O ato de estudar

15/04/2019

Bibliografias, leituras obrigatórias, bibliografia complementar, resenhas, sínteses, seminários são termos que fazem parte da vivência do estudante universitário, mas, muitas vezes, estão confinados a uma compreensão prévia do ato de estudar que é aquela do acúmulo de conteúdos intelectuais.

Quando chamados a dialogar com as ideias dos textos, ter voz ativa,  não raro, a sensação é de incapacidade e aflição. Algo esperado, de certo modo, ao considerarmos o transmissivismo que marca nossa educação, em que o aluno é encarado como um recipiente pronto para acumular conteúdos que lhes são transmitidos. E agora, na universidade, chamados a ter voz e construir conhecimentos, como fazê-lo, quais seriam as chaves?

Algo dessas inquietações é sentida pelos bibliotecários em seu contato com os estudantes. Diante disso, trazemos, a seguir, um breve texto do mestre Paulo Freire em que afirma que o ato de estudar “exige uma disciplina intelectual que não se ganha a não ser praticando-a.” Prática indispensável e com algumas chaves para que sejamos sujeitos desse ato.

Considerações em torno do ato de estudar, por Paulo Freire.

 

Nesse processo de construção de conhecimentos e de si mesmo como produtor de conhecimento, a Biblioteca da ECA está de portas abertas para auxiliar – dentro de suas possibilidades – os estudantes nesse diálogo com o patrimônio cultural e científico que abriga. Assim, sempre que precisarem, os bibliotecári@s estão disponíveis para auxiliá-los.


Tudo sobre o seu TCC

08/04/2019

Quase tudo, na verdade, porque não vamos nos intrometer na parte que cabe aos orientadores. Os cursos da ECA têm até disciplinas que preparam o aluno para a empreitada. Mas vamos dar umas dicas que podem ajudar bastante.

Fontes de informação

Trabalhos acadêmicos exigem referencial teórico. Mesmo quem conhece bem seu objeto de estudo, porque já trabalhou com isso ou porque faz parte de sua história pessoal precisa encontrar na literatura da área o embasamento para desenvolver suas ideias e justificar suas conclusões. Seu orientador vai ajudar, mas você vai precisar fazer buscas em bibliotecas e bases de dados online para encontrar material relacionado ao tema do seu TCC, e não apenas no Google.

foto: Richard Vignola (Flickr)

Consulte o Dédalus para localizar livros, teses e trabalhos de conclusão de curso de todas as bibliotecas da USP. As teses e TCCs mais recentes estão disponíveis em pdf. Veja neste post como se faz para encontrar TCCs no Dédalus. Alguns TCCs em pdf só podem ser abertos e baixados na Biblioteca da ECA. Isso acontece porque o autor não colocou no trabalho a autorização para divulgação ampla pela internet. Não de esqueça de fazer isso no seu TCC, se quiser facilitar a vida dos seus futuros leitores.

Acesse o Portal de Busca Integrada da USP e o Portal de Periódicos da CAPES para encontrar artigos de revistas acadêmicas, com o texto completo disponível para baixar. Alguns conteúdos de um serviço não estão disponíveis no outro, por isso é bom consultar os dois. As revistas e os e-books publicados pela USP, por exemplo, não estão no portal da CAPES.

Quem pretende fazer uma pesquisa mais consistente vai precisar recorrer às bases de dados de artigos de revistas. Pelo Portal de Periódicos da CAPES ou pela lista de Bases de Dados do SIBi, você terá acesso a diversas bases, tanto especializadas em uma área quanto multidisciplinares. Alguns exemplos:

Academic Search Premier – multidisciplinar

Art Full Text – artes visuais, arquitetura, fotografia, cinema

Businnes Source Complete – administração, negócios, marketing, economia, turismo

JStor: multidisciplinar

LISA – Library & Information Science Abstracts – biblioteconomia e ciência da informação

RIPMRetrospective Index of Music Periodicals: música

Scopus: multidisciplinar

Importante: para abrir artigos publicados em revistas pagas pela USP ou pela CAPES em qualquer computador que não seja da USP, você precisa estar conectado à rede VPN ou Eduroam. Veja aqui como fazer isso.

E, por fim, se tudo isso parecer complicado demais, não se esqueça de que você tem à sua disposição as bibliotecárias e o bibliotecário de referência da ECA (Lilian, Marina e Walber), que podem ajudar muito.

Normalização e formatação

Referências? Citações? Notas de rodapé? Tabelas e ilustrações? Sumário? Se essas palavras te provocam medo, náusea ou coceiras, saiba que não é para tanto. Com um pouco de paciência e, se precisar, ajuda da Biblioteca da ECA, vai dar tudo certo.

Em nosso site, na página Normalização, oferecemos alguns materiais de apoio importantes, como as Diretrizes da USP para elaboração de dissertações e teses, que também serve para os TCCs. É um manual preparado por bibliotecários da USP que reúne todas as instruções da diversas normas da ABNT necessárias para elaborar um trabalho acadêmico. Como fazer referência de um artigo online, como e quando usar o apud, está tudo lá.

Se você preferir consultar diretamente as normas da ABNT, fale conosco ou baixe o que precisar pelo site do SIBi, no serviço ABNT – Portal Gedweb.

Alguns pontos importantes sobre citações e referências:

Faça uma única lista de referências, incluindo na mesma ordem todos os documentos citados, sejam livros, artigos, sites ou filmes.

Só inclua na lista de referências os documentos efetivamente citados no texto.

Evite citações de citações (o famoso apud). Procure localizar a fonte original.

Informação oral ou não publicada (algo que você ouviu numa palestra, por exemplo) podem ser citadas, mas não entram na lista de referências. Coloque em nota de rodapé.

Não faça do seu texto uma colcha de retalhos. Procure encadear as citações no seu discurso de forma equilibrada, usando-as, por exemplo,  para fundamentar suas ideias ou justificar suas afirmações.

Ficha catalográfica

A norma da ABNT para trabalhos acadêmicos diz que é necessário ter os dados de “catalogação na publicação” ou seja, a ficha catalográfica. Parece difícil, mas basta preencher um formulário no site da Biblioteca e a ficha sai pronta, na hora, automaticamente. E já com a frase que autoriza a publicação do trabalho na internet.

Depois da defesa

Seu trabalho deve ser encaminhado à Biblioteca pelo seu Departamento, oficialmente, ou seja, acompanhado por um ofício ou documento semelhante. A maioria dos Departamentos adota o critério de nota mínima para enviar os TCCs à Biblioteca.

Se o trabalho for textual, só recebemos em pdf. Entram para o acervo em versão impressa apenas os trabalhos de arte (objetos, gravuras, desenhos, livros de artista etc) ou qualquer trabalho que só possa ser apreciado plenamente em sua expressão física.

 

 


Redes sociais acadêmicas

01/04/2019

As facilidades que a internet oferece aliadas à influência do movimento de acesso livre trouxeram novas formas de divulgação da produção científica. Repositórios institucionais, bibliotecas digitais de teses e dissertações, bases de dados e revistas de acesso aberto etc., são algumas dessas opções.

As redes sociais acadêmicas estão entre essas novas formas de divulgação científica, contando inclusive com a adesão mais entusiasmada de pesquisadores e docentes, do que os repositórios institucionais, por exemplo.

Além de promover a divulgação de resultados de pesquisas e a comunicação e colaboração entre pesquisadores afins, também servem como bases de dados para recuperar artigos, pois uma característica comum das redes sociais acadêmicas é a possibilidade de depositar e compartilhar os artigos de sua autoria.

Calcula-se que algumas dessas redes, como ResearchGate, Academia.edu, estão hoje entre as maiores bases de dados pelo volume de informação que têm. No entanto, é preciso cuidado com o uso dos dados presentes nessas redes, já que não há, via de regra, seleção ou curadoria de conteúdo.

Esse serviços oferecem dados imediatos sobre a utilização de artigos, como citações, números de downloads e quem está baixando e lendo; embora haja controvérsias sobre a validade desses dados de um ponto de vista bibliométrico.

As mais conhecidas dessas redes sociais acadêmicas são as já citadas ResearchGate e Academia.edu, ambas criadas em 2008. No entanto, gerenciadores de referências bibliográficas como Mendeley, Zotero também oferecem esse tipo de serviço. E há redes mais especializadas, como MethodSpace, focada em compartilhamento de pesquisa sobre métodos de pesquisa.

Enfim, mais um canal para procurar aquele artigo difícil, até mesmo, diretamente com o autor.

 


Praticando idiomas na Biblioteca

25/03/2019

Bibliotecas são janelas de abertura para outros mundos, guardando patrimônio simbólico por meio do qual ‘os mortos falam aos vivos e os vivos aos ainda não nascidos’*.

Em meio às atribulações da vida acadêmica muito desse patrimônio que constitui as bibliotecas universitárias não é explorado pelos estudantes, que voltam suas energias às leituras específicas de sua área de formação. Dentre as inúmeras demandas colocadas aos estudantes, está a importância do domínio de outros idiomas, além do português.

Por meio desse post, convidamos os alunos a explorarem textos dramáticos de nosso acervo escritos em idiomas diversos, como forma de praticarem outras línguas enquanto vivenciam a leitura de uma obra carregada do poder de nos transportar para outros mundos e, assim, ampliar nossa esfera de presença em nosso próprio mundo.

Para aqueles que temem incorporar mais atividades à já atribulada rotina, é importante indicar que tais textos do universo teatral são marcados por diálogos e, em nosso acervo, há peças que podem ser lidas em poucas horas dada a própria extensão das obras.

Neste link consta uma seleção de alguns textos dramáticos.

No Dedalus é possível fazer buscas considerando o idioma da obra. Em “filtro de busca” basta selecionar o idioma desejado, conforme apresentado na figura abaixo.

 

 

Incursões também podem ser feitas no acervo de filmes em busca daqueles que são em outros idiomas havendo, também, a opção de seleção do idioma da legenda. A biblioteca dispõe de cabines individuais e de sala de vídeo para assistir aos filmes.

*Referência à obra A informação uma história, uma teoria, uma enxurrada (2013), de James Gleick.


As bibliotecas e a memória do cinema

18/03/2019

A matéria de Ieda Marcondes (*) sobre o risco de desaparecimento de filmes importantes como consequência do “salto tecnológico” para plataformas de streaming, publicada na Folha de São Paulo, chamou a atenção dos bibliotecários da ECA. Segundo Ieda, citando Jan-Christopher Horak, diretor do Arquivo de Filme e Televisão da Universidade da Califórnia, a atualização dos suportes sempre deixa para trás de 15 a 20% dos filmes em circulação. Ou seja, boa parte dos filmes que a gente alugava nas velhas videolocadoras não estarão disponíveis na Netflix e congêneres.

Isso ocorre porque nem todo filme tem suficiente apelo comercial para interessar a essas empresas, mesmo que seja um clássico imprescindível que todo estudioso do cinema deveria conhecer. Se for uma obra mais ou menos obscura, experimental ou “difícil”, pior ainda. Prova disso, continua Ieda em seu artigo, é a decisão da Warner de fechar o Filmstruck, serviço que mantinha obras de cineastas como John Ford, François Truffaut, Federico Fellini e Yasujiro Ozu.

Qual seria solução para isso? A mesma que já existe para livros antigos, esgotados, sem interesse comercial mas com muita relevância cultural: as bibliotecas. Bibliotecas costumam manter acervos de livros com essas características, conservá-los e até, quando a legislação e as condições práticas permitem, digitalizá-los.  Entretanto, ainda são relativamente poucas as bibliotecas brasileiras que têm coleções importantes de filmes, organizadas, catalogadas e acessíveis ao público. Diante do quadro atual em que a atuação das bibliotecas pode contribuir para manter acessíveis obras em risco de esquecimento, é importante que nossas bibliotecas passem a se dedicar mais ao desenvolvimento de acervos de filmes.

Rolos de filme no acervo da Biblioteca da ECA

Nesse aspecto, a Biblioteca da ECA se destaca. Nossa biblioteca sempre foi, desde sua criação, uma biblioteca de filmes. Nossa primeira grande missão na área foi a guarda, catalogação e conservação dos filmes produzidos pelos alunos do curso de cinema da ECA, hoje Audiovisual. Posteriormente, com a popularização dos suportes para distribuição doméstica de filmes, começamos a montar uma coleção voltada para as necessidades dos cursos da Escola que usam filmes em suas atividades de ensino e pesquisa. O acervo está todo catalogado e registrado na base de dados Filmes e vídeos – acessível pelo nosso site – e no banco de dados Dédalus (parcialmente). Chegamos a desenvolver uma metodologia específica para tratamento de nosso acervo de imagens em movimento, disponível para download no Portal de Livros Abertos da USP.

Nosso acervo contém filmes de todos os cineastas citados no artigo da Folha e muitos outros, alguns até bem pouco conhecidos pelo público não especializado. Temos, por exemplo: caixa com os filmes de John Ford, F. W. Murnau e Frank Borzage produzidos pela 20th Century Fox; edição comemorativa dos 100 anos de Manoel de Oliveira, contendo 21 filmes; filmes underground de Andy Warhol; filmes brasileiros da Programadora Brasil, coleção Cinema Brasileiro Contemporâneo, com filmes brasileiros recentes.

Recebemos, com alguma frequência, doações de filmes feitas pelos próprios diretores ou produtores, como foi o caso de Evaldo Mocarzel, que doou 23 filmes que dirigiu, e doações de escolas de cinema brasileiras e estrangeiras.

Nossa coleção de vídeos em VHS, que começamos a formar em 1987, é conservada com cuidado. O acervo em vídeo gerado na própria Escola foi, quase todo, copiado para DVD. Outras providências estão sendo tomadas para garantir a sobrevivência desses arquivos, mas os originais em vídeo, bem como os aparelhos para sua reprodução, ainda serão mantidos.

Recebemos, com bastante frequência, estudantes e pesquisadores interessados em assistir filmes que não localizaram em outras fontes, aí incluídas plataformas de streaming e site de torrents. Nosso velho e sofrido acervo de vídeos já ajudou muitos cinéfilos aflitos, mas também já tivemos, infelizmente, muitas demandas que não pudemos atender.

O avanço da tecnologia trouxe, aqui mesmo na ECA, efeitos inesperados. Enquanto a produção do curso de Audiovisual era em película cinematográfica em 16 ou 35 mm, as cópias eram enviadas à Biblioteca, que mantinha atualizado o catálogo desse acervo tão importante. Mesmo depois que, para garantir melhores condições de conservação, os filmes mais antigos foram depositados na Cinemateca Brasileira, as informações de catálogo continuaram disponíveis nas bases de dados mantidas pela Biblioteca da ECA. A partir do momento em que os filmes começaram a ser produzidos em suporte digital, o material deixou de ser enviado regularmente à Biblioteca. Temos em nossos catálogos produções do curso de Audiovisual apenas até o ano de 2013. Não conseguimos informar, como fazíamos antigamente, sobre a totalidade dos filmes produzidos pelo curso. Mas, as negociações para revolver esse problema estão avançadas e acreditamos que, em breve, o fluxo normal será retomado e voltaremos a catalogar os filmes de produção da ECA.

Enquanto isso, vejam a lista parcial de Trabalhos de Conclusão de Curso da ECA em forma de filme ou vídeo, incluindo produções dos cursos de Jornalismo e Artes Visuais.

(*) A matéria da Folha de São Paulo é acessível apenas para assinantes. A consulta é possível pelos computadores da Biblioteca, basta solicitar o acesso aos funcionários.

 

 

 

 

 


Business Source Complete

11/03/2019

Economia e negócios, é disso que trata a base de dados Business Source Complete. A base indexa importantes revistas dessas áreas, traz perfis de autores mais citados e informações sobre empresas.

Para quem busca informações econômicas e de negócios envolvendo áreas como comunicação, turismo, relações públicas, publicidade, editoração, jornalismo etc., essa é uma fonte a  considerar. É também uma fonte de informações importante na área de marketing.

Para acessar a base, procure na lista de bases de dados na página do Sistema Integrado de Bibliotecas da USP (SIbiUSP), uma vez lá navegue pela lista alfabética até a letra B.

A base oferece recursos de busca como

operadores booleanos

dog or cat and show or parade
(dog or cat) and (show or parade)

dicionários de sinônimos

e filtros para refinar o resultado de sua busca.

Se quiser conhecer melhor esses e outros recursos que a base oferece, é só nos procurar no serviço de referência da biblioteca, ou agendar por aqui:

http://www3.eca.usp.br/biblioteca/servicos/treinamentos


Seja bem-vindx à ECA

25/02/2019

Seja bem-vindx à ECA, sua nova casa durante esse período de (trans)formação.

Ingressar na graduação é entrar em contato não somente com um novo campo de conhecimento, mas, também, com uma nova cultura que marca o meio. A USP oferece inúmeras possibilidades de vivência cultural e científica aos estudantes. Museus de arte, cultura e ciência, cinema, teatro, editora, orquestra, coral e bibliotecas evidenciando uma estrutura que vai muito além da sala de aula.

Desejamos que a Biblioteca da ECA seja parte integrante dessa nova fase da vida de todxs, contribuindo para que se aventurem pelas trilhas do conhecimento e da cultura. Então, vamos a algumas apresentações iniciais:

De 25 de fevereiro até o fim de março serão realizadas visitas guiadas para que os estudantes conheçam a biblioteca e seus recursos. As visitas ocorrerão de hora em hora, das 9h às 20h, desde que um bibliotecário esteja disponível. Aproveite para conhecer essa biblioteca que também é sua!

A Biblioteca da ECA oferece salas para estudo em grupo, computadores com acesso à internet, mesas para estudo individual, wifi, cabines para assistir filmes do acervo e, também, uma sala de áudio e outra de vídeo nas quais você pode assistir filmes com seus colegas ou então ouvir um disco ou CD do acervo. Aproveite o tempo que não está em aula e explore esse universo!

O acervo das bibliotecas pode ser pesquisado em catálogo online, o Dedalus. Além do acervo físico, é disponibilizado vasto acervo digital.

O acervo físico e o digital podem ser pesquisados no aplicativo Bibliotecas USP. Nele você também faz reservas e renovações.

Há catálogos específicos em que é possível pesquisar o acervo de filmes , gravações sonoras e partituras. A equipe da biblioteca prepara listas temáticas de filmes do acervo. Assim, se quiser assistir a um filme e não tiver nenhum título em mente, consulte as listas temáticas que ficam sobre o balcão de atendimento e também estão disponíveis em nosso blog.

Para conhecer os recursos de pesquisa, marque um atendimento com um bibliotecário nesse link , assim você terá um horário reservado para você. Sugerimos que marque a atividade “Dedalus, Busca Integrada, bases da Biblioteca e Empréstimo entre Bibliotecas” , mas, lembre-se que não é preciso marcar um horário para ser atendido por um bibliotecário. Basta chegar e pedir auxílio!

Os estudantes podem retirar livros em todas as bibliotecas da USP, basta apresentar o cartão USP. Aqui você conhece os prazos e quantidades que pode emprestar.

Em nosso blog publicamos posts semanais, além disso estamos presentes em redes sociais como twitter e facebook. Além de informações importantes sobre o funcionamento da biblioteca (alteração no horário, por exemplo), divulgamos informações que selecionamos e consideramos pertinentes às áreas de Comunicação, Informação e Artes.

Mensalmente divulgamos o Acontece na Biblioteca, boletim com informações importantes e as novidades do acervo. Clique aqui para assinar e acompanhar as notícias sobre a Biblioteca.

É possível entrar em contato conosco por email, telefone, chat e redes sociais. Verifique em nosso site as informações para contato.

O site reúne informações importantes sobre a biblioteca, produtos e serviços oferecidos.

Nesse link você acessa o guia da Biblioteca com informações essenciais.

Essas informações são um pequeno indicativo do que está a disposição da comunidade. Venha até a biblioteca para explorar aos poucos esse universo, sinta-se sempre convidado a passar longas horas na Biblioteca lendo, estudando, trocando ideias, assistindo filmes, ouvindo música, realizando pesquisas ou simplesmente em silêncio.

Seja bem-vindx, faça parte desse meio e que o meio faça parte de sua vida, o que inclui a Biblioteca!


%d blogueiros gostam disto: