com a figuração de fantasmas, aparições luminosas e fenômenos paranormais.
São Paulo, 2008.
Tese (Doutorado)
Localização: t770 A553g

REZENDE, Gustavo, 1960-

Produção refletida : arte, sujeito e espaço
São Paulo, 2004.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP
Orientador: FAJARDO, Carlos Alberto
Localização: t709.8105  R467p

ROMAGNOLO, Sergio

Esculturas, rugas e alegorias
São Paulo, 1998.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP
Orientador: SILVEIRA, Regina
Localização: t730  R756e

O vazio e o oco na escultura
São Paulo, 2001.
Apresent:Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP
Orientador: FAJARDO, Carlos Alberto
Localização: t730  R756v

SILVA, Nazareth Pacheco e, 1961-

Objetos sedutores
São Paulo, 2002.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP
Orientador: FAJARDO, Carlos Alberto
Localização: t709.8104  S586o

SIVEIRA, Regina

Anamorfas : texto descritivo e apresentação
São Paulo, 1980.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP, 09/09/1980
Orientador: PFEIFFER, Wolfgang Adolf Arthur
Localização: t742  S587a

O álbum com 12 gravuras lito-offset assinadas pela autora está  armazenado em sala climatizada, mas pode ser consultado.

Simulacros
São Paulo, 1984.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP, 06/11/1984
Orientador: PFEIFFER, Wolfgang Adolf Arthur
Localização: t742  S587s

TAVARES, Ana Maria

Armadilhas para os sentidos : uma experiência no espaço-tempo da arte
São Paulo, 2000.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP
Orientador: SILVEIRA, Regina
Localização: t730.981  T231a

TAVARES, Mônica

A produção de sentido no contexto da arte e do design digitais : alguns estudos sobre representações do corpo em ambientes interativos.
São Paulo, 2012.
Tese (Livre Docência) – CAP/ECA/USP
Localização: t709.0408 T231p e. 2

Veja mais:

Exposição realizada na Biblioteca
https://bibliotecadaeca.wordpress.com/2014/02/24/trabalhos-de-arte/

Artistas da ECA no Pinterest
https://br.pinterest.com/bibliotecadaeca/artistas-da-eca/

Artistas da ECA no Youtube
https://www.youtube.com/playlist?list=PLT7x9bINt_cteXevfCpSRuCM_GOK_5nU2

 

 

 


Livros mais emprestados de 2015

11/01/2016

Há sempre alguns títulos que se repetem.

Há sempre livros de professores aqui da ECA.

Também sempre constam os livros indicados pelas disciplinas de graduação ou que fazem parte dos processos seletivos dos programas de pós-graduação.

Em comum, todos os livros dessa lista têm mais de um exemplar ou são títulos com mais de um volume.

A pintura: textos essenciais

P_20160105_154847

São 14 volumes, dos quais temos 10 e mais de 30 exemplares. Foram 110 empréstimos durante o ano que passou.

Gestão de marketing e comunicação: avanços e aplicações

gestão marketing

Do prof. Mitsuru Higushi Yanaze, teve 63 empréstimos. Está sempre presente nessa lista.

Para entender as linguagens documentárias

para entender

Livro das professoras Anna M.M. Cintra, Maria de Fátima G.M. Tálamo, Marilda L.G.de Lara e Nair Y. Kobashi. Temos 7 exemplares, que foram emprestados 42 vezes durante o ano que passou.

 

Hiperpublicidade

hiperpublicidade

Organizado pela professora Clotilde Perez e Ivan S. Barbosa. São dois volumes, que foram emprestados 32 vezes. Presença repetida nesta lista.

30 empréstimos
Modernidade líquida, Zygmunt Baumant.

24 empréstimos
Creatividad, comunicación y cultura, do prof. Felipe Chibáz Ortiz.

21 empréstimos
A forma difícil: ensaios sobre arte brasileira, Rodrigo Naves.

20 empréstimos
Simulacros e simulação, Jean Baudrillard.

19 empréstimos
Agências de viagens e turismo: práticas de mercado, organizado pela profª Debora Cordeiro Braga.
Área de risco, tese de doutorado de Elke Pereira Coelho Santana.
Consumidor versus propaganda, do professor Gino Giacomini Filho.

18 empréstimos
Teorias da comunicação: conceitos, escolas e tendências, organização de Antonio Hohlfeldt, Luiz C. Martino, Vera Veiga França.
O discurso cinematográfico: a opacidade e a transparência, do professor Ismail Xavier.
A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a. Manuel Castells.

17 empréstimos
História geral da arte no Brasil. organizado pelo professor Walter Zanini.
Teatro de Bertolt Brecht.
Catalogação de recursos bibliográficos: AACR2R em Marc21, de Antonia Motta de C.M. Ribeiro.

16 empréstimos
Diferentes, desiguais e desconectados: mapas da interculturalidade, Néstor García Canclini.
Filosofia da caixa preta: ensaios para uma futura filosofia da fotografia, Vilém Flusser.
Planejamento de relações públicas na comunicação integrada, da professora Margarida Kunsch.
Uma história social do conhecimento: de Gutenberg a Diderot, Peter Burke.
Comunicação & produção científica: contexto, indicadores e avaliação, dos professores Dinah Población e Fernando Modesto e Geraldina Witter.
Do público para as redes: a comunicação digital e as novas formas de participação social, organizado pelo professor Massimo Di Felice.
Sobre as ruínas do museu, Douglas Crimp.

15 empréstimos
Escritos de artistas anos 60/70, organização de Glória Ferreira e Cecilia Cotrim.
A pintura da vida moderna: Paris na arte de Manet e seus seguidores, Timothy James Clark.
Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política: ensaio sobre literatura e história da cultura, Walter Benjamin.
Teoria contemporânea do cinema, organização de Fernão Pessoa Ramos.
O rosto e a máquina: o fenômeno da comunicação visto pelos ângulos humano, medial e tecnológico, do professor Ciro Marcondes Filho.


Pergunte na Biblioteca

14/01/2019

Um filme legal para assistir com os amigos?
Aquela dúvida cruel com as normas da ABNT?
As fontes de informação mais indicadas para o seu trabalho?
Ideias para criar seu livro de artista?
Dúvidas sobre prazos de empréstimo e renovação de livros?

As respostas para essas perguntas e muitas outras que talvez nem tenham passado pela sua cabeça estão na Biblioteca da ECA. Não sabemos tudo e provavelmente nem temos tudo o que você precisa, mas podemos ajudar bastante.

Temos vários canais de comunicação à sua disposição. Escolha o mais adequado ao seu gosto e necessidades.

Informações completas sobre nossos serviços, acervo e funcionamento

Nosso site é a principal e mais completa fonte de informações sobre a Biblioteca da ECA. Nele você encontra:

– links para nossos catálogos e outras fontes de informação importantes

– regulamento e normas de funcionamento,

– endereço e contatos

– nomes dos integrantes da equipe (e seus contatos)

– FAQ (perguntas frequentes)

– informações sobre empréstimo, renovação e reservas

– histórico

– Biblioteca em números (dados do relatório anual)

– formulário para sugestão de livros

– página de treinamentos, para você escolher e marcar o seu

– formulário para elaboração de ficha catalográfica de trabalhos acadêmicos

– e muito mais

O site da Biblioteca da ECA é atualizado constantemente. Acesse: www.eca.usp.br/biblioteca

Programação, notícias, divulgação de novos serviços

Nossos perfis no Facebook e Twitter, com postagens diárias e muitos seguidores, ajudam você a se manter atualizado sobre o que acontece na Biblioteca, na ECA, na USP, nas suas áreas de interesse. Cursos, eventos, novidades no acervo, mudanças de horário, divulgação de trabalhos de professores e alunos, dicas de normalização, revistas interessantes e sites incríveis que a gente descobre. Siga-nos, não estamos perdidos.

www.facebook.com/ecabiblioteca/

twitter.com/bibliotecadaeca/

Sites recomendados

Além da seção de links em nosso próprio site, no menu Fontes de Informação, organizamos e compartilhamos nossa coleção de favoritos no Pearltrees. Há coisas ótimas por lá, descobertas por nós e outras instituições das mesmas áreas.

www.pearltrees.com/bibliotecadaeca

Imagens

Fotos desta Biblioteca no Flickr e imagens diversas que capturamos por aí, no Pinterest.

www.flickr.com/photos/bibliotecadaeca/

br.pinterest.com/bibliotecadaeca/

Atendimento online

Para tirar dúvidas em tempo real, acesse nosso chat (link no site). Atendemos dentro do horário de funcionamento da Biblioteca, sempre que um dos bibliotecários de referência estiver diante de seu computador de trabalho. Se estiver azul, clique e faça sua pergunta. 

E-mail e telefone

Não conseguiu renovar o livro e não vai dar tempo de vir devolver? Não está conseguindo acessar o JStor ou encontrar uma partitura pelo Dédalus? Ligue para nós e tentaremos resolver o problema. Mandar e-mail ou mensagem privada pelo Facebook também funciona, respondemos no mesmo dia ou, no máximo, no dia útil seguinte.

telefone: (11) 3091.4071 / 4481

ecabiblioteca@usp.br

Os contatos pessoais dos funcionários estão no link Equipe do site.

www3.eca.usp.br/contato/biblioteca

Novas aquisições

Além da divulgação que fazemos pelo Facebook e Twitter, destacando alguns itens específicos do acervo, divulgamos as principais novidades pelo Libib, uma ferramenta simpática para montar catálogos simples de livros. Funciona como uma rede social, você pode montar o seu catálogo pessoal e seguir outras pessoas ou instituições.

/bibliotecadaeca.libib.com/

Resumo do que é mais importante

Para quem não tem tempo ou não gosta de redes sociais, a melhor forma de obter pelo menos as notícias mais importantes sobre nossa Biblioteca é assinando o boletim Acontece na Biblioteca. É uma newsletter mensal que você recebe por e-mail. Se não gostar, basta se descadastrar. É um serviço restrito aos alunos, professores e funcionários da ECA/USP, devido às restrições quantitativas do programa. Se você é um ecano e deseja receber o boletim, clique aqui:

Acontece na Biblioteca

Textos diversos, instruções, destaques do acervo, catálogos temáticos de filmes

Neste blog publicamos, toda segunda-feira, conteúdos interessantes, tanto acadêmicos quanto de lazer. Acompanhe!

Bibliotecárias, bibliotecários e outros funcionários

Acreditamos que o contato pessoal ainda é a melhor forma de interagir com uma biblioteca. Venha até a Biblioteca e converse conosco. Se estiver por aqui e precisar de auxílio, não tenha receio de abordar um funcionário. Ficaremos contentes em ajudar.

 

 

 

 

 

 


O III Seminário da Redarte-SP

03/12/2018

A Rede de Bibliotecas e Centros de Informação em Arte de São Paulo (Redarte – SP), surgiu no final da década de 1990, com o objetivo de reunir as instituições e profissionais que mantém acervos da área em torno de projetos e ações colaborativas. A ideia era constituir, no futuro, uma associação como a Redarte do Rio de Janeiro, criada em 1995 e já bastante consolidada.

Depois de dois anos de atuação regular, durante os quais foi elaborado um guia de instituições de artes, a Redarte-SP teve suas atividades interrompidas. Faltou aos seus integrantes, eternamente sobrecarregados com as atividades de suas instituições,  condições mínimas para prosseguir. Somente em 2016 um grupo de profissionais decidiu retomar a ideia, e tem se reunido periodicamente, desde então.

Nessa segunda fase, foi criado um novo website e uma página no Facebook, na qual são divulgadas não apenas notícias sobre as atividades da Redarte-SP, mas informações as mais diversas sobre o mundo da informação na área de artes. A Redarte-SP agora tem uma logomarca, criada pelo Design Lab ESPM, da Escola Superior de Propaganda e Marketing. Outra realização importante desse período foi a realização dos três Seminários de Informação em Arte, de  2016 a 2018.

Cartaz do Seminário – arte de Andréia Tiemi

A edição mais recente do Seminário, realizada no dia 23 de novembro, na ECA, teve como tema Livros de Artistas: da Criação ao Acesso. As palestras abordaram diferentes aspectos do tema, garantindo o interesse da plateia formada por bibliotecários, artistas, pesquisadores, curadores de acervos e estudantes de várias áreas.

A definição do livro de artista como dilema – por Paulo Antonio de Menezes Pereira da Silveira, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRG)

Abordou a definição de “livro de artista”, expressão associada primeiramente a edições específicas da arte contemporânea, surgida espontaneamente e com objetividade nos anos 1970. Nas décadas seguintes passou a ser discutida, reivindicada ou mesmo inadequadamente interpretada, sobretudo por artistas, fenômeno que prossegue nos anos 2000.

Apresentação de Paulo Silveira

Uma reflexão sobre as potencialidades e os conceitos que traduzem o “Livro de artista” – por Silvana Novaes Ferreira,  professora da Escola Superior de Propaganda e Marketing

Partindo de uma reflexão sobre os conceitos que traduzem o Livro de artista, a apresentação abordou as potencialidades de exploração acadêmica junto aos alunos de Graduação em Design da ESPM. No Projeto de graduação em Design PGD os alunos podem optar pela modalidade “Experimental” e muitos escolhem o formato de livro de Artista. A palestra mostrou e explicou a metodologia desenvolvida, as etapas de desenvolvimento dos projetos e os resultados finais.

Apresentação de Silvana Novaes Ferreira

O livro pensado através – por Lucia Mindlin Loeb, artista e pesquisadora em Artes Visuais, doutoranda da ECA/USP

A artista mostrou seu trabalho e contou um pouco do processo de criação e produção dos livros obra/objeto/escultura que vem produzindo desde 2006. Lucia trabalha com fotografia desde 1991 e, buscando um novo suporte para as imagens, começou a investigar e experimentar a construção de uma série de livros objetos, que utilizam procedimentos tais como repetição de imagens, deslocamentos, sobreposições, cortes e furos, entre outros.

Apresentação de Lúcia Mindlin Loeb

Dissertação de mestrado (e livro de artista) de Lúcia Mindlin Loeb

A formação e o desenvolvimento da Coleção Livro de Artista na UFMG – por Diná Marques Pereira Araújo, bibliotecária coordenadora da Divisão de Coleções Especiais e Obras Raras (UFMG)

A Coleção Livro de Artista da Universidade Federal de Minas Gerais, com mais de 700 itens catalogados, é o maior acervo brasileiro no gênero e a primeira em biblioteca de universidade pública no Brasil. Começou em 2009, com a doação de um conjunto de livros de Alex Flemming, Guto Lacaz, Marilá Dardot e Paulo Bruscky. Em sua apresentação, Diná tratou da prática da organização de um acervo de livros de artistas, com seus diversos desafios.

Apresentação de Diná Araújo

O III Seminário, que foi aberto pelo Prof. Dr. Martin Grossmann, chefe do Depto de Informação e Cultura da ECA e teve a mediação da Profa. Dra. Cibele Araujo Camargo Marques dos Santos, do mesmo Departamento, foi gravado. Assim que estiver devidamente editado, o vídeo será divulgado no site da Redarte-SP. As apresentações já estão disponíveis, faltando apenas a do prof. Paulo Silveira, realizada por videoconferência.

Professores Martin e Cibele, na abertura do evento

A Redarte-SP existe e acontece pelo empenho de seus integrantes, que voluntariamente cedem um pouco de seu tempo para um trabalho colaborativo. Se você atua num acervo das áreas de Arquitetura, Artes do espetáculo ou Artes Visuais e deseja participar, entre em contato com A Redarte-SP pelo e-mail redarte.saopaulo@gmail.com.

 

O vídeo do evento está disponível no IPTV

Primeira parte:
http://iptv.usp.br/portal/video.action?idItem=40034

 

 

 


Cada coisa em seu lugar, n. 2

24/09/2018

Numa publicação aqui neste blog no ano passado explicamos a organização dos livros nas estantes e falamos da Classificação Decimal de Dewey (CDD), que usamos para classificar os livros, e que determina a ordem e localização dos livros nas estantes.

No entanto, se você vem com frequência à biblioteca já deve ter notado outros arranjos um pouco diferentes desse usado para os livros. Não só o uso de letras antes da classificação, como localizações bem mais diferentes: F2475, TC1677, E10711, etc.

As letras ‘r’, ‘t’, e  ‘g‘ são usadas antes das classificações atribuídas a obras de referência, teses e dissertações e livros de dimensões físicas muito grandes. Servem para ajudar a identificar esse material, separando-os da coleção geral de livros, na qual usamos o mesmo sistema de classificação.

Já a organização usada para partituras, DVD, folhetos, discos de vinil e outros materiais é um sistema de ordenação fixa, ou seja, a localização na estante não é determinada pela classificação na tabela de assuntos da CDD e sim pela ordem de tombamento ou de registro em nosso catálogo. Esse sistema é indicado preferencialmente para acervos de acesso restrito, mediado por um funcionário, já que os materiais ficam dispostos nas estantes frequentemente sem nenhuma relação temática ou de autoria com os itens adjacentes.

Tem como vantagens principais poder usar todo o espaço disponível e não ter que fazer remanejamentos periódicos. Enfim, ganha-se espaço. Nesse sistema pode-se indicar por meio de números o andar, sala, estante, prateleira e a posição sequencial do item. Por exemplo: II-016,5,015, poderia significar segundo andar, estante 16, prateleira 5, e é o 15º nessa prateleira.

Toda a prateleira é usada

No nosso caso, apenas indicamos o tipo de material pelas letras iniciais, DVD, CD, F (folheto), TC (trabalho de conclusão de curso), E (partituras encadernadas), M (memoriais), D (disco de vinil) LA (livro de artista) e acrescentamos uma ordem numérica sequencial. Para as partituras que não são encadernadas, usamos apenas uma numeração sequencial e para cópias de DVD e CD, adicionamos um ‘X’ (XDVD, XCD).

Exemplos:

Pt566
F2475
TC1677

Ordem sequencial na prateleira


Tudo sobre o seu TCC

08/04/2019

Quase tudo, na verdade, porque não vamos nos intrometer na parte que cabe aos orientadores. Os cursos da ECA têm até disciplinas que preparam o aluno para a empreitada. Mas vamos dar umas dicas que podem ajudar bastante.

Fontes de informação

Trabalhos acadêmicos exigem referencial teórico. Mesmo quem conhece bem seu objeto de estudo, porque já trabalhou com isso ou porque faz parte de sua história pessoal precisa encontrar na literatura da área o embasamento para desenvolver suas ideias e justificar suas conclusões. Seu orientador vai ajudar, mas você vai precisar fazer buscas em bibliotecas e bases de dados online para encontrar material relacionado ao tema do seu TCC, e não apenas no Google.

foto: Richard Vignola (Flickr)

Consulte o Dédalus para localizar livros, teses e trabalhos de conclusão de curso de todas as bibliotecas da USP. As teses e TCCs mais recentes estão disponíveis em pdf. Veja neste post como se faz para encontrar TCCs no Dédalus. Alguns TCCs em pdf só podem ser abertos e baixados na Biblioteca da ECA. Isso acontece porque o autor não colocou no trabalho a autorização para divulgação ampla pela internet. Não de esqueça de fazer isso no seu TCC, se quiser facilitar a vida dos seus futuros leitores.

Acesse o Portal de Busca Integrada da USP e o Portal de Periódicos da CAPES para encontrar artigos de revistas acadêmicas, com o texto completo disponível para baixar. Alguns conteúdos de um serviço não estão disponíveis no outro, por isso é bom consultar os dois. As revistas e os e-books publicados pela USP, por exemplo, não estão no portal da CAPES.

Quem pretende fazer uma pesquisa mais consistente vai precisar recorrer às bases de dados de artigos de revistas. Pelo Portal de Periódicos da CAPES ou pela lista de Bases de Dados do SIBi, você terá acesso a diversas bases, tanto especializadas em uma área quanto multidisciplinares. Alguns exemplos:

Academic Search Premier – multidisciplinar

Art Full Text – artes visuais, arquitetura, fotografia, cinema

Businnes Source Complete – administração, negócios, marketing, economia, turismo

JStor: multidisciplinar

LISA – Library & Information Science Abstracts – biblioteconomia e ciência da informação

RIPMRetrospective Index of Music Periodicals: música

Scopus: multidisciplinar

Importante: para abrir artigos publicados em revistas pagas pela USP ou pela CAPES em qualquer computador que não seja da USP, você precisa estar conectado à rede VPN ou Eduroam. Veja aqui como fazer isso.

E, por fim, se tudo isso parecer complicado demais, não se esqueça de que você tem à sua disposição as bibliotecárias e o bibliotecário de referência da ECA (Lilian, Marina e Walber), que podem ajudar muito.

Normalização e formatação

Referências? Citações? Notas de rodapé? Tabelas e ilustrações? Sumário? Se essas palavras te provocam medo, náusea ou coceiras, saiba que não é para tanto. Com um pouco de paciência e, se precisar, ajuda da Biblioteca da ECA, vai dar tudo certo.

Em nosso site, na página Normalização, oferecemos alguns materiais de apoio importantes, como as Diretrizes da USP para elaboração de dissertações e teses, que também serve para os TCCs. É um manual preparado por bibliotecários da USP que reúne todas as instruções da diversas normas da ABNT necessárias para elaborar um trabalho acadêmico. Como fazer referência de um artigo online, como e quando usar o apud, está tudo lá.

Se você preferir consultar diretamente as normas da ABNT, fale conosco ou baixe o que precisar pelo site do SIBi, no serviço ABNT – Portal Gedweb.

Alguns pontos importantes sobre citações e referências:

Faça uma única lista de referências, incluindo na mesma ordem todos os documentos citados, sejam livros, artigos, sites ou filmes.

Só inclua na lista de referências os documentos efetivamente citados no texto.

Evite citações de citações (o famoso apud). Procure localizar a fonte original.

Informação oral ou não publicada (algo que você ouviu numa palestra, por exemplo) podem ser citadas, mas não entram na lista de referências. Coloque em nota de rodapé.

Não faça do seu texto uma colcha de retalhos. Procure encadear as citações no seu discurso de forma equilibrada, usando-as, por exemplo,  para fundamentar suas ideias ou justificar suas afirmações.

Ficha catalográfica

A norma da ABNT para trabalhos acadêmicos diz que é necessário ter os dados de “catalogação na publicação” ou seja, a ficha catalográfica. Parece difícil, mas basta preencher um formulário no site da Biblioteca e a ficha sai pronta, na hora, automaticamente. E já com a frase que autoriza a publicação do trabalho na internet.

Depois da defesa

Seu trabalho deve ser encaminhado à Biblioteca pelo seu Departamento, oficialmente, ou seja, acompanhado por um ofício ou documento semelhante. A maioria dos Departamentos adota o critério de nota mínima para enviar os TCCs à Biblioteca.

Se o trabalho for textual, só recebemos em pdf. Entram para o acervo em versão impressa apenas os trabalhos de arte (objetos, gravuras, desenhos, livros de artista etc) ou qualquer trabalho que só possa ser apreciado plenamente em sua expressão física.

 

 


Os números de 2018

28/01/2019

Os livros, DVDs, partituras, revistas etc estão lá nas estantes, tem sempre pessoas arrumando, guardando e emprestando esse acervo, os bibliotecários e outros funcionários ajudam quem precisa de orientação. Mas nem todo o trabalho que fazemos numa biblioteca é visível para nossos usuários. É por isso que cultivamos o hábito de exibir alguns dos nossos números. Então, vamos lá.

Atendimento

Entraram na Biblioteca da ECA, no ano passado, 73438 pessoas, o que dá uma média de 6120 por mês. Esse pessoal veio pesquisar, retirar material, assistir filmes nas salinhas, estudar nas mesas individuais e nas salas de estudo em grupo – que agora tem ar condicionado -, pedir orientação aos bibliotecários, procurar alguma coisinha para ler no fim de semana etc.

Foram emprestados 23612 itens e consultados localmente 21845, ou mais. Muita gente consulta os livros e devolve nas estantes antes que a gente possa registrar nas estatísticas. É por isso, além de evitar que os livros sejam guardados em lugar errado, que a gente pede para deixar sobre as mesas os livros consultados.

Nossos treinamentos e palestras atingiram um público de 598 pessoas, e 418 procuraram individualmente o atendimento pelos bibliotecários. Podemos atender mais gente ainda, apareçam!

Aquisição

Em 2018 não recebemos verba para comprar livros, mas nem por isso o acervo deixou de crescer. Recebemos 2998 itens em doação, de instituições, empresas, pessoas generosas e, naturalmente, da FAPESP. Recebemos muitas doações, mas nem tudo é incorporado ao acervo. Após um trabalho de seleção cuidadoso, o material que não é adequado ao perfil do acervo é doado a outras instituições.

Tratamento da informação

Todo o material recebido passa por alguns processos antes de chegar às mãos dos usuários. Só encontramos os livros no catálogo e nas estantes porque há uma equipe que os analisa, cataloga, indexa e classifica por assunto e registra os dados no Dédalus e outras bases de dados. No ano passado a equipe encarregada desse trabalhos colocou à disposição do público 3233 itens, cadastrou no site da ECA 17 e-books publicados pela Escola, além de coletar e registrar 422 produções intelectuais de docentes.

Conservação

Livros, revistas e partituras e outros materiais impressos se desgastam, rasgam, perdem a capa e precisam ser recuperados. Vídeos e discos em vinil precisam ser copiados para suportes mais modernos para continuarem existindo. Nesse ano que passou nossa equipe de conservação foi responsável pela higienização de 1496 itens, conservação preventiva e pequenos reparos em 1578 e 69 conversões de suporte.

Divulgação, redes sociais, atividades culturais

Escrevemos e publicamos neste blog 46 textos originais. Tivemos 100.538 visualizações.

Fizemos publicações diárias no Facebook e no Twitter, preparamos e enviamos 11 boletins Acontece na Biblioteca, divulgamos 366 livros novos no Libib (não divulgamos todos, é uma seleção).

Organizamos 2 palestras, um debate e uma exposição, participamos da organização de um seminário.

Bibliotecários e tecnologia – palestra de Tiago Murakami – 25/10

Desenho de Escuta: políticas da auralidade na era do áudio ubíquo – palestra de Henrique Souza Lima – 18/10

O desafio da diversidade nas bibliotecas: questões metodológicas e culturais – Mesa-redonda – 24/10

III Seminário de Informação em Arte: Livros de artistas: da criação ao acesso – em conjunto com a Rede de Bibliotecas e Centros de Informação em Arte de São Paulo e Departamento de Informação e Cultura da ECA – 23/11

Exposição Livros de Artista – de 23/11 a 15.12


Para ver mais dados sobre o ano que passou e mais o quadro que mostra os tipos de materiais do acervo e suas quantidades, acesse o link Biblioteca em Números do nosso site.

 

 

 

 

 

 

 


%d blogueiros gostam disto: