Para conhecer um pouco mais a ECA

26/09/2016

Aproveitando a ocasião dos 50 anos da Escola de Comunicações e Artes, apresentamos algumas referências para conhecer um pouco mais a ECA. Todos os itens citados fazem parte do acervo da Biblioteca.

o começo, a história.

Discurso de posse do Prof. Dr. Julio García Morejón na direção da Escola de Comunicações Culturais, outubro, 13, 1966. São Paulo: ECC/USP, 1967. Localização: F89.

MARTINS, Maria Helena Pires. A Escola de Comunicações e Artes e sua história. Comunicações e Artes, São Paulo, v. 14, n. 22, nov. 1989, p. 29-52.

PACHECO, Elza Dias. A ECA por dentro e por fora: (escola e trabalho: o poder ser e o poder fazer dos jovens). 1989. 239 f. Tese (Livre-docência). ECA/USP, 1989. Localização: t378.8161 P116e

foto-1a

ZAÉ JÚNIOR. Uma escola para gênios compreendidos. O Cruzeiro, Rio de Janeiro, v. 40, n. 18, 4 maio 1968, p. 110-118.

balanços

AJZENBERG, Elza M. (org.). Diagnóstico do ensino da ECA. São Paulo: ECA, 1990. Localização: 378.8161 A312d

CALIL, Carlos Augusto et al. ECA em revista: os desafios da renovação. Comunicações e Artes, São Paulo, v. 21, n. 33, 1998. p. 35-49.

em busca de uma identidade visual

BASTOS FILHO, Heliodoro Teixeira. Em busca de uma imagem gráfica para a Escola de Comunicações e Artes. 1992. 87 f. Tese (Doutorado)-ECA/USP, 1992. Localização: t378.8161 B327e

os cursos, os departamentos

MARTINS, Maria Helena Pires. ECA: retrato em branco e preto (cinema e música). 1988. 175 f. Tese (Doutorado)-ECA/USP, 1988. (História da ECA, criação dos departamentos de Cinema e Música, o projeto do instituto de artes). Localização: t378.8161 M386e

TAVARES, Abílio César Neves. Uma escola em construção: primeiro curso, primeira turma do Departamento de Artes Cênicas da Escola de Comunicações e Artes: 1967-1970. 425 f. Tese (Doutorado em Artes) – ECA/USP, São Paulo, 2013. Disponível também online:<http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27156/tde-13112014-110218/pt-br.php&gt;. Localização: t869.92501561 T231e

os grupos de estudo, os laboratórios

COSTA JR., Luiz Roberto Guimarães. Com-Arte: 20 anos editora-laboratório. 1992. 162 p. TCC. Localização: TC291.

MALCHER, Maria Ataide. A memória da telenovela: legitimação e gerenciamento: Núcleo de Pesquisa de Telenovela – NPTN. São Paulo: Alexa Cultural, 2003. Localização: 791.4560981 M242m

pesquisa

COSTA, Maria Cristina Castilho. (org.) A pesquisa na Escola de Comunicações e Artes da USP: 2011. São Paulo: Fapesp; ECA/USP, 2012. Localização: 001.43 P474c

ROCHMAN, Alexandre Ratner. TCC de TCC’s: uma análise dos trabalhos de conclusão do curso de relações públicas da ECA/USP. 2001. 57 f. TCC. 2001. Localização: TC1017

A Escola de Arte Dramática

DIONYSOS: estudos teatrais. Rio de Janeiro, n. 29, 1989. (número dedicado à EAD).

GARCIA, Silvana. Lição de palco EAD-USP: 1969-2009. São Paulo: Edusp, 2009. Localização: 869.92501561 L698g

Sobre a EAD, sua a criação, a transferência para a ECA e as montagens das primeiras décadas, há bastante material nos jornais paulistanos do período. Aqui na Biblioteca da ECA temos acesso ao acervo eletrônico do Estado de São Paulo.

os alunos, os egressos

FREITAS, Thays Regina Pereira de. Por onde andam nossos jornalistas: o que fazem e o que pensam os profissionais formados pela ECA em 1990. TCC. 1995. Localização: TC18.

HAMAMOTO, Heleni Maria. Formação superior em turismo e mercado de trabalho: egressos da ECA-USP. 1998. 59 f. TCC. 1998. Localização: TC1272.

SILVA, Inara Casarin Vieira da. O perfil do usuário de um centro de convivência estudantil: Centro Acadêmico Lupe Cotrim. TCC. 1992. Localização: TC1033.

Os trabalhos de conclusão de curso têm oferecido um dos mais generosos espaços de reflexão sobre a Escola.

os professores

J. Guinsburg. Por Sônia Maria de Amorim e Vera Helena F Tremel. São Paulo: COM-ARTE, 1989. (Editando o editor, v. 1). Localização: 070.50981 G964a

Lupe Cotrim. Organização de Marina Cláudia Rector. São Paulo: ECA/USP, 1990. (Simpósio em Comunicações e Artes; 7). Localização: F1162.

Sobre os professores, além de suas próprias obras, há os memoriais, que são relatórios de formação e trajetória científicas, de atividades didáticas, científicas, culturais e profissionais desenvolvidas. Muitos deles foram digitalizados como parte do Pojeto Memórias da ECA/USP: 50.

Para buscar esses materais, pesquise por escola de comunicações e artes no campo assunto no Dedalus.

 


Revista Claudia e a década de 1970: mensagens para as mulheres

19/09/2016

A revista Claudia, publicada desde a década de 1960, tem suas páginas voltadas para o público feminino. Vamos voltar no tempo e ver, por meio de suas capas, algumas das mensagens que a revista levava às suas leitoras na década de 1970.

Era possível obter dicas essenciais para a decoração do quarto das crianças.

7

E havia importantes informações para auxiliar a leitora a descobrir se realmente poderia aceitar um convite para um jantar formal.

6

Naquela época já havia fórmulas mágicas para emagrecer e, novamente, muitas dicas para decorar o quarto de crianças.

4

A revista auxiliava na escolha de roupas para passear, sair à noite e vejam só: trabalhar !

3

Os novos eletrodomésticos eram anunciados como elemento da economia de tempo na vida feminina, assim as mulheres poderiam se ocupar com temas como a decoração da casa, a moda para as crianças e receitas rápidas.

1

A palavra férias na capa era “pegadinha”, já que se referia às férias das crianças e não da leitora.

9

A leitora descobriu que a atriz Julie-Christie, aparentemente um padrão de beleza da época, preferia ser feia.

8

Se a tristeza batesse a porta, havia dicas de trabalhos manuais para alegrar as leitoras e, obviamente,  os filhos e a casa, pois alegria contagia.

10

Se mesmo assim a tristeza perdurasse, paciência, pois ainda havia a possibilidade de ler algo sobre como evitar um enfarte e também o importante aprendizado de uma dieta anti-celulite.

5

Estes fascículos compõem a Coleção especial de revistas do acervo da Biblioteca da ECA. A revista Claudia está entre os títulos mais consultados, sendo objeto de pesquisas como Aqui entre nós: 40 anos de sexo na revista Claudia ; Minha amiga Claudia história, gêneros jornalísticos e produção de uma revista feminina ; As mulheres na sociedade da informação acesso, uso e apropriação da leitura .

Para mais informações sobre a Coleção especial clique aqui.


Quem tem estes livros?

12/09/2016

Muitos livros importantes para o nosso acervo, que são bibliografia básica de cursos ou apenas muito solicitados pelos alunos e professores, estão esgotados nas livrarias. Alguns já estavam esgotados quando foi solicitada sua compra por um professor ou pelos próprios funcionários da Biblioteca que identificaram a necessidade de tê-los no acervo. Em alguns casos, já temos um exemplar da obra, mas precisamos de mais um.

livrosdoarAtualmente, estamos com uma lista de 164 livros nessa situação. Provavelmente não vamos conseguir comprá-los, porque a legislação vigente não permite a compra pela internet e praticamente impossibilita a aquisição de livros em sebos. A única solução seria conseguirmos esses títulos em doação.

E aí, caro leitor, você entra. Alguém teria um desses livros e poderia doar para a Biblioteca da ECA? Pode ser usado, mas pedimos que esteja em bom estado. A Biblioteca, os alunos e professores que precisam dos livros agradeceriam muito!

Veja parte da lista abaixo:

A arte brasileira
Gonzaga-Duque
Mercado de Letras

A arte de pensar
IDE, Pascal
Martins Fontes

A ciberliteratura: criação literária e computador
BARBOSA, Pedro
Edições Cosmo

A cultura como espetáculo
SUBIRATS, Eduardo
Nobel

A entrevista na pesquisa qualitativa : mecanismos para validação dos resultados
COUTO, Maria Virgínia de F. Pereira; COLOMBO, M. A. G. Arnoldi
Autentica.

A história vigiada
FERRO, Marc
Martins Fontes

A jornada do escritor: estruturas míticas para escritores
VOGLER, Christopher
Nova Fronteira

A literatura através do cinema: realismo, magia e arte da adaptação
STAM, Robert
Editora UFMG

A metrópole e a arte
Banco Sudameris.
Prêmio Editorial

A nova televisão
HOINEFF, Nelson
Relume.

A outra história: ideologia e protesto popular no séc. 17 a 19
KRANTZ, Frederick
Zahar.

A pintura da vida moderna
CLARK, T. J.
Cia.Das Letras

A revolução cultural do tempo livre
DUMAZEDIER, Joffre
SESC

A revolução da cultura impressa
EINSTEIN, Elizabeth L.
Ática.

A utopia provinciana
CUNHA FILHO, Paulo Carneiro
Ed. UFPE

Almanaque dos quadrinhos: 100 anos de uma mídia popular
PATATI, Carlos; BRAGA, Flávio
Ediouro

Para ver a lista completa, clique aqui.

Para fazer a doação, basta procurar a Seção de Aquisição da Biblioteca da ECA, no seguinte horário: de segunda a sexta-feira, das 8 às 12h e das 13 às 17h . Contatos:

ecabiblioteca.aquisicao@usp.br
fone: (11) 3091.4017


Doações para o acervo da Biblioteca

05/09/2016

A Biblioteca da ECA possui um acervo de mais de 26 mil itens, número que inclui obras em diferentes suportes, do impresso ao audiovisual.

Além da aquisição por meio de processo de compra, boa parcela do acervo é constituída por obras que recebemos como doações, as quais colaboram para a expressividade de nossa coleção.

No ano passado incorporamos ao acervo cerca de 1000 itens recebidos como doação. Felizmente é frequente que egressos da ECA assim como outros pesquisadores doem os livros que publicam apresentando resultados de suas pesquisas, atitude que colabora para enriquecer o acervo e tornar o conhecimento cada vez mais acessível.

Ao longo dos anos a Biblioteca já recebeu doações de relevo como:

Coleção de cerca de 250 itens entre livros e coleções de periódicos especializados em arte, com edições raras e esgotadas, recebida de Francisco Matarazzo Sobrinho.

A doação de Rafael França, recebida em 1991, abrangendo 286 livros sobre Artes Plásticas, Cinema e Teatro, deixados em testamento à Biblioteca.

Em 2002 recebemos de Gilberto Mendes uma coleção de 149 partituras originais de toda a sua obra.

Em 2004 chegou à Biblioteca doação do antigo professor da ECA, Carlos Marcos Avighi: uma coleção de 2982 itens incluindo livros e revistas.

O professor Eduardo Seincman, em 2008, doou cerca de 200 discos em vinil para enriquecer o acervo da biblioteca.

livros

Para doar livros e outros recursos informacionais para a biblioteca basta procurar a Seção Técnica de Aquisição e Seleção, de segunda a sexta-feira, das 8 às 12h e das  13 às 17h. Entretanto, caso haja interesse em doar mais de 20 itens é necessário o envio da lista para o email ecabiblioteca.aquisicao@usp.br

Caso não seja possível vir no horário mencionado, as doações podem ser entregues no balcão de atendimento da Biblioteca, das 17h01 até  21h50.

Compor o acervo de uma biblioteca é tarefa complexa, há a questão do espaço físico e é indispensável selecionar aqueles materiais que são realmente relevantes ao público, no nosso caso, estudantes e pesquisadores das áreas de Comunicação, Informação e Artes. Assim, nem tudo aquilo que recebemos em doação é incorporado ao acervo, mas o doador é informado desta condição no momento da doação e, em caso de recusa do material, pode solicitar que seja informado para vir retirá-lo. Os materiais não incorporados são encaminhados para outras instituições que tenham interesse.

Fora isso, lembramos da importância de que os materiais doados estejam em boas condições físicas. Itens em mau estado de conservação, com fungos, molhados, muito danificados, etc. não são aceitos.

Em caso de dúvidas entre em contato por aqui ou pelo telefone 3091-4017.


Turismo por quem não é turismólogo

29/08/2016

O turismo toma emprestado de áreas como antropologia, geografia, marketing, psicologia alguns conceitos. Por outro lado, pesquisadores de outras áreas, como urbanismo, sociologia, economia etc., volta e meia se debruçam sobre conceitos como turismo, viagem, turista, analisando-os de acordo com as ferramentas de suas áreas.

Em sua tese de doutorado Viagem e turismo: conceitos na literatura e nos relatos de viagem, Silvio José de Lima Figueiredo estuda os conceitos de viagem e turismo presente em obras de ficção, como romances, contos, filmes e nos relatos de viajantes que percorreram o Brasil desde a colonização.

Uma amostra desse outro olhar sobre o turismo pode ser conferida nas obras abaixo:

Novidades8

A arte de viajar, de Alain de Botton. Uma reflexão a partir da Filosofia sobre o que nos motiva a fazer as malas e sair do conforto de nossas casas.

Gringo na laje: produção, circulação e consumo da favela turística. Bianca Freire-Medeiros aborda o turismo na favela carioca da Rocinha sob o olhar da sociologia.

Turismo e paisagem, organizado por Eduardo Yazigi. Geógrafos, arquitetos, historiadores, museólogos, paisagistas lançam olhares sobre o planejamento turístico.

Cidades turísticas: identidades e cenários de lazer, de Maria da Glória Lanci da Silva. A partir da observação do turismo nas cidades de Parati e Campos do Jordão, a arquiteta, urbanista e professora da FAU discute “em que medida os valores estéticos tornam uma cidade particularmente turística.”

Saindo um pouco da abordagem acadêmica e adentrando no terreno dos relatos de viagens, sob o título de O turista aprendiz, estão reunidos os diários das “viagens etnográficas” que Mario de Andrade fez pelo norte e nordeste brasileiros, na segunda metade da década de 1920.

Antes de Mario de Andrade, naturalistas, artistas, religiosos e viajantes estrangeiros de várias outras formações percorreram o Brasil desde a colonização registrando suas impressões e oferecendo uma ideia de como “temos sido vistos pelo estrangeiro ao longo dos séculos”. Os relatos desses viajantes falam dos costumes, do povo, da fauna e flora, das condições das viagens, da infraestrutura dos lugares visitados. No trecho abaixo, de 1883, do livro Imagens do Brasil, Carl von Koseritz compara Desterro, hoje Florianópolis, e Porto Alegre:

“A cidadezinha é totalmente amável e muito limpa; provoca a melhor impressão no visitante. A linha de bondes de burro está estragada, mas Desterro conta com bons carros de aluguel, uma vantagem que, como é sabido, Porto Alegre não pode, ainda, se vangloriar.”

Novidades9Outros títulos desses viajantes estrangeiros podem ser conferidos na Biblioteca, além dos listados abaixo:

Viagem pitoresca e histórica ao brasil, Jean-Baptiste Debret

Vida no Brasil, Thomas Ewbank

Viagem pitoresca através do Brasil, Johann Moritz Rugendas

Viagem às nascentes do Rio São Francisco, Auguste de Saint-Hilaire

Viagem ao Rio Grande do Sul, Auguste de Saint-Hilaire

Duas viagens ao Brasil, Hans Staden

No âmbito da ficção a lista seria infinita, vamos ficar só com três exemplos, dois dos quais citados na tese acima:

As férias do Sr. Hulot, filme dirigido por Jacques Tati; A peça La turista, de Sam Shepard, sobre um casal em férias no México e o conto Uma excursão milagrosa, de Machado de Assis.

Sobre o Brasil dos viajantes, há obra Ana Maria de Moraes Belluzzo.

Todos os títulos citados fazem parte do acervo da Biblioteca da ECA.


Música brasileira na Biblioteca

22/08/2016

A maior parte do nosso acervo de discos é de gravações de música erudita, já que nosso objetivo principal é atender às necessidades do curso de música da ECA. Mesmo assim, já temos quase 1200 registros de música popular brasileira cadastrados em nossa base de dados.

A coleção é bastante diversificada e não obedece à nenhuma diretriz rígida. Procuramos priorizar música de boa qualidade ou importância histórica, mas eventualmente atendemos a demandas para estudos específicos. Por exemplo, o professor que está pesquisando música rotulada como brega de uma determinada época. Veja no link abaixo uma amostra:

música popular Brasil

Temos coletâneas ligadas a uma época, momento histórico, gênero ou movimento musical, como:

Revolução de 30: uma visão através da Música Popular
Localização: D1893

Prepare o seu coração: a história dos grandes festivais
Localização: CD1109; XCD0894

Tropicália
GIL, Gilberto; VELOSO, Caetano; Os Mutantes; LEÃO, Nara; COSTA, Gal
Localização: D4596; XCD0782

Tropicalia

Moxotópolis : Nas quebradas do sertão
Localização: D4078; XCD1455

A música do cangaço
Localização: D3461; XCD0782

A música popular brasileira na vitrola de Mário de Andrade
Localização: CD1973; XCD1808

Jovem guarda pra sempre, ao vivo: 40 anos de jovem guarda
Localização: CD1641/2

Discos importantes

A Bossa no Paramount
Localização: D3791; XCD1244

Show Opinião – LEÃO, Nara Leão, Zé Kéti e João do Vale
D4595; XCD0549

Clara Crocodilo – Arrigo Barnabé – D2295; XCD0507

Arrigo Barnabé: Clara Crocodilo

Hermeto Pascoal ao vivo em Montreux – D1930/1; XCD0104

Embalo – Tenório Jr – D3792 (o único LP gravado pelo pianista brasileiro assassinado na Argentina durante a ditadura).

Discos da gravadora Marcus Pereira

Bumba, meu queixada!
Teatro União e Olho Vivo
D4893; XCD2087

bumba

Música popular do Centro-Oeste / Sudeste, 1
D0671/4

Música popular do Nordeste
Localização: D0065/8

Música popular do Norte, 1
Localização: D0923/6

Música popular do Sul, 1
Localização: D0667/70

Lira Paulistana

Selo do teatro de mesmo nome, que lançou diversos músicos da chamada Vanguarda Paulistana, nos anos 1980.

ASSUMPÇÃO, Itamar, 1950-2003
Beleléu e Banda Isca de Polícia
D2297; XCD0479

Bailarina
ESTEVÃO, Eliana
D2305; XCD0479

A Divina Increnca
D2298; XCD1059

A flor de plástico incinerada
Grupo Um
D2352; XCD0619

Freelarmônica
D2353; XCD0619

Grupo Um: Marcha sobre a cidade
D2355; XCD1083

Língua de Trapo
D2303; XCD1068

NAZÁRIO, José Eduardo, 1952-
Poema da gota serena
D2351; XCD0620

NEDER, Hermelino, 1955-
Hermelino e a football music: Como essa mulher
D4022; XCD1358

Pau Brasil
Conjunto Pau Brasil
D2359; xCD0097

Pé Ante Pé: imagens do inconsciente
D2304; XCD1069

Premê
DC0057; XCD0895

Premeditando o Breque: Quase lindo
D2348; XCD1094

CDs da Gravadora Núcleo Contemporâneo, doados pela própria gravadora

Arranjadores
Orquestra Experimental de Repertório; Maluf, Jamil; regente
CD2993/5

Bach Pixinguinha
SÈVE, Mário; FAGERLANDE
CD0830

BARNABÉ, Arrigo, 1952-
Gigante Negão
CD0828

Bonsai: desdobramentos
CD0826

Caminhos cruzados
ROCHA, Ulisses; violão; CARDOSO, Teco; saxofone e flautas
CD822

CARDOSO, Teco, 19– e MARCONDES, Caíto, 1954-
O cineasta da selva (trilha musical do filme)
CD0819

FARIA, Arthur de, 19–
Música pra gente grande
CD0831

Viva Garoto – Gravações originais
Localização: CD0816

GAROTO

GOES, Silvia
Piano à brasileira
CD0837

Ímã
SILVEIRA, Mané; saxofone; SWAMI JR; violão
CD0838

JOBIM, Antonio Carlos (Tom), 1927-1995
No Tom da história
CD0817

Luz das cordas
PEREIRA, Marco; violão; HOLANDA, Hamilton de; bandolim
CD0825

Ná Ozzetti
CD0815

Orquestra Popular de Câmara
CD0829

TAUBKIN, Benjamin
A terra e o espaço aberto
CD0839

Teco Cardoso e Léa Freire: quinteto
CD0827

TERRA, Mozar
Caderno de composição
CD0835

Toadas de Bumba-meu-boi
Grupo Cupuaçu
CD0820

VASCONCELOS, Naná (Juvenal de Holanda), 1944-
Fragmentos: modernas tradições
CD0836

Violeiros do Brasil
CD0821

A música popular brasileira antiga, sobretudo dos anos 1930 e 1940, está representada pela série de regravações da série Revivendo: Francisco Alves, Noel Rosa, Vicente Celestino, Orlando Silva, Carmen Miranda, Ataulfo Alves, Ismael Silva e Sinhô estão presentes.

Música de carnaval, samba, choro e música instrumental contemporânea como a de Lelo Nazário – que nos doou toda a sua discografia – também fazem parte da na coleção.

Ainda temos muitos discos em vinil, que não podem ser emprestados, mas estão disponíveis para audição na Sala de Áudio da Seção de Audiovisual. Já os CDs, tanto os originais quanto as cópias do acervo em vinil, podem ser emprestados (com algumas exceções).

Para localizar uma gravação, consulte nosso catálogo. Procure por autor, título, intérprete e meio de expressão (instrumentos e vozes). Para ver tudo o que temos de música popular brasileira, é só digitar popular * brasil na caixa de busca.


Livros que somem

15/08/2016

Em março deste ano fizemos o inventário da coleção da Biblioteca da ECA. Para quem não sabe, trata-se de comparar todo o acervo físico com seus registros no banco de dados, para verificar se há materiais sumidos, registros errados no sistema e outros problemas.

Essas verificações são necessárias porque toda biblioteca bastante consultada está sujeita a furtos, apesar das câmeras de vigilância e do controle eletrônico do material.
Antigamente, no tempo da ficha, esse processo era tão complicado e moroso que precisávamos fechar a Biblioteca por, no mínimo, 20 dias. Hoje, felizmente, já podemos fazer inventários automatizados, que demandam bem menos tempo e trabalho, já que os dados são coletados por leitores de códigos de barras e posteriormente comparados automaticamente pelo programa com os dados do Dédalus. Dessa forma, todo o processo pode ser feito com a Biblioteca aberta.

Esse foi nosso segundo inventário automatizado (o primeiro foi feito em 2012). De lá para cá a quantidade de materiais desaparecidos por ano diminuiu, fenômeno que já havíamos detectado no inventário anterior, realizado em 2006. É uma boa notícia, principalmente se considerarmos que o volume de empréstimos e a frequência de usuários estão se mantendo estáveis nos últimos anos.

Entre 2006 e 2012 a nossa média anual de perdas era de 42 volumes. De lá para cá, a média caiu para 34 volumes, com o diferencial de que este último inventário também incluiu parte do acervo de audiovisuais.

DSCN7196

Muitos leitores devem estar pensando “que horror, desaparecem 34 livros por ano de uma biblioteca e vocês ainda acham pouco”. Pois é, na verdade não é muito. Pensem que, nesse mesmo período, circularam pela Biblioteca da ECA, em média 7200 pessoas por mês e fizemos 2300 empréstimos mensais (também em média). Além disso, provavelmente alguns desses perdidos ainda vão aparecer nos próximos meses.

De qualquer forma, ainda que a quantidade de livros desaparecidos não seja preocupante, é muito triste constatar que livros importantes, caros, adquiridos e mantidos com verbas públicas e difíceis de serem localizados em outros locais, provavelmente tenham sido furtados de uma biblioteca. Pesquisadores foram privados do acesso a informações vitais para seus trabalhos. Estudantes sem recursos tiveram sua chance de ler um livro que não podem comprar roubada por alguém que agiu de forma egoísta.

E ainda existem pessoas que se orgulham de furtar  livros em bibliotecas, como se fosse um gesto transgressor e rebelde. Vamos pensar melhor e rever isso aí?


%d blogueiros gostam disto: