Eduardo Coutinho

03/02/2014

eduardo-coutinho

Faleceu ontem,  tragicamente, um dos mais importantes documentaristas brasileiros. Conheçam o trabalho do cineasta Eduardo Coutinho (1933-2014) e alguns textos sobre sua obra disponíveis na Biblioteca da ECA.

Filmes dirigidos por Eduardo Coutinho

Cabra marcado para morrer
Brasil, 1984, 119 min

No início dos anos sessenta, um líder camponês, João Pedro Teixeira, é assassinado por ordem dos latifundiários do Nordeste. As filmagens de sua vida, interpretadas pelos próprios camponeses, foram interrompidas pelo golpe militar de 1964. Dezessete anos depois, em 1981, o diretor retoma o projeto e procura a viúva Elizabeth Teixeira e seus dez filhos, dispersados pela onda de repressão que se seguiu ao episódio do assassinato. Resumo extraído do catálogo da Mostra Eduardo Escorel, CINUSP, 2005.
VC0042, VC0250, XDVD0009

O fio da memória
Brasil, 1991, 115 min

Realizado de 1988 a 1991, no Estado do Rio, o filme procura condensar, em personagens e situaçöes do presente, a experiência negra do Brasil, a partir de dois eixos – as criaçöes do imaginário, sobretudo na religião e na música, e a realidade do racismo, responsável pela perda de identidade étnica e pela marginalizaçäo de boa parte dos cerca de 60 milhöes de brasileiros de origem africana. Gabriel Joaquim dos Santos, trabalhador de salina e artista semianalfabeto que construiu em Säo Pedro da Aldeia, a Casa da Flor- feita de restos de obras e fragmentos retirados do lixo – é o fio condutor do filme. Ligando temas e personagens, a vida de Gabriel, contada por ele mesmo, revela o esforço obsessivo de um homem para deixar marcas de sua existência no mundo (resumo extraído da capa do vídeo). Imagens: interior e exterior da Casa da Flor, mostrados em detalhes; retratos de escravos brasileiros, feitos pelo fotógrafo Cristiano Jr. (1866); culto à escrava Anastácia; rituais de candomblé e umbanda: danças, oferendas a Iemanjá, festas de Cosme e Damião, festa de Omulu; favelas; manifestaçöes e passeatas do movimento negro. Depoimentos: ex-escravos; mãe de santo Carmen de Oxum; sambistas Carlos Cachaça, Sinval Silva e Aniceto do Império; meninos de rua; internos da FUNABEN; favelados que foram presos e amarrados com cordas, em 1992; Benedita da Silva, na época deputada federal.
VC0866, XDVD0500

Santo forte
Brasil, 1998?, 80 min

santo

Documentário que retrata a experiência religiosa marcada pelo sincretismo de moradores da Vila Parque da Cidade, situada na Gávea, zona sul do Rio de Janeiro. Em 1997, foram registrados depoimentos de aproximadamente quinze moradores, em suas casas, contando sua história de vida e sua trajetória espiritual. São católicos, espíritas ou evangélicos que têm em comum a crença numa comunicação direta com o mundo sobrenatural por meio da intervenção, em seu cotidiano, de espíritos, guias, santos, orixás e anjos. Eles apresentam os conflitos entre as igrejas evangélicas, sobretudo a Igreja Universal do Reino de Deus e as práticas da umbanda ou do catolicismo. Apresenta imagens das casa onde teriam ocorrido fenômenos religiosos, imagens do morro onde está situada a vila, da equipe de produção, da missa celebrada pelo Papa João Paulo II no aterro do Flamengo em 5.10.1997 e de moradores assistindo a essa missa pela televisão. No decorrer do documentário a rede de relações entre os personagens – familiares e a vizinhança vai se formando e mostrando a convivência entre os adeptos de religiões diferentes. O filme termina em 24 de dezembro de 1997, quando alguns desses personagens celebram, cada um a seu modo, o Natal.
xVC0240, VC1426

Santa Marta: duas semanas no morro
Brasil, 1987, 54 min

O cotidiano dos moradores do Morro Santa Marta, favela localizada em Botafogo, Rio de Janeiro. Durante as entrevistas com os moradores foram abordadas questões como o orgulho e o medo de se viver em Santa Marta, a discriminação sofrida e, principalmente, o medo da polícia, que consideraram como incapaz de diferenciar os traficantes e bandidos de cidadãos comuns. Um policial foi questionado sobre como as pessoas da favela eram tratadas. Alguns moradores falavam sobre a falta de ajuda e recursos que deveriam ser dados pelo governo, mas, a maioria dizia sentir orgulho de morar no Morro Santa Marta.
DVD0636

Edifício Master
Brasil, 2002, 110 min

edificiomaster

Relato de 37 moradores do Edifício Master sobre suas histórias de vida e a sua relação com o edifício e com o bairro de Copacabana. Constrói-se, desse modo, um mosaico composto a partir das diferentes experiências de cada morador entrevistado. São histórias comuns, de fatos ocorridos em suas vidas, em que, na maioria das vezes, são sublinhadas a preocupação com a solidão à qual estão submetidos os habitantes dos grandes centros urbanos.
DVD0725/6, XDVD0302

O fim e o princípio
Brasil, 2005, 110 min

Sem pesquisa prévia, sem personagens, locações nem temas definidos, uma equipe de cinema chega ao sertão da Paraíba em busca de pessoas que tenham histórias para contar. No município de São João do Rio do Peixe a equipe descobre o Sítio Araçás, uma comunidade rural onde vivem 86 famílias, a maioria ligada por laços de parentesco. Com a mediação de Rosa, agente da Pastoral da Criança da região, os moradores – na maioria idosos – contam sua vida, marcada pelo catolicismo popular, pela hierarquia, pelo senso de família e de honra. Coutinho encontra gente como a rezadora Mariquinha, que garante que “reza com o apelido da pessoa não funciona, só com o nome todo”. O diretor acha também homens cheios de certezas, como Leocádio, que em dado momento questiona o próprio Coutinho sobre sua crença em Deus. E Chico Moisés, que “acredita no que vê com os olhos e pega com as mãos”, mas nem por isso deixa de ter sonhos elaborados sobre o inferno. Resumo elaborado a partir das informações dos sites Adoro Cinema Brasileiro e Terra Cinema.
DVD1312

Jogo de cena
Brasil, 2006, 107 min

jogo

Vinte e três mulheres contam suas histórias para a câmera, relatando momentos cruciais em sua relação com os filhos e com os pais. Em alguns casos, o depoimento é interpretado por atrizes, algumas bastante conhecidas do público, outras não. Em outros casos, é a própria personagem que narra sua história. Algumas histórias se repetem, tornando difícil para o espectador distinguir a atriz da personagem real. Completando o quadro, uma das atrizes conta uma experiência de sua vida pessoal.
DVD1311

Peões
Brasil, 2004, ca.85 min.

Vinte e um operários do ABC paulista que participaram das greves de 1979 e 1980, lideradas pelo então presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo. Falam sobre suas origens, da participação no movimento e dos caminhos que seguiram. Recordam os sofrimentos e recompensas do trabalho nas fábricas, comentam os efeitos da militância política na vida familiar e expõem sua visão pessoal do ex-líder metalúrgico que se tornou presidente da República.
DVD1299, DVD2840, DVD3267

Moscou
Brasil, 2009, 78 min

O filme é composto de fragmentos de workshops, improvisações e ensaios de uma peça que não teve e nem teria estréia. A peça As três irmãs conta a história de Olga, Macha e Irina que, sem perspectivas com a vida levada na província, sonham em voltar para Moscou. É um drama sobre pessoas comuns, que vivem presas a um passado idealizado e a um futuro improvável, sem a capacidade de viver o presente.
DVD2370

Filmes com roteiro de Coutinho

Lição de amor
ESCOREL, Eduardo, 1945-
Brasil, 1975, 81 min

São Paulo, anos vinte. Um rico industrial contrata uma governanta alemã para ensinar os segredos do amor a seu filho adolescente, sob o pretexto de aulas de alemão e piano às crianças. A “Fraülein” se ressente da incompreensão dos brasileiros em relação à sua tarefa. O interesse crescente do rapaz pela governanta desperta as suspeitas da mãe, que obtém sua demissão. “Fraülein” parte à procura de outro emprego, sonhando reunir a quantia necessária para voltar a seu país (Centre Georges Pompidou, Le cinéma bresilien, p.294).
VC0045, DVD0675

A falecida
HIRSZMAN, Leon, 1937-1987
Brasil, 1965, 90 min

História de Zulmira, mulher pobre do subúrbio do Rio de Janeiro que sonha com um funeral de luxo.
VC0186, XDVD0110, DVD1445

Filmes sobre Coutinho

Olho nu
KOBAYASHI, Erika
Brasil, 1998, 31 min

Repórteres e diretores de cinema e TV falam sobre as reações das pessoas diante de uma câmara, e sobre o método que usam para abordar e conversar com seus entrevistados. São exibidos trechos dos filmes Cabra marcado para morrer e Fio da memória, seguidos por explicações de seu realizador, Eduardo Coutinho. Outros depoimentos: Maria Cândida Mendes, repórter cinematográfica; Estêvão Chiavatta, diretor de Brasil Legal e Mauro Mendonça Filho, diretor de Muvuca, dois programas da TV Globo e Marcos Bernstein, da equipe do filme Terra estrangeira.
VC1156, XDVD0448

O fio da memória, por Eduardo Coutinho
Cineamericanidad; Realização
Brasil, 1992, 48 min

Eduardo Coutinho fala sobre seu filme O fio da memória, um documentário sobre a abolição da escravatura. O cineasta, que dirigiu também Cabra marcado pra morrer, aborda o conceito de filme de conversação, categoria onde classifica os documentários que realiza. Enfatiza a importância da fala com imagem e da espontaneidade dos depoimentos nesse tipo de filme. Fala, ainda, de sua preocupação em evitar didatismo em O fio da memória e da decisão de usar um texto de Gabriel dos Santos, criador da Casa da Flor, como eixo do filme.
VC0451, XDVD0332

Livros, artigos e teses sobre o cineasta

Artigos

El juego se acabó: nuevos caminos en el documental brasileño contemporáneo

María Celina Ibazeta
Doc On-Line : Revista Digital de Cinema Documentário, 2011(11), p.231

coverIndagações em torno de Eduardo Coutinho e seu diálogo com a tradição moderna

Ismail Xavier
Comunicação & Informação Goiânia v. 7, n. 2, p. 180-7, jul./dez. 2004
Goiânia 2004

coverEduardo Coutinho entre o jogo e a cena

Rocha Da Silva, Alexandre ; Diniz, Felipe Xavier
Comunicação Midiática, 2012, Vol.7(1), pp.138-152

coverThe Garbage Man: An Interview with Eduardo Coutinho

Martins, Marília
Framework: The Journal of Cinema and Media, 2010 Spring, Vol.51(1), pp.129-133

coverFlesh for the Author: Filmic Presence in the Documentaries of Eduardo Coutinho

Sayad, Cecilia
Framework: The Journal of Cinema and Media, 2010 Spring, Vol.51(1), pp.134-150

coverNos Entreatos, tal como Peões: do Lula operário ao Lula presidente

Da Silva, Caroline
DOC On-line: Revista Digital de Cinema Documentário, 2009, Issue 6, p.235

coverDocumentário e performance: modos de a personagem marcar presença no cinema de Eduardo Coutinho

De Araújo Bezerra, Cláudio Roberto
DOC On-line: Revista Digital de Cinema Documentário, 2009, Issue 6, p.238

coverJornalismo literário, cinema e documentário: apontamentos para um diálogo entre as áreas

Martinez, Monica
Comunicação Midiática, 2012, Vol.7(2), pp.98-116

coverCabra Marcado para Morrer – cinema contando História por meio de histórias (e memórias)

Verônica Dias
Doc On-Line : Revista Digital de Cinema Documentário, 2006(1), p.62

coverEstética da subtração: o lugar de autor no documentário de Eduardo Coutinho

Junqueira Da Silva, Mariana Duccini

DOC On-line: Revista Digital de Cinema Documentário, 2009, Issue 7, pp.97-106

coverCabra Marcado para Morrer: cinema contandoHistória por meio de histórias (e memórias)

Ferreira Dias, Verônica
DOC On-line: Revista Digital de Cinema Documentário, 2006, Issue 1, pp.62-78

cover‘Jogo de Cena’ de Eduardo Coutinho: La verdad entre realidad y representación

Sprinceana, Andreea Iulia

LL Journal, 2009, Vol.4(2)

coverEntre la estética, la política y el cine dentro del cine: El prólogo de Cabra marcado para morrer de Eduardo Coutinho

Herrera, Javier
Ciberletras, 2005 July, Vol.13

coverA Construçao da Realidade-O Estudo do Processo Criativo de Eduardo Coutinho na Elaboraçao do Documentário Santo Forte

Ferreira Dias, Verônica
DOC On-Line: Revista Digital de Cinema Documentário/Revista Digital de Cine Documental/Digital Magazine on Documentary Cinema/Revue Electronique du Cinema Documentaire, 2010 Dec, Vol.9, pp.249-250

Political films flourish in Brazil’s freer climate

Riding, Alan
The New York Times, April 6, 1985, Vol.134, p.10(N) p9(L)

Santo Forte: A Entrevista no Cinema de Eduardo Coutinho

Scareli, Giovana
DOC On-Line: Revista Digital de Cinema Documentário/Revista Digital de Cine Documental/Digital Magazine on Documentary Cinema/Revue Electronique du Cinema Documentaire, 2009 Dec, Vol.7, pp.130-132

coverEstética da Subtraçao: O Lugar de Autor no Documentário de Eduardo Coutinho

Silva, Mariana Duccini Junqueira da
DOC On-Line: Revista Digital de Cinema Documentário/Revista Digital de Cine Documental/Digital Magazine on Documentary Cinema/Revue Electronique du Cinema Documentaire, 2009 Dec, Vol.7, pp.97-106

Livros

Henri Pierre Arraes de Alencar Gervaiseau
São Paulo Alameda c2011
cover
O abrigo do tempo abordagens cinematográficas da passagem do tempo e do movimento da vida dos homens
Henri Gervaiseau
São Paulo Alameda 2012
cover
Consuelo Lins
Rio de Janeiro Jorge Zahar c2004

cover
Teses

Métodos de trabalho na tradição documentária: análise dos procedimentos metodológicos na realização dos filmes “Santo Forte” de Eduardo Coutinho e “Notícias de uma Guerra Particular” de João Salles e Kátia Lund
João Batista Godoy de Souza; Marília Franco 2001

cover

A construção da realidade: o estudo do processo criativo de Eduardo Coutinho na elaboração do documentário Santo Forte
Verônica Ferreira Dias; Maria Dora G Mourão 1949-
2010

Found footage em tempo de remix: cinema de apropriação e montagem como metacrítica cultural e sua ocorrência no Brasil
Marcos Leandro Kurtinaitis Fernandes; Arlindo Ribeiro Machado Neto
2013
Jogos de cena: ensaios sobre o documentário brasileiro contemporâneo (Exibir detalhes)
Ilana Feldman Marzochi; Ismail Xavier
2012

cover
Resenha

Songs.(Movie review) (Exibir detalhes)
Van Hoeij, Boyd
Variety, Nov 28, 2011, Vol.425(3), p.52(1)

Anúncios

Documentários de Evaldo Mocarzel

03/12/2012

O cineasta Evaldo Mocarzel doou à Biblioteca da ECA/USP quase toda sua filmografia, com exceção de um único título: são 18 filmes de longa-metragem e 11 curtas, todos em DVD. A doação foi feita por indicação da profa. Marília Franco, do Departamento de Cinema, Rádio e Televisão, que acredita na ideia de ter bons acervos de filmes em bibliotecas.

Mocarzel, carioca de 52 anos, formado em Cinema pela Universidade Federal Fluminense, dirigiu o curta À margem da imagem (2001), documentário sobre os moradores de rua de São Paulo que discute “a estetização da miséria e o roubo da imagem de quem está na exclusão social mais absoluta”. O filme recebeu 19 prêmios em festivais, nacionais e internacionais. A versão em longa-metragem, finalizada em 2002, recebeu o Kikito de Melhor Documentário no 31o Festival de Gramado – Cinema Brasileiro e Latino e o prêmio de Melhor Documentário no Festival do Rio 2003.

Seus trabalhos seguintes também obtiveram prêmios e reconhecimento em mostras e festivais. O longa Mensageiras da luz (2004) sobre o trabalho das parteiras tradicionais no Amapá, foi premiado no Festival de Belém do Cinema Brasileiro, no Cine PE – Festival de Cinema de Recife e na Jornada da Bahia.

Do luto à luta (2005) foi realizado para o Programa de Atendimento e Tratamento a Pessoas Especiais da Petrobras com a finalidade de “ajudar os pais a vencer uma possível rejeição inicial ao bebê com Down”, e mostra os portadores dessa síndrome levando uma vida normal e produtiva. Também recebeu vários prêmios, no festivais É tudo verdade, Gramado e Festival Internacional do Rio.

Seus projetos mais recentes são Cinema de Guerrilha, sobre a periferia de São Paulo; BR-3, sobre o espetáculo do grupo Teatro da Vertigem encenado no rio Tietê em 2006; Quebradeiras, sobre as  quebradeiras de coco de babaçu do Maranhão e do Tocantins; e São Paulo Companhia de Dança, que documenta a primeira criação coreográfica do grupo.

O cineasta doou cópias de seus filmes para diversas instituições, entre as quais Faculdade de Cinema da Universidade Federal Fluminense e a Faculdade de Artes do Paraná, além de ONGs e grupos teatrais. Como a temática abordada em sua obra – teatro brasileiro, inclusão social, ambientalismo e diversidade sexual – desperta bastante interesse, Mocarzel acredita que doar cópias para uma biblioteca como a da ECA, por exemplo, é uma forma de facilitar o acesso do público ao seu trabalho.

Os filmes ainda estão sendo catalogados, mas em breve estarão disponíveis na Seção de Multimeios.

LONGAS METRAGENS

À margem da imagem (2001, 72 min)


Mensageiras da luz (2004, 72 min)


Do luto à luta (2005, 76 min)


A margem do concreto (2006, 85 min)

Jardim Ângela (2006, 71 min)
O cinema dos meus olhos (2007, 72 min)
Brigada para-quedista (2007, 74 min)
Sentidos à flor da pele (2008, 80 min)

BR 3 (2008, 73 min)

À margem do lixo (2008, 84 min)
Quebradeiras (2008, 71 min)
Cinema de guerrilha (2009, 72 min)
São Paulo Companhia de Dança (2010, 71 min)
Cuba Libre (2011, 73 min)
Hysteria (2012, 71 min)
Assombrações (2012, 71 min)
Antártica (2012, 71 min)

CURTAS METRAGENS

Pictures in the park (1999, 9 min)
A margem da imagem (2001, 15 min)
Primeiros passos (2003, 7 min)
Encontro das águas (2010, 7 min)
São Paulo palimpsesto de vestígios (2012, 2 min)
Teatro contra a barbárie (2012, 40 min)
Retrato brasileiro: Ana Carolina (2008, 26 min)
Retrato brasileiro: Jorge Bodanzky (2009, 26 min)
Retrato brasileiro: Arthur Omar (2010, 26 min)
Retrato brasileiro: Fátima Toledo (2011, 26 min)
Cine Pelé (2011, 60 min)
Retrato brasileiro: Itala Nandi (2011, 26 min)

As informações deste post foram extraídas do currículo de Evaldo Mocarzel.

Mais informações:

História do cinema brasileiro

As paixões siamesas de Evaldo Mocarzel

10 anos de teatro e luta contra a barbárie no Estado de São Paulo

Do luto à luta, de Evaldo Mocarzel – Cinética


%d blogueiros gostam disto: