Corporalidades

19/02/2018

Erotismo, sexualidade, sexo, corpo foram alguns dos termos que buscamos para fazer essa seleção de filmes que adentra o universo do corpo humano, tendo como inspiração a mostra Corpo desperto, do Cinusp. Instância dos sentidos, por vezes liberto e outras interdito, descobri-lo como território do prazer pode levar tanto ao gozo como à culpa.

É por esses caminhos, do corpo como palco de experiências sensoriais, que a seleção a seguir envereda. Clique aqui para conferir.

Cena de O sabor da melancia (2005)

Anúncios

Alguns números do ano que passou

05/02/2018

Alguns dos nossos números do ano que passou para que vocês tenham uma ideia do trabalho feito.

Começando pelo atendimento, em 2017 realizamos 23 632 empréstimos de livros, partituras, DVDs, revistas… As consultas, ou seja, aquele material que pedimos para que você não coloque de volta na estante, atingiram 20 690 itens, e esse número deve, na realidade, ser bem maior, pois a todo momento vemos as pessoas ‘guardando’ os itens usados.

Além do nosso acervo, você sabia que podemos pedir empréstimos de material das bibliotecas da Unesp, Unicamp e outras bibliotecas da USP no interior? Pois é, algumas pessoas sabem, e no ano passado os empréstimos entre a nossa e outras bibliotecas chegaram a 351 itens. Nesse número entram os itens que enviamos e os que tomamos emprestados.

Outro serviço de caráter recíproco com outras bibliotecas é o Comut, serviço pelo qual são enviadas cópias de artigos e teses, mediante pagamento. Trocamos 104 teses e artigos com outras instituições, o equivalente a 1 457 cópias.

381 pessoas procuraram os bibliotecários com questões sobre suas pesquisas, pedindo ajuda sobre normalização de seus trabalhos, orientação para uso de bases de dados. As visitas guiadas, aulas, palestras, treinamentos e orientações para uso de bases de dados atingiram 589 pessoas.

O pessoal que cataloga, classifica, indexa, faz upload de teses e dissertações para biblioteca digital entre outras coisas, também exibe números orgulhosos. Foram 3 596 itens novos no acervo, destaque para livros (1 713), fascículos de periódicos (839), teses (369), CDs (292) e DVDs (150).

Na aquisição tivemos problemas com a compra de materiais. Devido a uma limitação orçamentária, que esperamos ser contingencial, poucos itens foram comprados, mas ainda não foram entregues pelos fornecedores. Mais informações aqui.

Em compensação, os itens recebidos por doações individuais de nossos usuários e de editoras como Cosac Naify, Instituto Moreira Salles e Edusp atingiram 2 660.

Conseguimos manter a assinatura de 158 periódicos, 141 dos quais internacionais.

O pessoal da conservação faz higienização, encadernação e outros pequenos reparos. Também faz cópia de segurança e conversão de uma mídia para outra, por exemplo, VHS para DVD.

Ao todo, 1 323 itens passaram pela nossa oficina de encadernação. Foram feitos reparos e medidas preventivas de conservação em 231 livros e 190 exemplares de periódicos; de 597 materiais foram feitas cópia de segurança ou conversão para mídia mais moderna; 305 itens passaram por higienização. Como não temos pessoal nem recursos suficientes, são priorizados para higienização os materiais nos quais se nota a presença de fungos, insetos, umidade.

Nosso blog teve 111.815 visualizações em 2017. E nossas redes sociais continuam atraindo seguidores e servindo de canal de atendimento também.

Número de visualizações do blog

Mais informações:

http://www3.eca.usp.br/biblioteca/biblioteca-numeros

 


Nossa! não sabia …

29/01/2018

A biblioteca é um microcosmo informacional, a partir dela podemos ir a muitos outros locais. Mas, não raro, muitos alunos não sabem nem mesmo informações básicas sobre a biblioteca. Neste post iremos apresentar os diferentes canais para obter informações atualizadas sobre a biblioteca e entrar em contato conosco.

Recepção

SITE: No site da Biblioteca da ECA você encontra informações gerais e atualizadas como horário de funcionamento, serviços, acervo, catálogos, meios de contato, regulamento, links para diversas outras fontes de informação, formulários para marcar treinamentos e para solicitar compra de livros etc.

BLOG: A Biblioteca da ECA mantém um blog no qual são publicados, semanalmente, textos variados sobre as áreas abrangidas pelo acervo, pesquisas e diversos outros tópicos relacionados à vida acadêmica. Lá você também pode encontrar catálogos temáticos que publicamos com seleções de filmes do acervo e saber quais são as novas aquisições. Outras bibliotecas da USP também têm blogs bastante interessantes, procurem acompanhar.

FACEBOOK: Temos uma página no Facebook em que divulgamos notícias referentes às temáticas Comunicação, Informação e Artes além de informações diversas sobre a Biblioteca. Siga nossa página e mantenha-se atualizado. O Sistema Integrado de Bibliotecas da USP (SIBi-USP) também possui uma página no Facebook muito boa, sempre com informações importantes para quem pesquisa.

TWITTER: Siga a Biblioteca no Twitter, mantemos um perfil em que compartilhamos informações variadas sobre as áreas do conhecimento abrangidas pela ECA além de informações sobre a própria Biblioteca.

BOLETIM: Mensalmente divulgamos via email o boletim Acontece na Biblioteca. Ali são reunidas informações de destaque do mês. Para recebê-lo basta fazer a subscrição aqui. A ECA divulga semanalmente via email o ECAnotícias, com notícias sobre a escola, defesas, pesquisas, prêmios, espetáculos. Para receber solicite junto a ecanoticias@usp.br

CHAT: Em nosso site há um chat para atendimento online. Caso tenha alguma questão de pesquisa, dúvida sobre funcionamento, produtos e serviços oferecidos pela Biblioteca entre em contato. O chat está disponível somente nos horários de funcionamento.

TELEFONES E EMAIL: Em caso de dúvidas sobre funcionamento da biblioteca, serviços oferecidos, acervo, necessidade de auxílio com sua pesquisa entre em contato conosco por telefone, 30914071 / 30914481,   email,  ecabiblioteca@usp.br, ou também via chat de atendimento online.

Lembre-se que a Biblioteca da ECA oferece diferentes produtos e serviços. Há treinamentos para uso de bases de dados, focados nas necessidades de pesquisa de cada um, a USP oferece acesso a ampla gama de artigos acadêmicos disponíveis online, o acervo de materiais impresso é bastante abrangente. Aqueles que possuem vínculo com a USP podem solicitar empréstimo de materiais do acervo da UNESP e UNICAMP, assim como os livros de outros campus da USP podem ser enviados para a ECA para que você faça o empréstimo.


Todos os discos de 2017

22/01/2018

No ano passado entraram para nosso acervo de gravações e já estão catalogados 149 novos CDs. Como fazemos a catalogação música por música, foram 593 novos títulos colocados ao alcance dos ouvidos do público interessado em música que frequenta a Biblioteca da ECA.

Música popular

São 22 CDs de música popular, entre os quais:

Paisagens, de Ivan Vilela – acompanha o livro Cantando a própria história: música caipira em enraizamento. CD3172

Yrupa purahéi: canções das margens do rio. Purahéi Trio. CD3199

Norton recorded anthology of western music, volume 2: classic to Twentieth Century, disco 11 – CD3310

Violas da minha terra, violas de canto a canto. Moacir Laurentino e Sebastião da Silva – CD3305

Concertando o choro. (Série Grandes clássicos em ritmos de choro) CD3303

Três canções de Tom Jobim. Ná Ozzetti e André Mehnari – CD3208

Música erudita

As gravações de música erudita, segmento mais forte do nosso acervo, foram maioria em 2017. Entre os novos CDs, destacamos:

Ultimate Berlioz (caixa com 5 CDs) – CD3228/32

Integral dos quartetos de cordas de Camargo Guarnieri. Quarteto Camargo Guarnieri. Academia Brasileira de Música – CD3177

Simon Rattle: Russian music (caixa com 8 CDs) – CD3254 a CD3261

Adventures in early music : the history of period performance practice – CD3188

Fraterno: Ernani Aguiar, H. David Korenchendler (obras para: piano solista; coro; voz solista e violoncelo) – CD3194

Choros de Guerra-Peixe. Grupo Picadinho da Velha. CD3204.

Um requiem para Waldemar. Obras de Waldemar Henrique, por vários intérpretes – CD3207

Música latino-americana para piano:  Villa-Lobos,  Alberto Ginastera, Camargo Guarnieri, Aurélio de La Vega e outros – CD3221

Antonio Vivaldi: L’estro armonico: 12 concerti –  CD3236/7

Bach: les six suites pour violoncelle : BWV 1007-1012 – CD3238/9

Ninna Nanna.  Montserrat Figueras, soprano (coletânea de canções de ninar)  – CD3241

Vamos parar por aqui, porque listar todos seria muito demorado e nada prático. Quem tiver curiosidade de acessar a relação completa do material, basta entrar na base de dados Gravações (disponível em nosso site) e digitar 2017$, assim mesmo, com o cifrão após o número.

Link para a base de dados:

http://www.eca.usp.br/biblioteca-bases/sonora/search.htm

Lembretes:

Os CDs e discos em vinil ainda não estão no Dédalus! Procure sempre na base de dados do link acima.

Além do acervo físico, assinamos a base de dados Classical Music Library, com gravações para ouvir online, disponível pela interface do SIBi.

 

 

 

 

 

 


Os 50 mais

15/01/2018

E aqui está a tão aguardada lista dos campeões de empréstimos no ano passado! São os cinquenta itens mais emprestados ao longo do ano, incluindo livros e DVDs.

Livros de professores e ex-professores da ECA são, como sempre, destaques na lista, assim como textos que fazem parte da bibliografia básica de disciplinas ou das provas para ingresso na pós-graduação.

Entre os 10 primeiros, dois filmes importantes, clássicos absolutos do cinema: Terra em transe, de Glauber Rocha, e Ivan, o terrível, de Eisenstein.

Quase todos têm mais de um exemplar disponível no acervo mas, em alguns casos, observamos que precisaríamos ter mais. Restrições orçamentárias e dificuldades de encontrar determinados títulos no mercado dificultam a compra de mais exemplares, infelizmente. , Portanto, se você tem em casa um desses títulos e não precisa mais dele, considere a possibilidade de doá-lo para a Biblioteca da ECA. Sua generosidade será apreciada pelos estudantes que não têm condições de comprar todos os livros que precisam ler.

1. Yanaze, Mitsuru. Gestão de marketing : avanços e aplicações – 83
2. A pintura : textos essenciais – 31
3. Yanaze, Mitsuru. Gestão de marketing e comunicação : avanços e aplicações –  30
4. Agências de viagens e turismo : práticas de mercado –  28
5. Crocker, Richard L. A history of musical style –  25
6. Terra em transe (filme) –  25
7. Giacomini Filho, Gino Consumidor versus propaganda – 22
8. Martins, Marcos Aurélio B. Encenação em jogo : experimento (…) –  22
9. Ivan, o terrível (filme) – 21
10. Almeida, Maria C. B. Planejamento de bibliotecas e serviços de informação – 20


11. Veal, Anthony James Metodologia de pesquisa em lazer e turismo – 19
12. Baudrillard, Jean Simulacros e simulação – 18
13. Bauman, Zygmunt – Modernidade líquida – 18
14. Pupo, M. L. de S. Barros. Entre o Mediterrâneo e o Atlântico – 17
15. Hiperpublicidade : fundamentos e interfaces  –  17
16. Burke, Peter.Uma história social do conhecimento : de Gutenberg a Diderot – 17
17. Flusser, Vilém. Filosofia da caixa preta : ensaios (…) – 16
18. Bernardet, Jean-Claude. Cinema brasileiro : propostas para uma história – 16
19. Szondi, Peter. Teoria do drama moderno (1880-1950) – 16
20. Ribeiro, A. M.C. Memória.  Catalogação de recursos bibliográficos – 15


21. Argan, Giulio. Imagem e persuasão : ensaios sobre o barroco – 14
22. Crimp, Douglas. Sobre as ruínas do museu – 14
23. García Canclini, N. Diferentes, desiguais e desconectados – 14
24. Benjamin, W. A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica –  14
25. Lupton, Ellen. Pensar com tipos : guia para designers, escritores (…) – 14
26. Rodrigues, Nelson. Teatro completo – 14
27. Crary, J.  Suspensões da percepção : atenção, espetáculo e cultura moderna – 14
28. Para entender as linguagens documentárias – 14
29. Hall, C. Michael. Planejamento turístico : políticas, processos e planejamentos – 14
30. Argan, Giulio. História da arte italiana – 14
31. Museu da Imagem e do Som. Odisséia do som – 14
32. Adler, Samuel. The study of orchestration – 13
33. Santos, Glauber. Economia do turismo – 13
34. Didi-Huberman, G. Diante da imagem : questão colocada (…) – 13
35. Burch, Noel. Práxis do cinema – 13
36. Milanesi, Luís Biblioteca – 13
37. Belting, Hans. O fim da história da arte : uma revisão dez anos depois – 13
38. Crítica de arte no Brasil : temáticas contemporâneas – 13
39. A biblioteca pública em contexto : cultural, econômico, social e tecnológico – 13
40. Bataille, Georges. Oeuvres complètes – 13
41. Wisnik, José Miguel. Som e o sentido : uma outra história das músicas – 13
42. Merleau-Ponty, Maurice. Fenomenologia da percepção – 13
43. Clark, T. J. Modernismos : ensaios sobre política, história e teoria da arte – 13
44. Desgranges, Flávio A pedagogia do espectador – 13
45. Giacomini Filho, Gino. Consumidor versus propaganda – 13
46. Braga, Debora Cordeiro. Planejamento turístico : teoria e prática – 13
47. Bauman, Zygmunt. Modernidade líquida – 12
48. Matisse : imaginação, erotismo, visão decorativa – 12
49. Grunig, James E Relações públicas : teoria, contexto e relacionamentos – 12
50. Crary, Jonathan 24/7 : capitalismo tardio e os fins do sono – 12

E, para quem ficou curioso e quer ver mais, a lista dos 200 itens mais emprestados está no link:

200 mais


Colóquio Dados, Metadados e Web Semântica

08/01/2018

por Sarah Lorenzon Ferreira

Nos dias 14 e 15 de dezembro de 2017, a Universidade Federal de São Carlos – UFSCar sediou o Colóquio “Dados, Metadados e Web Semântica”, realizado pelo grupo de pesquisa Dados e Metadados (GP-DM) do Departamento de Ciência da Informação (DCI) da Universidade, com apoio do grupo de pesquisa Núcleo de Estudos em Web Semântica e Dados Abertos (NEWSDA-BR) da USP, campus de Ribeirão Preto.

O objetivo do evento foi ampliar o diálogo sobre a Web Semântica aos profissionais da informação, principalmente o campo da Biblioteconomia e da Ciência da Informação, para a utilização de tecnologias que cada vez mais multidimensionam os espaços para o acesso, uso e reuso informacional aos usuários.

O colóquio tratou de temas emergentes e necessários para a Ciência da Informação como: Linked Data, Padrões de Metadados, Preservação Digital em Repositórios Institucionais dentre outros.

A ECA esteve presente apresentando o trabalho Imagens interoperáveis: uso do VRA Core e da estrutura IIIF na construção de bibliotecas digitais, de autoria de Sarah Lorenzon Ferreira e Marina M. Macambyra (bibliotecárias da ECA) e da professora do CBD Vânia Maria Alves Lima. Assim como o trabalho apresentado no Seminário da Redarte do Rio de Janeiro,  este texto buscou apresentar o protótipo que estamos desenvolvendo de nossa biblioteca digital de imagens de arte, mas detalhando,  numa abordagem técnica, duas soluções que juntas poderão contribuir para a interoperabilidade sintática e semântica das imagens de arte: os metadados VRA Core e a estrutura IIIF (International Image Interoperability Framework).

O IIIF possibilita o compartilhamento e reutilização de conteúdos entre diferentes instituições, mesmo que utilizem servidores de imagens ou softwares de visualização diferentes, proporcionando aos usuários uma boa experiência de visualização de imagens com zoom profundo, orientação, tamanho etc.

No final da apresentação mostramos um vídeo do protótipo com os recursos já implementados (não tem áudio).

Vídeo completo da apresentação:

Apresentação:

http://prezi.com/bswk1m8_lvnt/?utm_campaign=share&utm_medium=copy&rc=ex0share

As perguntas foram feitas ao final das apresentações da primeira mesa do dia. Nosso trabalho despertou muita curiosidade dos presentes, principalmente a respeito do uso  IIIF. No link, um recorte no vídeo para a parte das perguntas:

https://www.youtube.com/watch?v=xXMSMD_Xu7g

Contatos:

Grupo de pesquisa Dados e Metadados:

https://www.facebook.com/gpdm.ufscar/

Os vídeos dos dois dias do evento podem ser vistos no Canal do Departamento de Ciência da Informação da USFCar:

https://www.youtube.com/channel/UCYScVH-WGBHAezQlwvP0Ofg/videos


Ainda sobre ORCID : perguntas e respostas

02/01/2018

Já falamos sobre o ORCID em outro post mostrando como é importante que os pesquisadores vinculados à USP façam o seu registro e que o mesmo seja validado institucionalmente. Abaixo trazemos algumas respostas (do Departamento Técnico do SIBi) para eventuais dúvidas que ainda possam existir após ter lido o primeiro post.

1: O que significa ter um registro ORCID autenticado via USP? Há algum tipo de atualização automática da produção intelectual junto ao registro do pesquisador na ORCID?!

Nesse momento o registro ORCID autenticado USP está sendo apenas coletado, ligando efetivamente o autor e à USP. Na USP, até o momento, foi implementada apenas a fase COLLECT.

 

2: O ORCID pede um email para registro: devemos usar o email USP? A senha que o ORCID demanda no momento da inserção dos dados, deve ser a mesma dos sistemas USP?

Você pode usar qualquer e-mail, assim como a senha. O importante é criar e associar seu registro ORCID aos sistemas USP utilizando o caminho: http://www.usp.br/orcid 

 

3: No campo “Also known as”, além de variações do nome, devemos inserir o nome na ordem Sobrenome, Prenome?

Sim, esse campo é muito importante. Escolha o nome certo – nome profissional adotado para identificá-lo no registro. No campo “Also known as”, adicione toda e qualquer variação do seu nome: completo, abreviado, invertido.

 

4: Caso eu publique em revista que tenha DOI e meu registro ORCID esteja integrado com a CrossRef, não precisarei entrar no ORCID para cadastrar essa publicação, pois será automaticamente inserida sob minha identificação de pesquisador na ORCID?

Sim, é isso mesmo. Quanto mais editoras estiverem usando DOI e ORCID, mais e mais as atualizações da produção serão automáticas.

 

5: Um livro ou qualquer outro trabalho publicado que não tenha DOI – mesmo meu registro ORCID estando integrado à CrossRef – deverá ser inserido manualmente no ORCID ou o fato de estar cadastrado na Biblioteca Digital de Produção Intelectual da USP (BDPI-USP) já contempla a atualização dos dados, além da validação?

Quando  a fase CONNECT USP-ORCID for implementada, haverá a integração entre a BDPI e o ORCID. Nesse momento, a atualização para as produções cadastradas na BDPI, portanto, que estejam em acesso aberto, poderão ser automaticamente carregadas para o registro ORCID do autor USP.

 

6: O que significa, atualmente, afirmar que o ORCID integra todos os outros identificadores (Lattes id, Researcher id, Google scholar e Scopus)? Basta que o pesquisador atualize somente uma das ferramentas?

O ORCID é a única ferramenta preparada para integrar distintos players da cadeia de publicação científica: autores, editoras, universidades, agências de financiamento, e também funciona como Profile – Currículo. Hoje, estão de fato integrados ao ORCID, ou seja, estão efetuando troca de dados: Crossref, ResearcherID, Scopus Author ID. O Google ID não está integrado, mas é possível carregar a lista de produções cadastradas no perfil Google do autor para o registro ORCID. O Currículo Lattes ainda não está integrado, mas o número ORCID já é solicitado pela CAPES em alguns processos de submissão a bolsas. Nesse momento, deve-se apenas inserir o número ORCID no Currículo Lattes.

 

7: Toda a inserção de dados na ORCID, atualmente, é manual? Educação, emprego, financiamento, trabalhos, país etc.?

Nesse momento, a inserção de dados é manual, embora alguns campos possam ser preenchidos a partir do carregamento de dados de outras bases. Quando a USP implementar as fases seguintes, CONNECT e SYNCHRONIZE, os registros ORCID autenticados passarão a ser alimentados pela USP, quando for o caso. Por exemplo: Educação – o Setor de Diplomas irá inserir no registro ORCID os dados de um doutorado. As informações já cadastradas também serão validadas. Emprego – o Setor de RH da USP poderá inserir informações de vínculo e mudanças de Unidade. Financiamento – o carregamento de informações já é semiautomático, pois o ORCID utiliza o Wizard para carregar seus financiamentos para o registro. Em breve, a Pró-Reitoria de Pesquisa poderá inserir dados de bolsas no registro ORCID do autor USP. Trabalhos – a inserção já é semiautomática por meio da progressiva integração entre as editoras, CrossRef-DOI e ORCID. Quando a USP estiver conectada, os trabalhos e artigos sem DOI cadastrados na BDPI poderão ser carregados automaticamente para o registro ORCID do autor USP. Os dados cadastrados no DEDALUS também poderão ser carregados para o registro ORCID e/ou validados toda vez que forem cadastrados na Base de produção intelectual.

Com o auxílio do gerenciador de referências Endnote, é possível puxar referências do Portal de Busca Integrada para o Researcher ID e enviá-las ao ORDIC, como explicamos  em outro post deste blog.


%d blogueiros gostam disto: