Bibliotecas USP: aplicativo para celular

24/08/2015

Bibliotecas USP é o nome do aplicativo móvel para consulta ao acervo das bibliotecas da USP, disponível para download gratuito tanto para Android como para IOS.

Desenvolvido pelas equipes da Superintendência de Tecnologia da Informação e do SIBi, coordenadas pelo Prof. Dr. Jun Okamoto Junior, da Escola Politécnica, o aplicativo surge como mais uma ferramenta para contribuir aos processos de recuperação da informação disponibilizada pelas bibliotecas da universidade.

bu

O aplicativo móvel permite que você consulte a existência, localização e disponibilidade de uma obra nas bibliotecas da USP. Para tanto, basta digitar a expressão para busca ou, ainda, ler o código de barras que se encontra na contracapa da obra. Assim, digamos que você está em uma livraria e encontra um livro de seu interesse, basta utilizar o aplicativo e ler o código de barras para checar se alguma biblioteca dispõe daquela obra.

Além da consulta ao acervo, há outras funcionalidades, que requerem que seja feito login no sistema.

É possível, por exemplo, fazer a reserva de itens que você tem interesse e estão emprestados com outra pessoa, assim como a renovação de materiais que estão com você. Outras possibilidades são:

  • Visualizar sua lista de empréstimos ativos;
  • Visualizar seu histórico de empréstimos;
  • Visualizar e gerenciar sua lista de reservas;
  • Visualizar mensagens enviadas pela biblioteca (Mas, atenção: não são as mensagens de aviso sobre o vencimento do empréstimo e cobrança. Esta é uma funcionalidade que busca novas rotas para a comunicação entre biblioteca e seu público)

Para acessar estas funcionalidades é preciso utilizar seu número USP e a senha de acesso aos sistemas USP (a mesma utilizada para acessar o Jupiterweb, Janus, etc.). Isso significa que para se logar no aplicativo móvel você usará uma senha diferente daquela utilizada para realizar empréstimo de livros e para fazer reservas e renovações via computador.

Nossa, mas por que senhas diferentes? Que  confuso!” Embora realmente seja confuso, o uso da senha dos sistemas USP foi exigência para o desenvolvimento do aplicativo móvel e a equipe do SIBi afirma estar empreendendo esforços para que, em futuro próximo, as bibliotecas passem a adotar para o empréstimo a senha única de acesso aos sistemas USP. Enquanto isto não ocorre, lembre-se: no aplicativo móvel use a mesma senha de acesso aos sistemas USP; para fazer transações no Dedalus ou Portal da Busca integrada, utilize a senha solicitada para realizar empréstimos no balcão das bibliotecas.

Vale, por fim, ressaltar que não é toda a comunidade atendida pela biblioteca que possui senha para acesso aos sistemas USP e, portanto, ao aplicativo móvel. Por exemplo, os ex-alunos da ECA, alunos especiais e de cursos de especialização não conseguirão utilizar todas suas funcionalidades; será possível apenas consultar a existência e disponibilidade das obras nas bibliotecas.

Veja abaixo o tutorial sobre o aplicativo

Para Android

Para IOS


Não risque!

17/08/2015

Um dos problemas frequentes de uma biblioteca pública é a maneira como as pessoas entendem o bem comum, aquilo que todos podem usufruir. Para boa parte das pessoas o entendimento parece ser: público é o particular, restrito, reservado a elas, pelo menos enquanto estão usando.

Talvez, por isso, seja comum que os materiais voltem para a biblioteca riscados, molhados pela chuva, com fungos, rasgados, com partes faltando etc. Acreditem, isso é bem comum. No entanto, as principais intervenções são mesmo as anotações, comentários e trechos sublinhados a lápis ou a caneta com fins de fichamento.

artaud e o teatro

Há também as anotações que não buscam dar relevo a trechos, como por exemplo, esse diálogo entre leitores nas páginas do livro Dona Veridiana, de Luiz Felipe D’Avila.

dona-veridiana

Ou esses rabiscos, nas páginas do livro O que é comunicação empresarial, de Paulo Nassar e Rubens Figueiredo.

o que comunicação empresarial

Às vezes, dependendo do dano, precisamos substituir a obra, e se conseguimos identificar a pessoa responsável, solicitamos que o livro seja reposto.

É comum também muitas pessoas reclamarem com o pessoal do atendimento quando o livro está muito riscado a ponto de atrapalhar a leitura. Tempos atrás nos deparamos numa página do Facebook com essa mensagem:

Um apelo importante: por favor, não grifem os livros da biblioteca. Tenho dislexia e não consigo dar coesão ao texto; as partes grifadas, não encaixam-se em semântica ou sintaxe com as não grifadas, além de que eu não consigo dar continuidade ao texto, fico apenas lendo palavras não linearmente.

Por isso, há outros lugares, melhores, que não as páginas dos livros da Biblioteca, para postar/expressar seu descontentamento ou fazer seu fichamento, e não estamos falando do Facebook, Twitter, Google Docs apenas. No Portal da Busca Integrada há um espaço pensado exatamente para isso. Pode-se adicionar tags, comentários e resenhas e é muito simples.

Você precisa estar logado no sistema, com a mesma senha que usa para emprestar ou fazer renovações, daí clica em Resenhas & Tags e adiciona quantas tags ou comentários quiser, que ficarão visíveis para todo mundo. Ao clicar numa tag visualizam-se todas as obras a que foram atribuídas aquela tag. E pode até atribuir notas para o item.

comentários à dona veridiana

Então ficamos combinados assim. Se o livro é público entenda que todos podem usá-lo, não só você, por isso não risque!

 


Gênero e forma

10/08/2015

Sarah Lorenzon Ferreira, bibliotecária da nossa equipe, participou do XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação com um relato da experiência da nossa Biblioteca na indexação de documentos por gênero e forma.

Por sua forte tradição de no tratamento de documentos audiovisuais e musicais, a Biblioteca da ECA sempre se preocupou em estudar a questão da identificação, indexação e padronização de terminologia, tanto para formas musicais quanto para gêneros cinematográficos. Sarah observou, entretanto, que bibliotecários que trabalham com livros e textos acadêmicos em geral nem sempre estão familiarizados com a distinção entre assunto tópico e gênero / forma, e decidiu compartilhar nossas experiências na área.

Vejam aqui o resumo expandido  do trabalho (apresentado como pôster) e a apresentação da Sarah:

Gênero_Forma_CBBD2015

http://pt.slideshare.net/Medeia1/termos-gneroforma-a-experincia-da-biblioteca-da-ecausp

 

 


ScienceDirect

03/08/2015

Na nossa lista de bases de dados na página do Sistema de Bibliotecas da USP, o SIBi, encontram-se bases de dados para todos os cursos da USP, especializadas, interdisciplinares ou multidisciplinares. Entre as multidisciplinares está a ScienceDirect, serviço da Elsevier, uma das maiores editoras científicas. A base oferece acesso a conteúdo de outros editores e de publicações de acesso aberto.

Os usuários podem navegar pelos títulos dos periódicos em ordem alfabética, mas o texto integral só está disponível para aqueles pagos pela instituição. Outros artigos podem ser comprados individualmente. Também é possível navegar pelas áreas temáticas oferecidas pela base, no nosso caso interessa particularmente a área “Social Sciences and Humanities”,  e suas subdivisões.

social sciences and humanities

Às vezes a tentativa de divisão das categorias pode confundir os usuários pela proximidade semântica de algumas, por exemplo, estão lá: Information Science and Management e Library and Information Sciences.

Além dessas citadas, há outras áreas de nosso interesse: Arts and Humanities; Tourism, Leisure and Hospitality Manegement; Marketing; Organizacional Behavior and Human Resource Manegement etc., todas dentro da área mais ampla Social Science and Humanities.

A base permite exportação direta para os gerenciadores de referência Mendeley e Refworks, salvar buscas, fazer download de vários artigos de uma vez, criar alertas, artigos em HTML e PDF.

Para aqueles que desejam uma busca mais precisa e detalhada são oferecidas duas opções: Advanced Search e Expert Search.


Filmes franceses na Biblioteca da ECA

27/07/2015

Neste post apresentamos algumas sugestões de filmes franceses do acervo da Biblioteca.

Mon oncle (Meu tio). Direção de Jacques Tati. 1958

Comédia em que Hulot visita a irmã e o cunhado, um industrial novo-rico que, para ostentar seu status, adquire uma casa ultramoderna, com decoração futurista, desconfortável e ridícula. O sobrinho de Hulot sente mais simpatia pelo tio desajeitado e simples do que por seus pais. A partir dessa relação, Tati mostra uma série de conflitos de valores.

Localização: VC0022; VC0252; DVD0724; XDVD0185

Belle de jour (A bela da tarde). Direção de Luis Buñuel. 1967

Conta a história de Séverine (Catherine Deneuve), jovem e rica, que convive na superficial linha tênue que separa o amor da realização sexual. Pierre, seu marido, não encontra espaço para entender, em sua razão ou emoção, o intrincado dilema de sua jovem e bela esposa. Séverine procura, então, um discreto bordel, em que passa suas tardes como a prostituta Belle de Jour.

Localização: DVD3251 e XDVD76

Delicatessen (Delicatessen). Direção de Jean-Pierre Jeunet. 1990

Em futuro indefinido, numa cidade à beira do colapso, comida é artigo de luxo. Atendendo a um anúncio, ex-artista de circo torna-se pau pra toda obra em uma casa de cômodos administrada por um açougueiro. Seus moradores têm costumes estranhos, e as noites guardam segredos terríveis, inclusive nos esgotos subterrâneos, habitados por grupo terrorista.

Localização:        VC0532; XDVD0682

Cena do filme Delicatessen

Cena do filme Delicatessen

 

Peau d´âne (Pele de Asno). Direção de Jacques Demy.1970

Baseado em conto de Charles Perrault, “Pele de asno” leva o telespectador para as primeiras versões dos contos de fadas, com um enredo marcado pelo tema “incesto”. Era uma vez, em um reino próspero e distante, um rei que vivia com sua esposa e sua filha, a princesa. A felicidade da família é interrompida pela morte da rainha que, antes de morrer, pede que o rei jure que apenas irá se casar com uma mulher mais bela que ela. Em sua procura, o rei descobre que só há uma mulher que atende ao requisito: sua própria filha, a princesa. Confusa com o pedido de casamento feito pelo próprio pai, a princesa pede ajuda a sua fada madrinha, que sugere que ela faça exigências ao rei, com o intuito de adiar cada vez mais o casamento. Em meio às dúvidas com relação ao amor que sente pelo próprio pai, a princesa acaba fugindo do reino escondida sob uma pele de asno, passando a viver de forma simples em uma cabana. Até que, um dia, um príncipe nota sua beleza. A partir dai, o enredo desenrola-se para que vivam felizes até morrerem.

Localização:       DVD1659

Le mépris (O desprezo). Direção de Jean-Luc Godard. 1963

Drama baseado na obra homônima de Alberto Moravia. O cineasta alemão Fritz Lang filma em Cinecittà, Itália, uma adaptação de Odisséia de Homero, para um produtor americano. O roteirista francês Paul Javal é convidado a reescrever o roteiro e aceita por motivos econômico-financeiros, razão que o leva também a permitir que o produtor flerte com sua mulher, Camille.

Localização: VC0114; DVD1731

 

La lectrice (Uma leitora bem particular). Direção de Michel Deville. 1989

Baseado na obra de Jean Raymond, Michel Deville dirigiu “La lectrice” – “Uma leitora bem particular” – que leva o espectador às leituras vivenciadas por Constance. Ao ler o livro “La Lectrice” ela descobre que a heroína Marie, assim como ela, também gosta muito de ler. Inspirada pela personagem, Constance imagina-se na pele de Marie, que oferece seus serviços de leitora particular para aquelas pessoas que por alguma razão não o podem fazer. Apesar de estar ciente de que certas situações inesperadas poderiam acontecer, ela põe um anúncio no jornal e consegue seus primeiros clientes: o garoto Eric, que é paraplégico; uma velha viúva (quase cega) e adepta da teoria marxista; um empresário que sofre de ansiedade; uma menina de 6 anos e um juiz aposentado que gosta de Marquês de Sade. O livro e o filme misturam-se e os clientes de Constance/Marie se sentem seduzidos por ela, que estabelece um jogo que muitas vezes transcende o ato da leitura.

Localização XDVD1362 (SMM)

L’amant (O amante). Direção de Jean-Jacques Annaud. 1991

Baseado em obra de Marguerite Duras, o filme é ambientado no Vietnã da década de 1920, onde uma adolescente, filha de colonos franceses em dificuldades financeiras, envolve-se com um chinês rico e bem-sucedido, muito mais velho do que ela. Tudo começa a partir de uma carona que ele lhe oferece. A relação que surge entre os dois é alvo do forte preconceito da sociedade, que não aceita a diferença de idade existente entre eles, muito menos a de classes sociais.

Localização:        VC0606; VC1587

Cena do filme L'amant

Cena do filme L’amant

La bête (La bête). Direção de Walerian Borowczyc. 1975.

 Para assegurar a estabilidade de sua família disfuncional, Mathurin de l’Esperance é forçado a se casar com Lucy Broadhurst. Às vésperas do casamento, Lucy descobre o diário de Romilda, uma das ancestrais da família do marido. Começa, então, a reviver algumas das experiências contadas por Romilda, sonhando em ser perseguida e atacada por uma fera nos bosques, sem saber como essas histórias antigas afetariam sua vida no presente. Tradução da sinopse de David M. Brown, publicada no site Cinephilia.

Localização:        VC0640; XDVD0415

Além destes há diversos outros títulos no acervo. Para pesquisar por país de produção acesse http://www.eca.usp.br/biblioteca-bases/cena/search.htm


Filmes nacionais

13/07/2015

Elaboramos uma sugestão de filmes nacionais para aqueles que querem aproveitar o acervo da Biblioteca da ECA no mês de julho! Confira

Foto__Narradores_de_Jave

Cena do filme Narradores de Javé

Narradores de Javé (2003, Direção Eliane Caffé)

O pequeno vilarejo de Javé, no sertão nordestino, está prestes a desaparecer coberto pelas águas de uma hidrelétrica. Para impedir esse acontecimento, os habitantes decidem escrever sua história e tentar transformar o local em patrimônio histórico. Para isso eles têm que trazer de volta a Javé a única pessoa alfabetizada das redondezas, o ex-carteiro Antônio Biá, que havia sido expulso da cidade por inventar fofocas sobre os moradores e as enviado por carta para amigos e parentes. Na época, foi a maneira que ele encontrou para manter seu emprego no correio, que iria fechar devido a baixa circulação de cartas. Antônio Biá é incumbido de recuperar a história e transpor para o papel, de forma científica, as memórias dos moradores mais antigos. Uma tarefa difícil porque nem sempre os habitantes concordam sobre qual, dentre todas as versões, deverá prevalecer na memória do povoado.

Estômago (2007, Direção Marcos Jorge)

Raimundo Nonato foi para a cidade grande na esperança de ter uma vida melhor. Contratado como faxineiro em um bar, logo ele descobre que possui um talento nato para a cozinha. E é nas cozinhas deste boteco, de um restaurante italiano e de uma prisão que Nonato vive sua intrigante história e também aprende as regras da sociedade dos que devoram ou são devorados. Regras que ele usa a seu favor, denunciando para o telespectador as transformações que um meio hostil opera num ser humano, preocupado com sua sobrevivência diária.

A festa da Menina Morta (2008, Direção Matheus Nachtergaele)

Há 20 anos uma pequena população ribeirinha do alto Amazonas comemora a Festa da Menina Morta, celebração de um milagre que brota da morte de uma menina, e é atribuído a Santinho. O culto às roupas rasgadas e manchadas de sangue, pertencentes à menina, se desenrola na procissão-festa –  marcada por música, comilança e bebedeira –, que cresceu indiferente à dor do irmão da menina morta, Tadeu.

Lição de amor (1975, Direção Eduardo Escorel)

São Paulo, anos 1920. Um rico industrial contrata uma governanta alemã para dar aulas aos seus filhos. Dentre as atribuições da governanta, está ensinar os segredos do amor ao filho adolescente.

Cena do filme Terra estrangeira

Cena do filme Terra estrangeira

Terra estrangeira  (1995, Direção Walter Salles Jr, Daniela Thomas)

Anos 90. Sem perspectiva de vida num Brasil tomado pelo caos em plena era Collor, Paco (Fernando Alves Pinto) decide viajar para Portugal após a morte da mãe. Ele leva consigo um objeto contrabandeado, dando início a uma vertiginosa história policial. Em Portugal Paco encontra Alex, uma garçonete que namora Miguel – músico desempregado que sobrevive fazendo contrabando. Junto com a perda da inocência, o medo e a proximidade da morte, surge a possibilidade de redenção através do amor.

Jogo de cena (2006, Direção Eduardo Coutinho)

23 mulheres contam suas histórias para a câmera, relatando momentos cruciais em sua relação com os filhos e com os pais. Em alguns casos, o depoimento é interpretado por atrizes, algumas bastante conhecidas do público, outras não. Em outros casos, é a própria personagem que narra sua história. Algumas histórias se repetem, tornando difícil para o espectador distinguir a atriz da personagem real. Completando o quadro, uma das atrizes conta uma experiência de sua vida pessoal.

O ano em que meus pais saíram de férias (2006, Direção Cao Hamburguer)

Em 1970, Mauro, com 12 anos de idade, tem o sonho de ver o Brasil tri-campeão do mundo. Entretanto, sua vida é transformada quando o menino se vê obrigado a viver longe dos pais que, por serem militantes de esquerda, vão viver na clandestinidade e o deixam aos cuidados do avô. Porém, algo inesperado sucede com o avô, e o garoto fica sozinho. Quem acaba tomando conta dele é Shlomo, o vizinho, um velho judeu solitário. Ao retratar a trajetória de Mauro e as histórias de seus pais e seu avô, o roteiro mistura temas diversos: a grande presença de imigrantes estrangeiros em São Paulo, representada pelo bairro do Bom Retiro no ano de 1970, cenas da copa do mundo de 1970 e, ainda, a opressão e violência do momento mais intenso da ditadura militar no Brasil.

O auto da Compadecida (2000, Direção Guel Arraes)

Adaptado da obra de Ariano Suassuna, narra as aventuras dos nordestinos João Grilo e Chicó. Homens pobres e que recorrem a sua esperteza para lutar pelo pão de cada dia, enganando os moradores de um pequeno vilarejo no sertão da Paraíba.

Para conferir a disponibilidade do filme acesse o Dedalus


Anton Tchékhov no acervo da Biblioteca

02/07/2015

As férias abrem espaço para a leitura realizada simplesmente por prazer, sem compromissos com provas e trabalhos de fim de semestre.

Neste sentido, escrevemos este post com o intuito de indicar algumas obras do acervo da Biblioteca da ECA para aqueles que querem se entregar ao prazer da leitura no mês de julho.

Para compor as indicações de leitura, selecionamos obras do dramaturgo russo Anton Tchékov (1860-1904), que dedicou quase toda sua obra aos “eternos problemas da existência humana”, fazendo com que suas personagens continuem presentes e atuais na contemporaneidade.

 reading

As três irmãs: conta a história de três mulheres que moram numa cidade do interior da Rússia, acham tediosa a vida na província e sonham em voltar para Moscou, onde haviam passado uma infância feliz. Um drama sobre pessoas comuns e seus problemas aparentemente banais, mas que transformam a vida em um fardo difícil de suportar.

O cerejal: a lenta e inexorável decadência da pequena aristocracia rural russa é retratada nesta peça. Com personagens imersas na trivialidade cinzenta do cotidiano, que representam o pequeno universo particular em desagregação, no qual repercute a deterioração maior, que contamina toda a Rússia.

Tio Vânia:  o protagonista desta obra é um homem que vê a si mesmo, e é visto pelos outros, como alguém secundário. Não se casou, não tem bens, não obteve amor ou reconhecimento pelo esforço que fez para sustentar a família. Apenas duas frágeis esperanças lhe restam: o médico que planta árvores e a sobrinha que confia na salvação eterna.

A Gaivota: o personagem Treplev perscruta o futuro e nos convida a sonhar com o que se passará daqui a duzentos mil anos. À fala de Sorine, tingida de humor, ao dizer que, ”Daqui a duzentos mil anos não haverá mais nada”, Treplev replica; ”Pois então que nos seja mostrado esse nada”.

Confira nesta lista outras obras de Tchékov que fazem parte do acervo da Biblioteca. Para consultar a localização e disponibilidade dos itens, acesse o Dedalus


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 6.136 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: