A cara nova do catálogo de partituras

22/05/2017

Nosso catálogo de partituras foi recentemente integrado ao Banco de Dados Bibliográficos da USP – Dédalus. Mas, como o Dédalus tem aquele formato de catálogo de livros, foi criada uma interface específica para a busca de partituras, disponível no link:

http://colecoes.sibi.usp.br/partituras/

Para localizar um partitura, basta digitar os termos na caixa de busca, assim:

É possível refinar os resultados, usando diversos filtros de busca. O exemplo abaixo mostra como se pode recuperar partituras de Beethoven para orquestra e violino. Basta clicar na letra E (operador boleano AND).

Também seria possível excluir o violino do universo de obras de Beethoven para orquestra, clicando no NÃO. Ou filtrar por Gênero e forma e selecionar apenas os concertos.

Os registros são visualizados dessa forma:

Clicando no título, o registro no Dédalus é aberto.

A nova interface é mais amigável e intuitiva do que o Dédalus e do que a base Acorde, além de ser adaptada à busca de partituras. Agora é o momento de testá-la. Usem, explorem e nos avisem se não gostarem de alguma coisa, para podermos fazer os ajustes necessários. Façam seus comentários e sugestões aqui no post. Ou falem conosco pessoalmente, estamos aqui o dia todo.

Em breve o link Partituras do nosso site vai remeter diretamente à nova interface, mas a base Acorde vai continuar acessível por algum tempo, a partir do menu Catálogos.


Dicas de buscas no Google

15/05/2017

O Google é uma das ferramentas de busca online mais utilizadas – senão a mais – na atualidade. É o primeiro local ao qual muitos se dirigem para procurar informações das mais variadas, de teorias matemáticas a receitas de bolo.

É importante conhecer algumas estratégias de busca para recuperar rapidamente – no universo que o Google alcança –  aquilo que lhe interessa. Então vamos lá:

ISTO OU AQUILO: Use OR ou o símbolo “|”

Digamos que você está fazendo uma busca sobre revoluções. Ao digitar

o Google irá recuperar resultados sobre a revolução russa e também sobre a revolução francesa.  Ao invés de utilizar “|” para separar as palavras você poderia utilizar o termo “or”.

 EM CASO DE DÚVIDA SOBRE UMA PALAVRA: Use o asterisco “*”

Este recurso também é útil para recuperar mais variações a partir do início da palavra.

Procurando algo sobre o filósofo Wittgenstein, mas não sabe como escrever o nome dele? Insira um asterisco após o início do termo que o Google irá ajudá-lo.

Nesse exemplo específico veja que o termo filosofia foi inserido para auxiliar a delimitar, pois se você escrever somente witt* a busca irá ser muito mais ampla.

BUSCANDO UM TERMO OU FRASE EXATA: Use aspas

Para recuperar um termo ou uma frase exata utilize aspas. Com isso o Google irá buscar as palavras na exata ordem em que você digitou. Sem as aspas o sistema irá recuperar as palavras digitadas, mas, não necessariamente, na ordem em que você escreveu.

BUSCAS CONSIDERANDO UM PERÍODO DE TEMPO: Use reticências

Caso esteja procurando por um assunto específico e queira considerar determinado período, insira reticências entre as datas.

No exemplo abaixo, pesquisamos sobre música erudita brasileira delimitando o interesse ao período de 1850 à 1950

PESQUISE PALAVRAS NO TÍTULO DA MATÉRIA OU NA URL

Para pesquisar palavras que constem no título da matéria digite o termo desejado precedido de “intitle:” Veja abaixo:

Para pesquisar palavras que constem na URL, use “inurl:”

ENCONTRE SITES SIMILARES

Se você busca sites similares a algum específico utilize “related:” precedendo o endereço do site que você já conhece.

REALIZE PESQUISAS DENTRO DE UM SITE ESPECÍFICO

Caso você esteja procurando por determinado conteúdo dentro de um site específico digite o nome do site e na sequência o termo.

 

EXCLUIR TERMOS DE UMA BUSCA

Para pesquisar por determinado conteúdo desconsiderando algum termo, digite o termo desejado seguido do símbolo “-” e do termo a ser desconsiderado. Entre o símbolo “-” e o termo a ser excluído não deve haver espaço.

 No exemplo acima, Estados unidos está entre aspas para que seja considerado como termo exato.

 

Estas dicas irão ajudá-lo a realizar buscas no Google, mas é importante ressaltar que este recupera seus resultados em determinados conteúdos disponíveis online, portanto, não se limite a esta ferramenta, sobretudo quando estiver fazendo pesquisas acadêmicas. Há camadas muito mais profundas a serem exploradas quando falamos de informações disponíveis online.


Como localizar revistas

08/05/2017

As revistas são, separadamente, a maior coleção de nosso acervo: são mais de 70 mil exemplares, divididos em 1645 títulos. Se se considerar os títulos eletrônicos, tudo fica muito maior.

No entanto, encontrar aquele exemplar onde foi publicado o artigo que aparece na bibliografia que você tem em mãos ou saber se a biblioteca tem no acervo Théâtre public ou o jornal Valor Econômico, não é uma tarefa das mais intuitivas.

Revistas são publicações que aparecem em intervalos periódicos regulares (às vezes nem tão regulares), e cada novo exemplar que é publicado recebe um número dentro de uma série, essa informação é importante, pois no Dedalus, para obter um resultado mais preciso quando buscando revistas, é necessário selecionar ‘seriados’ em Base de busca.

Depois de encontrar o título que procura, fique atento à localização dele nas estantes.

No acervo da Biblioteca da ECA as estantes das revistas estão sinalizadas com a cor vermelha na lateral e divididas por assuntos, que resumidamente são as grandes áreas da escola: biblioteconomia, jornalismo, comunicação, teatro, cinema, turismo etc. E dentro dessa classificação, estão organizadas em ordem alfabética, ou seja, ao encontrar a classificação 780 – Música nas estantes, percorra os títulos em ordem alfabética até a letra ‘s’ para encontrar o título usado em nosso exemplo, a revista the Strad.

Manchete, Claudia, Pasquim, O Cruzeiro, os primeiros anos de Veja, Istoé, Carta Capital, entre outros, fazem parte da nossa coleção de revistas antigas, que chamamos de “Coleção Especial“. Esses títulos estão separados da coleção principal de revistas, o acesso é mediado por um funcionário da Biblioteca, e, ao contrário das outras revistas, estas não podem ser emprestadas e nem xerocadas.

Para os títulos eletrônicos valem também as dicas acima, no entanto, na lista de resultados, clique no título desejado para visualizar o registro completo e depois clique no link para acesso ao texto completo.

Mas a opção mais indicada para buscar as revistas eletrônicas é usar o Portal da Busca Integrada, pois os links costumam estar mais atualizados.

Caso precise, peça ajuda a um funcionário.


Respeito, empatia e tolerância

02/05/2017

Uma Biblioteca como a da ECA atende a um público bastante heterogêneo. Temos aqueles que apenas passam rapidinho para pegar aquele livro que o professor mandou ler ou o filminho para o fim de semana e temos quem fique o dia todo estudando nas cabines individuais; o jovem que entra numa biblioteca pela primeira vez na vida e o veterano de muitas bibliotecas, que conhece acervo do mundo todo; alunos de graduação, pós-graduação, do Programa Universidade Aberta à Terceira Idade, bolsistas estrangeiros, professores, usuários externos a USP… Todos têm suas prioridades e razões para frequentar uma biblioteca. Cada um têm sua expectativa, que nem sempre poderá ser atendida.

A convivência de tantas diferenças no espaço da Biblioteca pode ser agradável ou, pelo menos, tranquila e civilizada. Se todos entenderem os limites do espaço público e enxergarem as necessidades do outro, regras chatas, proibições e restrições não serão tão necessárias.

Foto: Chris McCorkle (Flickr)

O aluno que pede silêncio para estudar, não é necessariamente um chato; pode ser apenas uma pessoa que precisa de um lugar silencioso para se concentrar. O aluno que começa a conversar animadamente no meio da Biblioteca não é, necessariamente, alguém sem educação;  pode ser apenas alguém que se distraiu e esqueceu do mundo ao redor.

Então, vamos fazer um esforço e prestar atenção em algumas dicas:

Silêncio x barulho

A reforma da Biblioteca ainda não terminou. Quando terminar, nosso espaço estará mais organizado e os limites entre “locais de silêncio” e “locais de conversa” estarão mais claros. Por enquanto, tanto funcionários quanto usuários ainda estão se adaptando a um espaço que mudou, mas que ainda não é definitivo.

As cabines de estudo individual são um local particularmente sensível a ruídos. As pessoas que estudam lá vem até a Biblioteca em busca de tranquilidade e calma. Elas nos perguntam: “se eu não puder estudar numa biblioteca, onde vou estudar?”. Portanto, não conversem em voz alta nem façam barulho perto das cabines, e lembrem-se de não passar pelo corredor rindo e falando alto. Não, não é necessário um silêncio tumular, só um pouco de respeito e compreensão pelas necessidades do outro.

Uso dos computadores

Em alguns horários é difícil encontrar um computador disponível na Biblioteca. Por esse motivo, é importante respeitar a prioridade para atividades de pesquisa e buscas no Dédalus, Busca Integrada e bases do SIBi. Entre 14 e 19 horas, horários de demanda intensa por computadores, o respeito a essa prioridade é imprescindível.  Não tem problema checar o e-mail, entrar no Facebook ou assistir um curta no Youtube, mas ficar horas ocupando um computador de uso público para atividades de lazer enquanto os colegas esperam para procurar um livro no Dédalus não é legal. Deixar objetos pessoais ao lado ou sobre o computador enquanto vai dar uma volta também não é legal. Não monopolize o equipamento público!

Os computadores da Biblioteca da ECA há muito tempo são de uso livre, com acesso irrestrito à internet. Recentemente, devido à grande procura e a reclamações sobre abusos de alguns usuários, tivemos que implantar algumas restrições de acesso a determinados sites, sobretudo de jogos e esportes online. Não gostaríamos de aumentar as restrições e contamos com a colaboração de todos para evitar isso!

O guarda-volumes

É necessário guardar bolsas, sacolas, mochilas e coisas parecidas nos armários da Biblioteca, por razões de segurança tanto do acervo quanto dos próprios objetos pessoais dos usuários.

O guarda-volumes só pode ser usado durante a permanência na Biblioteca. Se permitirmos que as pessoas saiam da Biblioteca e deixem seus pertences, não haverá armários suficientes para todos. “Mas é só por um minutinho para tomar um café…” É desagradável dizer não,  mas sabemos, por experiência, que o minutinho pode virar uma hora facilmente. Além disso, a perda de uma chave no lado de fora pode trazer problemas de segurança bastante sérios.

Respeito aos funcionários

Os funcionários da Biblioteca estão à disposição dos usuários para ajudar nas pesquisas, na localização de material, na normalização de trabalhos etc. Também precisam ouvir reclamações e sugestões, fazer cumprir as regras de funcionamento e uso dos serviços, além de tentar resolver eventuais conflitos. O funcionário que pede para guardar a bolsa no armário, não sair com a chave, falar mais baixo ou liberar o computador para alguém que precisa fazer um pesquisa não está sendo chato, está fazendo o seu trabalho e precisa ser tratado com respeito.

foto: Pimkie (Flickr)

 

 

 

 

 

 


O cinema de Pasolini

24/04/2017

Neste post apresentamos filmes de Pier Paolo Pasolini que compõem o acervo da Biblioteca da ECA. Poeta, romancista, crítico de arte e literatura, jornalista, teatrólogo, tradutor e cineasta, Pasolini foi figura controversa que nos anos do fascismo italiano colocou-se, por meio de sua obra, numa clara oposição ideológica ao sistema e convulsionou a opinião pública com alguns de seus filmes. Sua produção leva, invariavelmente, o espectador a reflexões em torno da relação entre política e arte.

 

Decameron (1971)

Traz contos do Decameron, de Bocaccio, descrevendo, em forma de sátira, a vida em Nápoles, na época do Renascimento.

 

Teorema (1968)

Um estranho chega à casa de uma família burguesa e seduz todos os moradores, a empregada, o filho, a mãe, a filha e finalmente o pai. Quando subitamente vai embora, as vidas de todos com quem se envolveu estão profundamente afetadas e ninguém consegue continuar vivendo da mesma forma.

 

O evangelho segundo São Mateus (1964)
A história de Jesus Cristo, do nascimento à ressurreição, na versão do Evangelho de São Mateus. Assim como Jesus conquistou uma legião de seguidores também teve muitos inimigos

 

Accattone: desajuste social (1961)

Accattone vive na periferia de Roma e sobrevive como cafetão de sua mulher. Quando ela é presa, não consegue o suficiente para matar a própria fome. Um dia conhece a ingênua Stella e tenta convencê-la a prostituir-se, mas um fim trágico vai se delineando e a história segue por outros rumos.

Imagem de Accattone

Medea (1969)

Jasão sai do exílio e parte para Iolco reclamar ao tio o trono que havia sido usurpado de seu pai. O rei concorda com a exigência de Jasão com a condição de que ele traga ao reino o Velocino de Ouro. Jasão aceita o desafio e com um grupo de homens, os argonautas, parte em direção a Cólquida para conquistar o Velocino de Ouro. Ao chegar em seu destino, conhece Medéia, uma feiticeira e filha do rei de Cólquida. Ela se apaixona por Jasão e o ajuda a roubar o velocino. Quando o grupo foge para Iolco, Medéia os acompanha, levando seu irmão que é assassinado e esquartejado pelo caminho para distrair os perseguidores. Anos depois, já como rei e pai de três filhos de Medéia, Jasão se apaixona pela filha do rei Creonte e abandona sua mulher, que para se vingar, mata os três filhos e envia para a rival um manto que se incendeia, matando-a.

 

Os contos de Canterbury (1972)

Na Idade Média, o escritor Geoffrey Chaucer ouve e anota várias histórias, engraçadas e eróticas, contadas por peregrinos que se dirigem à catedral de Canterbury. Prazer, alegria, a celebração do sexo e do corpo e de suas satisfações imediatas permeiam as histórias destes peregrinos que em sua jornada passam longas noites acordados.

 

As mil e uma noites (1974)

Um jovem se apaixona pela escrava que o escolheu como mestre, mas ela é raptada e ele parte a sua procura. Em meio a sua longa busca, irá se deparar com muitos outros personagens envolvidos em uma trama de traições, cobiças e desejos.

 

Mamma Roma (1962)

Mamma Roma é uma prostituta de meia-idade que deseja mudar de vida e de classe social, para assim voltar a viver com o filho Ettore, o qual não se interessa por estudos ou trabalho e leva uma vida em meio a arruaças com os amigos. O passado, entretanto, bate à porta de Mamma e passa a atormentá-la, mostrando que um recomeço pode ser inalcançável.

 

Édipo Rei (1967)

Édipo, quando nasce, é abandonado para morrer, mas um pastor o salva e entrega aos reis de Corinto, que o consideram um presente dos deuses. Já na juventude, é levado a questionar sua origem e decide consultar o Oráculo de Delfos, que lhe revela seu destino “inevitável”: matar o pai e se deitar com a mãe. Sem rumo, caminha, angustiado, por uma estrada, até se deparar com o rei Laio, com o qual se desentende e o mata. Chegando em Tebas, encontra uma cidade em ruínas devido à maldição da Esfinge. Édipo, derrotando-a, torna-se o herói local e casa com a rainha Jocasta.Entretanto, com o tempo, a população começa a adoecer, o caos se instala e todos imploram que Édipo os salve mais uma vez. Consultado o Oráculo, é revelado que o mal está entre eles: o assassino do rei Laio. Começa a busca pelo mal-feitor, até que o cego Tirésias o adverte que ele é a própria causa de tudo. A princípio indignado, é obrigado a investigar e descobre que o seu destino se havia cumprido. Jocasta, desesperada, se enforca e Édipo fere os próprios olhos, não querendo mais enxergar sua realidade no exato momento em que a descobre.

 

Gaviões e passarinhos (1966)

Pai e filho, ambos trabalhadores proletários, empreendem uma viagem, acompanhados e orientados por um corvo falastrão.  A jornada é marcada por discussões que debatem a ideologia do socialismo

Imagem de Gaviões e passarinhos

Lembre-se que os filmes podem ser assistidos nas cabines individuais da Biblioteca e, a partir de 2 pessoas, também é possível utilizar a sala de vídeo. Aqueles que possuem vínculo com a USP também podem levar o material para assistir em casa.

Algumas referências sobre Pasolini:

DIÁLOGO com Pasolini. São Paulo : Nova Stella : Instituto Italiano di Cultura : EDUSP, 1986. 791.430945 P283d e.1 a 3

LAHUD, Michel. A vida clara: linguagens e realidade segundo Pasolini. Campinas: : Editora da Unicamp; São Paulo: Companhia das Letras, Campinas, SP : Editora da Unicamp, 1993 São Paulo, SP : Companhia das Letras. .

NAZÁRIO, Luiz. Pier Paolo Pasolini. São Paulo : Brasiliense, 1986. 791.430945 P283n e.1 e 2

 


Partituras no Dédalus

17/04/2017

O catálogo de partituras da Biblioteca da ECA foi migrado para o Banco de Dados Bibliográficos da USP – Dédalus, após mais de vinte anos de espera pelo início do processo e dois anos de trabalho do Departamento Técnico do SIBi e das bibliotecárias da ECA no planejamento e execução.

Um pouco dessa história já foi contado no trabalho Catalogação de partituras na Biblioteca da ECA, apresentado ao Seminário Internacional de Bibliotecas Universitárias. Felizmente, os problemas relatados nesse trabalho já foram ou estão sendo solucionados.

Agora, finalmente, o usuário pode buscar partituras e livros no mesmo local, sem necessidade de mudar de sistema, além de fazer renovações e reservas pelo Dédalus.

Ainda há muitos acertos a serem feitos, tanto por nós quanto pela equipe do DT-SIBi:

ajustes no formato de exibição das partituras (pontuação e outros detalhes)

aperfeiçoamento na busca por meio de expressão

acertar maiúsculas e minúsculas nos títulos (os registros mais antigos da base eram digitados em caps lock e a conversão automática não resolve tudo)

inserir novamente parte dos links para a primeira página digitalizada das partituras (havia links quebrados na base, que foram excluídos antes da migração definitiva)

colar etiquetas de código de barras nas  partituras e inserir o código nos registros do Dédalus.

Essa última atividade vai demandar muito tempo para ser concluída, devido ao tamanho do acervo: 12.666 volumes. Por esse motivo, inicialmente o usuário que solicitar o empréstimo precisará aguardar um pouco antes de levar o material. A demora vai depender da quantidade de itens a serem emprestados, mas não deve passar de alguns minutos.

A busca de partituras no Dédalus pode ser feita pelos mesmos elementos da base Acorde, ainda disponível no site da Biblioteca: compositor, título, título original, número de opus, meio de expressão, “assunto” (gênero e forma), casa publicadora, editor e arranjador. Quem desejar localizar apenas partituras, deve usar o filtro “Tipo de material”, no canto inferior esquerdo da tela do Dédalus.

E aguardem, em breve, mais novidades. Está sendo preparada, pela Divisão de Gestão de Tratamento da Informação do DT-SIBi , uma nova interface de busca específica para o acervo de partituras.

 

 

 

 

 


Fontes de informação em arte

10/04/2017

Estudantes de artes visuais têm à sua disposição, na Biblioteca da ECA, um excelente acervo de livros e revistas acadêmicas, impressas e online. Alguns títulos:

Afterimage
Art in America
Artforum
Artnews
British Journal of Aesthetics
Coloquio Artes
Connaissance des Arts
Critique d’Art
D’Ars
Flash Art
GAM
Gazette des Beaux-Arts
Humboldt
IDEA
Leonardo
October
L’Oeil
Parkett
La Revue de la Céramique et du Verre
La Revue du Louvre
Word and Image

Em nosso acervo de documentos impressos temos catálogos de exposições de arte (cerca de 3000 já catalogados) e catalogues raisonés (15 títulos), publicações fundamentais para o pesquisador da área.

O acervo de obras de referência, formado por dicionários, enciclopédia e outras obras de consulta rápida, não deve ser esquecido. Temos obras importantes (e até raras) como:

Dictionnaire des peintres, sculpteurs et graveurs, de E. Bénézit

Dicionário crítico da pintura no Brasil, de José Roberto Teixeira Leite

Dicionário de artistas e artífices dos séculos XVII e XIX em Minas Gerais, de Judith Martins

The dictionary of art, editado por Jane Turner

Dicionário histórico-fotográfico brasileiro, de Boris Kossoy.

Além desses recursos, a USP também assina bases de dados internacionais de revistas acadêmicas, por meio das quais é possível localizar artigos por assunto, autor, título, data etc. Para a área de artes, a mais completa é a base Art Full Text, que já apresentamos em outro post deste blog:

https://bibliotecadaeca.wordpress.com/2013/05/27/art-full-text/

Outras bases de dados que são boas fontes de informação na área de arte são:

JStorhttps://bibliotecadaeca.wordpress.com/2015/09/28/jstor/
Musehttps://bibliotecadaeca.wordpress.com/2016/10/31/project-muse/

Essas bases, como não são de acesso aberto, podem ser consultadas apenas nos computadores da USP ou para usuários USP conectados à rede VPN. O link para todas as bases disponíveis está na página do SIBiUSP:

http://www.sibi.usp.br/bases-dados/

Também existem ótimas fontes de informação em acesso aberto, ao alcance de qualquer cidadão com acesso à internet.

Europeana Art
Biblioteca digital que reúne textos, imagens, vídeos e arquivos sonoros de importantes coleções europeias, incluindo bibliotecas e cinematecas nacionais, acervos de universidades, museus, arquivos e bibliotecas públicas. Tem funcionalidades interessantes, como a busca de imagens por cor.
http://www.europeana.eu/portal/pt/collections/art

The Getty
Organização dedicada às artes visuais, mantém em seu portal uma vasta biblioteca contendo imagens e textos, incluindo material sobre conservação de obras de arte do Getty Conservation Institute. Algumas publicações da própria instituição estão acessíveis para leitura online, outras podem ser compradas pelo site.
http://www.getty.edu/

The Art Genome Project
Sistema de classificação da base de dados de imagens Artsy. Navegando pelas categorias do sistema é possível encontrar imagens de obras de arte de vários artistas e explorar conceitos relacionados. A partir da categoria Art Nouveau, por exemplo, chegamos às obras de Alphonse Mucha, Josef Hoffmann, Archibald Knox, Louis Majorelle, Hector Guimard, Alexandre Bigot, Georges Hoentschel, Galileo Chini, Émile Decoeur, Alfred Daguet e às categorias relacionadas: Simbolismo, Japonismo, Vienna Secession etc.

https://www.artsy.net/categories

Art & Architecture Thesaurus (AAT)

O pesquisador que precisar tirar dúvidas ou explorar melhor os conceitos da área de artes conta com uma ótima ferramenta. No AAT é possivel buscar um conceito, encontrar sua definição, descobrir qual é termo mais adequado para representá-lo e encontrar os conceitos relacionados. Na imagem abaixo vejam o resultado da busca para o termo “tondo”.

http://www.getty.edu/research/tools/vocabularies/aat/

Pearltrees

É uma ferramenta para compartilhamento de links, onde se pode encontrar muitas sugestões de fontes de informação artística. Faça uma busca e descubra coleções de links coletados e organizados por usuários da rede. A partir de uma coleção qualquer, clique no link em forma de círculo para descobrir coleções semelhantes.

No perfil da Biblioteca da ECA reunimos uma coleção de links de bibliotecas digitais de imagens de arte.

http://www.pearltrees.com/bibliotecadaeca


%d blogueiros gostam disto: