Ainda sobre ORCID : perguntas e respostas

02/01/2018

Já falamos sobre o ORCID em outro post mostrando como é importante que os pesquisadores vinculados à USP façam o seu registro e que o mesmo seja validado institucionalmente. Abaixo trazemos algumas respostas (do Departamento Técnico do SIBi) para eventuais dúvidas que ainda possam existir após ter lido o primeiro post.

1: O que significa ter um registro ORCID autenticado via USP? Há algum tipo de atualização automática da produção intelectual junto ao registro do pesquisador na ORCID?!

Nesse momento o registro ORCID autenticado USP está sendo apenas coletado, ligando efetivamente o autor e à USP. Na USP, até o momento, foi implementada apenas a fase COLLECT.

 

2: O ORCID pede um email para registro: devemos usar o email USP? A senha que o ORCID demanda no momento da inserção dos dados, deve ser a mesma dos sistemas USP?

Você pode usar qualquer e-mail, assim como a senha. O importante é criar e associar seu registro ORCID aos sistemas USP utilizando o caminho: http://www.usp.br/orcid 

 

3: No campo “Also known as”, além de variações do nome, devemos inserir o nome na ordem Sobrenome, Prenome?

Sim, esse campo é muito importante. Escolha o nome certo – nome profissional adotado para identificá-lo no registro. No campo “Also known as”, adicione toda e qualquer variação do seu nome: completo, abreviado, invertido.

 

4: Caso eu publique em revista que tenha DOI e meu registro ORCID esteja integrado com a CrossRef, não precisarei entrar no ORCID para cadastrar essa publicação, pois será automaticamente inserida sob minha identificação de pesquisador na ORCID?

Sim, é isso mesmo. Quanto mais editoras estiverem usando DOI e ORCID, mais e mais as atualizações da produção serão automáticas.

 

5: Um livro ou qualquer outro trabalho publicado que não tenha DOI – mesmo meu registro ORCID estando integrado à CrossRef – deverá ser inserido manualmente no ORCID ou o fato de estar cadastrado na Biblioteca Digital de Produção Intelectual da USP (BDPI-USP) já contempla a atualização dos dados, além da validação?

Quando  a fase CONNECT USP-ORCID for implementada, haverá a integração entre a BDPI e o ORCID. Nesse momento, a atualização para as produções cadastradas na BDPI, portanto, que estejam em acesso aberto, poderão ser automaticamente carregadas para o registro ORCID do autor USP.

 

6: O que significa, atualmente, afirmar que o ORCID integra todos os outros identificadores (Lattes id, Researcher id, Google scholar e Scopus)? Basta que o pesquisador atualize somente uma das ferramentas?

O ORCID é a única ferramenta preparada para integrar distintos players da cadeia de publicação científica: autores, editoras, universidades, agências de financiamento, e também funciona como Profile – Currículo. Hoje, estão de fato integrados ao ORCID, ou seja, estão efetuando troca de dados: Crossref, ResearcherID, Scopus Author ID. O Google ID não está integrado, mas é possível carregar a lista de produções cadastradas no perfil Google do autor para o registro ORCID. O Currículo Lattes ainda não está integrado, mas o número ORCID já é solicitado pela CAPES em alguns processos de submissão a bolsas. Nesse momento, deve-se apenas inserir o número ORCID no Currículo Lattes.

 

7: Toda a inserção de dados na ORCID, atualmente, é manual? Educação, emprego, financiamento, trabalhos, país etc.?

Nesse momento, a inserção de dados é manual, embora alguns campos possam ser preenchidos a partir do carregamento de dados de outras bases. Quando a USP implementar as fases seguintes, CONNECT e SYNCHRONIZE, os registros ORCID autenticados passarão a ser alimentados pela USP, quando for o caso. Por exemplo: Educação – o Setor de Diplomas irá inserir no registro ORCID os dados de um doutorado. As informações já cadastradas também serão validadas. Emprego – o Setor de RH da USP poderá inserir informações de vínculo e mudanças de Unidade. Financiamento – o carregamento de informações já é semiautomático, pois o ORCID utiliza o Wizard para carregar seus financiamentos para o registro. Em breve, a Pró-Reitoria de Pesquisa poderá inserir dados de bolsas no registro ORCID do autor USP. Trabalhos – a inserção já é semiautomática por meio da progressiva integração entre as editoras, CrossRef-DOI e ORCID. Quando a USP estiver conectada, os trabalhos e artigos sem DOI cadastrados na BDPI poderão ser carregados automaticamente para o registro ORCID do autor USP. Os dados cadastrados no DEDALUS também poderão ser carregados para o registro ORCID e/ou validados toda vez que forem cadastrados na Base de produção intelectual.

Com o auxílio do gerenciador de referências Endnote, é possível puxar referências do Portal de Busca Integrada para o Researcher ID e enviá-las ao ORDIC, como explicamos  em outro post deste blog.


ORCID, Researcher ID e outras paradas

11/12/2017

Assim que a USP tornou-se membro da Open Researcher and Contributor ID – ORCID e que os órgãos de fomento começaram a solicitar dos candidatos a bolsas e financiamentos que tenham seu código ORCID, várias perguntas ecoaram pelos corredores da ECA:

– Como assim, mais um registro?!

– Eu já tenho um Researcher ID, vou precisar desse outro também?

– Tenho que preencher tudo de novo?

– Vai automaticamente pro meu lattes?

Questões todas bastante relevantes numa situação em que a comunidade USP tem muitas demandas a atender, em várias frentes. E, infelizmente, nada é muito simples e automático, por enquanto.

Integrando os identificadores

Researcher ID e ORCID são identificadores diferentes e sim, é necessário ter os dois, porque a CAPES está pedindo o ORCID e a FAPESP já exige o Researcher ID há algum tempo.  Por enquanto, nada vai ou volta automaticamente da Plataforma Lattes.

A boa notícia é que não é necessariamente obrigatório preencher todos os dados novamente. Quem já tem seu Researcher ID e inseriu toda a sua produção nessa plataforma, pode fazer a integração com o ORCID e transferir todos os dados. É bastante simples, basta acessar seu perfil no Researcher ID e o sistema vai perguntar se você deseja criar um registro ORCID ou se já possui um. Escolha a sua opção e, em seguida, faça a integração dos dois identificadores. Este vídeo explica como fazer isso:

Concluída a integração, em seu perfil do Researcher ID vai aparecer um botão para intercâmbio de dados, ou seja, para jogar suas referências de um identificador para outro. É só clicar e seguir as instruções na tela.

Usando o Endnote para enviar referências

Mas, e quem ainda não tem o Researcher ID ou não inseriu seus trabalhos na plataforma? Nesse caso, é preciso criar um Researcher ID e puxar as referências dos artigos, livros e outros trabalhos de alguma base de dados na qual estejam indexados.

É possível puxar referências, por exemplo, do Portal de Busca Integrada da USP. Qualquer professor da ECA, desde que informe regularmente a Biblioteca sobre sua produção, deve ter muito material indexado na Busca Integrada.

Aí entra em cena outra ferramenta que nem todos conhecem: o gerenciador de referências Endnote. Os gerenciadores de referências ajudam o pesquisador a organizar suas leituras, armazenar as referências lidas ou por ler, elaborar listas em formato ABNT, fazer citações e, muito simpaticamente, importar referências de bases de dados e transferir para o Researcher ID. É gratuito e fácil de usar, basta entrar no link e criar uma conta. Seu Researcher ID já vai aparecer lá na interface do Endnote.

Feito isso, entre na Busca Integrada, clique em Identificação para ter acesso ao seu espaço privativo no sistema. Faça uma busca pelo seu nome e vá clicando na estrelinha que aparece ao lado do título para jogar as referências na sua pasta Meu Espaço.

Clique em Meu Espaço e veja lá todas as referências enviadas. Selecione todas elas, ou apenas as que forem pertinentes, vá até o canto superior direito da tela e selecione Enviar para Endnote.

Todas as referências serão enviadas para o Endnote, na pasta padrão denominada Não agrupado. Clique nesta pasta e transfira as referências para o Researcher ID.

Feito isso, é só enviar do Researcher ID para o ORCID, como explicamos mais acima.

Também é possível puxar referências de perfis do Google Acadêmico para o Endnote.

Difícil? Enrolado? Nem tanto. Se você for alguém que têm muitas publicações, talvez valha a pena seguir todos esses passos, para não ter que entrar manualmente todas as referências. Se precisar de ajuda, já sabe. Procure a sua biblioteca!


Para entender o ORCid

06/11/2017
  • É um identificador único e persistente de autor atribuído pelo sistema ORCid. Possui 16 dígitos, algo como “0000-0002-0123-208X”
  • É gratuito e não possui vínculo com nenhuma editora.
  • Permite identificar e individualizar pesquisadores e seus trabalhos: o pesquisador insere seu nome e as possíveis variações para o mesmo.
  • É internacional, nesses termos há maior visibilidade. Sob o ORCid de um pesquisador estão elencados seus trabalhos, bem como existe a possibilidade de preenchimento de palavras-chave relacionadas a sua área de atuação.  É possível realizar pesquisas por palavras-chave e descobrir outros pesquisadores que atuam em áreas de seu interesse.
  • Agências de fomento (FAPESP, CNPq etc.) já estão integradas ao ORCid. Nesses termos, é possível realizar importação automática dos dados.
  • A CAPES já solicita dos candidatos a bolsas e financiamentos de seus programas internacionais, um código de cadastro na ORCID. Leia mais aqui.
  • O currículo Lattes possui um campo para inserção do ORCid. No momento não há integração dos sistemas, que permitiria, por exemplo, migração de dados. A intenção é que isso ocorra em breve. Por ora é possível inserir no Lattes o seu ORCid. Vá em Dados gerais – Identificação – Outras bases bibliográficas – Inserir nova – Selecione ORCid e insira o seu número.
  • O ORCid permite importação de dados do Google acadêmico bem como de bases como Scopus, ResearchID, Redalyc e outras. Isso significa que sua produção deve estar cadastrada nesses recursos: se você possui perfil no google acadêmico poderá importar os dados, o mesmo ocorre com o ResearchID. Caso sua produção esteja indexada na Scopus, também será possível. Ter a produção cadastrada nessas bases bem como perfis de autor não é algo que se dá naturalmente: ou você já criou perfil, no caso dos identificadores, ou sua produção está em revistas indexadas em determinadas bases de dados.
  • A criação do ORCid autenticado USP é recomendada pois  a USP é reconhecida  como organização confiável, permitindo a coleta e conexão de dados. Na USP a fase de conexão (troca de dados por API) ainda não foi implementada, quando estiver em funcionamento sempre que houver alguma atualização de seus dados ou trabalhos, esta atualização será automática em seu registro.
  • Caso você já tenha criado um ORCid sem tê-lo associado à USP basta proceder à associação: Em http://www.usp.br/orcid/ selecione a opção “criar ou associar o seu ORcid”,  quando o sistema pedir, entre com Orcid e senha e autorize.
  • Importante lembrar que o ORCid é um identificador do pesquisador, mesmo que você mude de instituição o identificador permanecerá o mesmo

Neste tutorial de 6 slides você verá como criar seu registro ORCid

Este é um tutorial bastante completo, elaborado pelo SIBi-USP, que  apresenta o ORCid. A partir do slide 19 há instruções para preenchimento de informações, após ter criado o registro.

Veja aqui algumas informações gerais sobre o ORCid  elaboradas pelo SIBi-USP.

RESUMINDO, POR QUÊ? PARA QUÊ?  Em resumo, ter um registro no ORCid é interessante na medida em que permite a identificação do autor e sua produção em uma rede que é internacional. Diferente, portanto, do currículo Lattes de abrangência nacional. Estar na ORCid permite que seu perfil de pesquisador seja conhecido ao redor do mundo. Ninguém irá acessar suas publicações por ali, mas, sim, ver a sua trajetória de pesquisa. Evita ambiguidade de nomes e permite a correta atribuição de autoria. No momento acaba sim sendo mais um local para o preenchimento de informações, sobretudo se você possui cadastro em sistemas que permitem importação com o ORCid. A promessa de integração do ORCid com o Lattes é bastante interessante, pois com isso o pesquisador simplesmente retiraria seu pacote de dados do Lattes e inseriria no ORCid. A intenção da USP é que em um futuro breve a produção registrada em nossas bases seja automaticamente atualizada junto ao ORCid. Isso ainda não está implementado. Por enquanto, fica a certeza de que a adoção do ORCid é uma tendência mundial e instituições de fomento à pesquisa já estão exigindo que os pesquisadores estejam cadastros no sistema. Então caso você queira aguardar para atualizar dados, não possui tempo para tanto etc., fica a dica de que, ao menos, crie um perfil, obtendo o seu registro. Os dados você pode ir preenchendo conforme tiver tempo.

 

A equipe de bibliotecári@s está disponível para orientar na criação do registro. Se preferir marque um horário (30914481/4074 ecabiblioteca@usp.br) ou venha quando tiver  pelo menos uns 20 minutos disponíveis.


%d blogueiros gostam disto: