Publicando sua tese

08/09/2021

Sua dissertação ou tese foi aprovada e a banca recomendou a publicação! Parabéns, mas… e agora? Como e onde publicar?

A rigor, a publicação do trabalho em sua forma acadêmica já está garantida. Todas as dissertações e teses defendidas na USP são publicadas em nossa biblioteca digital, em acesso aberto. É uma excelente política da USP, que visa dar acesso ao conhecimento produzido pela universidade pública a toda a população, de forma gratuita. Simples, justo e íntegro. E você não precisa se preocupar com mais nada, é a equipe da Biblioteca que faz a submissão do trabalho.

Entretanto, se sua vontade é a publicação como um livro, prepare-se para enfrentar mais trabalho. O primeiro passo deve ser uma conversa privada com seu orientador ou orientadora. Um trabalho orientado por alguém não é uma obra individual, logo é importante que essa primeira publicação derivada parta de um diálogo franco com o docente. Lembre-se de que um elogio feito no calor da hora, na alegria de uma defesa bem-sucedida, não é suficiente para você ter certeza de que deve investir numa edição em livro.

Livraria da Edusp
Livraria da Edusp, foto de Luciana Callegari

Algumas dicas

Tese e livro são formatos diferentes. Você vai precisar reelaborar muita coisa em seu texto para transformá-lo em livro. A ajuda de um editor será importante nesse processo.

Encontrar uma editora que se disponha a publicar sua dissertação ou tese não é fácil, independentemente dos elogios da banca e da qualidade da sua pesquisa. A Editora da USP (Edusp), por exemplo, não publica dissertações de mestrado e deixa bastante explícita, em sua política de publicação, a necessidade de reelaborar o texto.

Obras originadas de teses de doutorado devem ser reformuladas pelo autor antes de serem submetidas à apreciação editorial, visando a sua adaptação à publicação como livro. Deve-se adotar um texto mais fluido e mais enxuto no que tange às referências bibliográficas e notas de rodapé, com redação uniforme. Citações extensas, referências e/ou digressões, típicas de teses universitárias, deverão ser editadas. Teses de doutorado enviadas para avaliação pela Edusp sem a devida reformulação serão imediatamente recusadas.

No texto Produção textual acadêmica: como [não] transformar sua tese em livro, o editor Parábola Editorial explica, com uma sinceridade que pode ser dolorosa, porque não publicam dissertações e teses. Já a editora Annablume, criada em 1993 com o propósito de dar visibilidade à produção das universidades, tem como linha mestre a publicação de dissertações e teses, como exposto no texto História da Annablume. Vale a pena dar uma olhada no catálogo dessa editora, ou fazer uma busca no Dédalus para ver quais livros editados por ela estão disponíveis nas bibliotecas da USP.

Cuidado com as editoras predatórias. Já vimos que publicar teses não é simples, logo, desconfie de editoras que se oferecem para publicar a sua mediante o pagamento de uma taxa. Até onde sabemos, essas editoras não fazem nenhum tipo de trabalho editorial de verdade, que compense o gasto para os autores. Dessa forma, não há vantagens em relação à divulgação na biblioteca digital da USP, que não cobra nada nem dos autores nem dos leitores. Leiam um pouco mais sobre o assunto no Blog do Pós-graduando e aqui mesmo, neste blog.

Converse com os colegas que já publicaram sobre a experiência deles. É uma boa maneira de evitar arapucas editoriais.

Considere seriamente a possibilidade de extrair artigos de sua tese ou dissertação e tentar publicá-los em boas revistas acadêmicas. Por mais que a ideia do livro ainda tenha muito apelo e, por que não dizer, charme, atualmente a publicação em periódicos é muito valorizada no meio acadêmico. Ter um artigo publicado numa revista aumenta a visibilidade da pesquisa e as chances de ser citado. Mais uma vez, converse com seu orientador ou orientadora. Aqui, neste blog, já fizemos alguns posts sobre o assunto. Veja, por exemplo:

Se você usou imagens que não sejam de sua autoria, prepare-se para conseguir as autorizações para usá-las. Algumas editoras pedem esses documentos mesmo para imagens de uso livre, para evitar problemas.

Pode ser interessante dar uma olhada nas teses que viraram livros. Para descobrir algumas delas pelo Dédalus, digite a frase “Originalmente apresentado como tese” ou “Originalmente apresentado como dissertação”, selecionando o campo Notas. O resultado não é totalmente preciso, porque os termos da frase podem variar conforme a época ou a prática da biblioteca, mas dá para ter uma boa ideia.

Dica final: se você conseguir publicar como livro e a editora solicitar que o trabalho não fique disponível online em nossa biblioteca digital, entre em contato com a Comissão de Pós-Graduação e faça uma solicitação formal nesse sentido. A Biblioteca da ECA não pode fazer isso sem autorização dos canais competentes.


Esquema de metadados para descrição de obras de arte em museus brasileiros

15/03/2021

Tese

Autora: Camila Aparecida da Silva
Título: Esquema de metadados para descrição de obras de arte em museus brasileiros: uma proposta
Orientadora: Marilda Lopes Ginez de Lara
Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação
Defesa: 2020

Propósito, relevância e resultados:

Situado na linha de pesquisa “Organização da Informação e do Conhecimento”, área de concentração “Cultura e Informação”, do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI), este trabalho teve como objetivo propor um esquema básico de metadados para representar informações de obras de arte presentes em museus brasileiros. A aplicação de metadados possibilita otimizar o acesso e a recuperação informacional de objetos em uma coleção por meio da padronização de registros.

A partir da análise dos dados brutos de 2010 do Cadastro Nacional de Museus (CNM) do Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM), identificamos que parte significativa dos museus brasileiros com coleções de Artes Visuais não realiza registro de seus bens culturais. Além disso, o CNM não mapeou as diretrizes, princípios e metodologias utilizadas pelos museus do Brasil para a catalogação de seus acervos, apenas indicou os instrumentos de registro utilizados. Partimos, portanto, do pressuposto de que os museus com coleções de arte carecem de recursos metodológicos para o registro informacional de suas coleções, seja por desconhecimento ou por dificuldades (financeiras, de tempo, capacitação, recursos materiais) para implementá-los.

O desenho do esquema de metadados foi elaborado com base em três recomendações atualizadas e reconhecidas pela comunidade internacional, sendo elas, as Categories for the Description of Works of Art (CDWA) do Getty Research Institute, as diretrizes do Comitê Internacional para Documentação do Conselho Internacional de Museus (CIDOC ICOM) e a diretriz nomeada Standard Procedures for Collections Recording Used in Museums (SPECTRUM) da Collections Trust. Os conceitos de crosswalk e mapeamento, a literatura de Terminologia e a norma International Organization for Standardization (ISO) 25964-1/2: Information and documentation – thesauri and interoperability with other vocabularies serviram como apoio para o cotejo e a seleção dos elementos das diretrizes mencionadas considerados como básicos para a representação descritiva de objetos em uma coleção.

O esquema de metadados proposto foi testado em um conjunto diversificado de obras de arte localizadas em diferentes museus do país. A partir dessa amostra foi possível validar a aplicabilidade dos metadados para a descrição mínima de um objeto museológico de arte, bem como verificar a facilidade de sua implantação e a flexibilidade de sua estrutura, que possibilita a inserção de mais elementos descritivos de acordo com a necessidade de cada instituição e com as particularidades de seus bens culturais. Buscou-se, assim, contribuir para a promoção de boas práticas documentárias no Brasil e para a reflexão teórica no campo da documentação em museus por meio do diálogo entre as áreas do conhecimento da Ciência da Informação e da Museologia.

Motivação

Camila explica o que a levou a se interessar pelo tema:

Após concluir a graduação em Ciência da Informação e Documentação, eu queria muito trabalhar com acervo de artes. A pesquisa sobre o acervo do MAC USP que desenvolvi durante o mestrado em Museologia, sob a orientação da Profa. Ana Magalhães, me direcionou para a área de documentação em museus. Na ocasião, aprendi sobre as diretrizes internacionais para o setor museológico e sobre o desenvolvimento dos registros das obras do museu, incluindo a criação da Seção de Catalogação. No mesmo período, as versões em português das recomendações SPECTRUM e CIDOC ICOM foram publicadas. Enquanto no mestrado a pesquisa se concentrou em um estudo de caso, no doutorado estudei as especificidades das coleções de arte dos museus brasileiros e, sob a supervisão da Profa. Marilda Lara, pude propor um recurso metodológico para a sistematização de registros para obras de arte.

Link para trabalho na biblioteca digital:
https://doi.org/10.11606/T.27.2020.tde-01032021-162722
E-mail da autora: camila.ap@alumni.usp.br

 

Para divulgar sua tese ou dissertação neste blog e redes sociais da Biblioteca, use este formulário.

 

 


Orientação aos artistas

09/03/2020

Quem está fazendo sua tese ou dissertação em formato tido como “normal”, ou seja, texto acadêmico com introdução, objetivos, metodologia, desenvolvimento e conclusão, pode contar com a ajuda das Diretrizes para apresentação de dissertações e teses da USP. Na ECA usamos a versão Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), mas também há Diretrizes para outros estilos de normas.

Trata-se de um manual, preparado por bibliotecários da Universidade, que reúne num único documento as orientações de todas as normas necessárias para elaborar trabalhos acadêmicos: referências, citações, sumário, página de rosto, paginação etc. A consulta desse manual ajuda bastante mas, se as dúvidas persistirem, os bibliotecários podem dar uma força. Basta nos procurar.

Mas e os artistas? O pessoal da área de concentração Poéticas Visuais do Programa de Pós-graduação em Artes Visuais costuma apresentar trabalhos em forma de gravuras, desenhos, objetos, livros de artista etc.  Outros programas, como o de Artes Cênicas, também aceitam apresentações gráficas diferentes e criativas. São trabalhos que pouco tem a ver com folhas de papel digitadas de um lado só e encadernadas em percalux de cor escura.

Envoltórios, tese de Marcos Martins

Nesses casos, as normas de formatação não têm aplicação rígida – ou nem mesmo se aplicam. Normas existem para ajudar, não para atrapalhar a existência do pesquisador.

As Diretrizes, por exemplo, recomendam a apresentação dos textos em papel branco ou reciclado, formato A4 (21 cm x 29,7 cm), digitados na cor preta. Essa indicação, naturalmente, não precisa ser seguida nos trabalhos de arte, nem em qualquer trabalho cujo programa permita abordagens mais criativas. Os limites para a “desobediência” às normas devem ser negociados entre o candidato e seu orientador.

Algumas informações, entretanto, são obrigatórias. Por exemplo:

página de rosto, contendo título do trabalho, nome do autor e do orientador, data, nome da instituição. São informações importantes para identificar o trabalho, e interessam tanto ao leitor quanto ao pessoal da biblioteca

folha de avaliação ou aprovação, com nome completo do candidato, título, natureza: tipo do trabalho (dissertação ou tese) e objetivo (aprovação em disciplina, grau pretendido e outros); nome da instituição; programa e área de concentração, data de avaliação ou aprovação,nome, titulação e instituição a que pertence os componentes da banca.

resumo e palavras-chave, informações muito importantes para a compreensão do trabalho pelo leitor, mesmo que seja um trabalho de caráter visual, por exemplo. E não se esqueçam das pobres das bibliotecárias, que precisam entender seu trabalho para catalogá-lo e divulgá-lo de forma correta. É um livro de artista? Um livro-objeto? Um fotolivro? Nenhuma das anteriores? Mesmo que para você, o autor, essas categorias não tenham tanta importância, talvez tenham para outros pesquisadores, que procuram por esses termos com muita frequência aqui na Biblioteca da ECA.

normalização das citações e referências, caso sejam feitas citações e referências a textos e outros documentos, como é o caso da maioria dos trabalhos acadêmicos, ainda que sejam trabalhos práticos. Se você vai citar alguém, é importante que essa citação seja feita de forma correta e que a referência possa ser identificada pelos seus leitores. Se ficar difícil, corra até a Biblioteca e peça ajuda. Mas é mesmo obrigatório citar e referenciar nesse tipo de trabalho? Bem, localizamos alguns no acervo que não apresentam nada disso. Consulte seu orientador.

Para itens como formato, encadernação ou forma de acondicionamento, apresentação gráfica, tipo de papel etc, as escolhas são do artista. Temos no acervo trabalhos  acondicionados em caixas, pastas  ou sacolas plásticas, menores que um smart phone ou maiores que uma TV de 32 polegadas. A Biblioteca recebe todos os trabalhos que foram aprovados pela banca. Nosso único problema é o local de guarda. Trabalhos que não cabem nas estantes normais, ou que sejam tão frágeis que possam se deteriorar se não forem manuseados com muito cuidado talvez não fiquem nas estantes abertas, mas em salas de consulta mediada pelos funcionários que denominamos Coleção Especial. Assim, se sua tese não estiver na estante com as demais, fale conosco. 

Tese de Gustavo Garcia da Palma

O corpo, o artista e a feiticeira – tese de Kim Cavalcante

Cidade entre olhares, tese de Júlia Lopes da Mota

Deriva, dissertação de Helena Rodrigo Küller

Da imensidão ao poema, tese de Tiago Cardoso Gomes

Para conhecer esse acervo, porque nossas teses e dissertações são as mais bonitas da USP!

E a ficha catalográfica, que causa tanta perplexidade entre os autores, sejam artistas ou não? A ficha é um elemento exigido pelas normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas para elaboração de trabalhos acadêmicos (NBR 14724), mas, se o autor e o orientador estiverem de acordo quanto a isso, pode ser eliminada. Para prepará-la não é necessário pedir nada aos bibliotecários, basta preencher este formulário disponível no site da Biblioteca e a ficha será gerada automaticamente.

Dúvidas? Procure a bibliotecária ou os bibliotecários de referência da ECA.

 

 

 

 

 

 


Divulgação de teses e dissertações defendidas na ECA

12/11/2018

As pesquisas desenvolvidas nos cursos de pós-graduação da ECA constituem avanços científicos nas áreas de Comunicação, Informação e Artes e, consequentemente, para a sociedade brasileira na medida em que podem contribuir ao desenvolvimento econômico, social e cultural do país.

Para contribuir ao processo de comunicação dos resultados das pesquisas realizadas na pós-graduação da ECA, a Biblioteca lança um novo serviço: a divulgação de teses e dissertações em nosso blog. Nossa proposta é realizar uma divulgação em linguagem simples para atingir um público que não é, necessariamente, da área. Será todas as quartas-feiras, conforme o fluxo de recebimento dos trabalhos.


Portanto, caso você tenha defendido sua tese ou dissertação na ECA e tenha interesse em ampliar o alcance de divulgação do seu trabalho, acesse nosso site e preencha o formulário com as informações solicitadas.

* Essa ação foi inspirada no Nexo acadêmico.


Teses de artistas

18/04/2016

Nossa Escola cinquentona já formou muitos artistas importantes, que estão por aí trabalhando, expondo e ganhando prêmios.

Alguns fizeram sua graduação aqui, outros mestrado ou doutorado (ou ambos, ou todos). Muitos também foram nossos professores. Quase todos deixaram na Biblioteca um trabalho acadêmico: dissertação, tese ou trabalho de conclusão de curso de graduação.

Estamos trabalhando, junto com os professores de Artes Visuais, para aumentar a  visibilidade desses trabalhos, já que apenas os mais recentes estão disponíveis online na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Os demais repousam nas estantes e só podem ser usufruídos pelas pessoas que frequentam nossa Biblioteca.

E não podemos esquecer que parte do acervo que já está acessível online tem uma dimensão física e visual que só pode ser devidamente apreciada com o objeto físico em mãos, caso dos livros de artista e outros trabalhos que transitam nessa esfera. Nesse quesito nossa Escola é privilegiada, pois os programas de pós-graduação aceitam e a Biblioteca recebe com prazer trabalhos que fogem à regra do texto acadêmico impresso e encadernado em capa dura azul marinho.

Slide2Slide3

Ainda estamos descobrindo formas de tratar desses documentos que não combinam com uma estante comum de biblioteca, de forma que sua preservação seja garantida sem prejuízo ao acesso, leitura e fruição pelos usuários.

Nosso levantamento inicial já identificou algumas categorias específicas entre os trabalhos acadêmicos de artistas:

Reflexões sobre a própria obra ou sobre outros artistas. São trabalhos fundamentalmente teóricos, em formato de texto acadêmico.

Registro de obras. Documentação fotográfica da obra original do artista, em geral em formato de álbum, alguns com fotos impressas em papel fotográfico coladas nas páginas. O texto, nesses casos, pode ser a explicação do processo criativo que gerou as obras documentadas.

Obra original. O próprio objeto impresso apresentado à banca é uma obra de arte que será avaliada. Os formatos são variados e, por vezes, se distanciam da forma do livro.

Já pudemos observar que essas categorias não são estanques e que alguns trabalhos podem se enquadrar em mais de uma, enquanto outros são de difícil classificação.

Alguns exemplos de trabalhos de artistas que podem ser apreciados na Biblioteca da ECA:

BAHIA, Dora Longo

Marcelo do Campo 1969-1975
São Paulo, 2003.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP
Orientador: GIANNOTTI, Marco Garaude
Localização: t709.8104  C198b

Título: Do Campo a Cidade.
São Paulo, 2010.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP
Orientador: GROSS, Maria do Carmo Costa
Localização: t709.8104  C198ba

BONOMI, Maria

Arte pública : sistema expressivo/anterioridade
São Paulo, 1999.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP, 17/11/1999
Orientador: SILVEIRA, João Evangelista Barbosa Romeo da
Localização: t700  B719a

BUTI, Marco Francesco

Estruturas inevitáveis : continuidade do gravar interior
São Paulo, 1994.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP, 30/06/1994
Orientador: NITSCHE, Maria do Carmo Gross
Localização: t709.8104  B984e

CARMONA, Regina

Inscritos
São Paulo, 2005.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP, 29/09/2005
Orientador: CARVAJAL, Jorge Aristides de Sousa
Localização: t709.8104  C287i

CATUNDA, Leda

Poética da maciez : pinturas e objetos
São Paulo, 2003.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP, 28/03/2003
PLAZA GONZÁLEZ, Julio
Localização: t709.8104  C369p

CYMBALISTA, Marcia

Estações
São Paulo, 2011.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP
Orientador: BUTI, Marco Francesco
Localização: t709.8105  C996e

DIAS, Geraldo Souza

Babel
São Paulo, 2006.
Tese (Livre-docência) – CAP / ECA/USP.
Localização: t709.8105  D541b

FAJARDO, Carlos Alberto

Poéticas visuais : a profundidade e a superfície
São Paulo, 1998.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP, 19/05/1998
Orientador: Dispensado, Art. Cento e três – Reg. USP
Localização: t709.8104  F175p  v.1-2

FORTES, Hugo

Poéticas líquidas : a água na arte contemporânea
São Paulo, 2006.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP
Orientador: FERRARI, Donato
Localização: t709.04  F738p

GRINBERG, Norma

Lugar com arco
São Paulo, 1999.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP
JARDIM, Evandro Carlos Frasca Poyares
Localização: t731.5  G866L

Humanóides : transmutações da forma e da matéria
São Paulo, 1994.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP
Orientador: SILVEIRA, Joäo Evangelista Barbosa Romeo da
Localização: t738.0981  G866h

JARDIM, Evandro Carlos

Processos da gravura em metal
São Paulo, 1980.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP, 17/12/1980
Orientador: AMARAL, Aracy Abreu
Localização: t765  J37p

As gravuras em metal originais montadas em 20 pranchas estão armazenadas em sala climatizada, mas podem ser consultadas.

Reflexões sobre a prática da gravura em metal
São Paulo, 1989.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP, 27/11/1989
Orientador: ZANINI, Walter
Localização: t700  Jardim

MACAMBIRA, Yvoty de Macedo Pereira

A solidão consentida : uma abordagem da obra gráfica de Evandro Carlos Jardim
São Paulo, 1995.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP
Orientador: FABRIS, Annateresa
Localização: t769.981  J37m

Retratos
São Paulo, 2003.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP
Orientador: JARDIM, Evandro Carlos Frasca Poyares
Localização: t709.8105  M114r

MANO, Rubens

Intervalo transitivo
São Paulo, 2003.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP
Orientador: FAJARDO, Carlos Alberto
Localização: t709.8104  M285i

MUBARAC, Luiz Claudio

Notas sobre incisão
São Paulo, 1998.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP
Orientador: JARDIM, Evandro Carlos Frasca Poyares
Localização: t765  M941n

Sobre desenho, a gravura e a imagem repetida : memorial circunstanciado
São Paulo, 2010.
Tese (Livre-docência) – CAP/ECA/USP
Localização: t769.981  M941s

MUSA, João Luiz

Viagem a uma terra desconhecida
São Paulo, 1990.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP
Orientador: SILVEIRA, Regina
Localização: t770.08  M985vi

O viajante e as cidades
São Paulo, 1998.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP
Orientador: SILVEIRA, Regina
Localização: t770.08  M985v

NADOR, Mônica, 1955-

Paredes pinturas.
São Paulo, 1999.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP
Orientador: SILVEIRA, Regina
Localização: t700  N138p

NITSCHE, Maria do Carmo Gross (Carmela Gross)

Pintura, desenho
São Paulo, 1987.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP
Orientador: ZANINI, Walter
Localização: t709.8104  N732p

Projeto para a construção de um céu : apresentação
São Paulo : M C G Nitsche, 1981.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP
Orientador: ZANINI, Walter
Localização: t741.2  N732p

OLIVEIRA, Henrique de Souza

Tapumes : relatos de uma experiência pictórica em 3 dimensões
São Paulo, 2007.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP
Orientador: DIAS FILHO, Geraldo de Souza
Localização: t709.8105  O48t

PASTA, Paulo

Notas sobre pintura
São Paulo, 2002.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP
Orientador: FAJARDO, Carlos Alberto
Localização: t759.981  P291n

PLAZA, Júlio

Imagem digital : crise dos sistemas de representação
São Paulo, 1991
Tese (Livre docência) –  CAP/ECA/USP
Localização: t709.0408 P723i e.2

RAMIRO, Mário

O gabinê fluidificado e a fotografia dos espiritos no Brasil : a representação do invisivel no território da arte em diálogo com a figuração de fantasmas, aparições luminosas e fenômenos paranormais.
São Paulo, 2008.
Tese (Doutorado)
Localização: t770 A553g

REZENDE, Gustavo, 1960-

Produção refletida : arte, sujeito e espaço
São Paulo, 2004.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP
Orientador: FAJARDO, Carlos Alberto
Localização: t709.8105  R467p

ROMAGNOLO, Sergio

Esculturas, rugas e alegorias
São Paulo, 1998.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP
Orientador: SILVEIRA, Regina
Localização: t730  R756e

O vazio e o oco na escultura
São Paulo, 2001.
Apresent:Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP
Orientador: FAJARDO, Carlos Alberto
Localização: t730  R756v

SILVA, Nazareth Pacheco e, 1961-

Objetos sedutores
São Paulo, 2002.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP
Orientador: FAJARDO, Carlos Alberto
Localização: t709.8104  S586o

SIVEIRA, Regina

Anamorfas : texto descritivo e apresentação
São Paulo, 1980.
Dissertação (Mestrado) – CAP/ECA/USP, 09/09/1980
Orientador: PFEIFFER, Wolfgang Adolf Arthur
Localização: t742  S587a

O álbum com 12 gravuras lito-offset assinadas pela autora está  armazenado em sala climatizada, mas pode ser consultado.

Simulacros
São Paulo, 1984.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP, 06/11/1984
Orientador: PFEIFFER, Wolfgang Adolf Arthur
Localização: t742  S587s

TAVARES, Ana Maria

Armadilhas para os sentidos : uma experiência no espaço-tempo da arte
São Paulo, 2000.
Tese (Doutorado) – CAP/ECA/USP
Orientador: SILVEIRA, Regina
Localização: t730.981  T231a

TAVARES, Mônica

A produção de sentido no contexto da arte e do design digitais : alguns estudos sobre representações do corpo em ambientes interativos.
São Paulo, 2012.
Tese (Livre Docência) – CAP/ECA/USP
Localização: t709.0408 T231p e. 2

Veja mais:

Exposição realizada na Biblioteca
https://bibliotecadaeca.wordpress.com/2014/02/24/trabalhos-de-arte/

Artistas da ECA no Pinterest
https://br.pinterest.com/bibliotecadaeca/artistas-da-eca/

Artistas da ECA no Youtube
https://www.youtube.com/playlist?list=PLT7x9bINt_cteXevfCpSRuCM_GOK_5nU2

 

 

 


Teses em papel e online

03/11/2015

Hoje todas as dissertações e teses defendidas na USP podem ser acessadas livremente pela web. Basta procurar no Dédalus, na Busca Integrada ou nos buscadores da internet e a gente encontra o pdf do trabalho.

É um ótimo serviço prestado pela USP tanto aos autores, cujos trabalhos recebem ampla divulgação, quanto aos demais pesquisadores e à população em geral, que podem acessar facilmente os conteúdos gerados no ambiente acadêmico.

A Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP (BDTD) foi criada em 2001. Portanto, trabalhos anteriores a esse ano estão disponíveis apenas em papel, nas bibliotecas. Na ECA, as teses e dissertações começaram a entrar na BDTD apenas por volta do ano de 2005.

A boa notícia é que os autores que desejarem ter seu trabalho disponível online podem entrar em contato com a Biblioteca da ECA para ser feito o upload na Biblioteca Digital. Basta nos enviar o pdf da tese ou dissertação, desde que seja exatamente igual à versão em papel que foi avaliada pela banca.

duncan c (Flickr)

duncan c (Flickr)

Se você, que defendeu sua tese ou dissertação na ECA, tem interesse em deixá-la  acessível a um público mais amplo, fale conosco, pessoalmente ou pelo e-mail: ecabiblioteca@usp.br.

Veja também outras bibliotecas digitais de teses e dissertações:

Unicamp: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/list.php?tid=7

Unesp: http://unesp.br/portal#!/cgb/bibliotecas-digitais/cthedra-biblioteca-digital-teses/

Baco de Teses da Capes: http://bancodeteses.capes.gov.br/

Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações: http://bdtd.ibict.br/vufind/

Universidade Federal do Rio Grande do Sul: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/1

Universidade Federal de Minas Gerais: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace

Proquest Dissertations & Theses Global: http://search.proquest.com/pqdtglobal/dissertations/fromDatabasesLayer?accountid=14643  –> Teses de várias instituições e países.  Acesso remoto via VPN.


Trabalhos de Arte

24/02/2014

Existe um pensamento visual? Não sei se esses Trabalhos de Conclusão de Curso, Mestrados e Doutorados, desenvolvidos na Graduação e Pós-graduação dos cursos de Artes Visuais respondem a essa pergunta. Mas, sendo uma pequena parcela do que nossos alunos têm feito nas últimas décadas, demonstram que o visível não se limita ao legível e que a visualidade é uma forma particular de articular nossa experiência frente ao mundo, contribuindo assim para melhor analisarmos as diferentes naturezas dos discursos, dos raciocínios e sensibilidades.

O texto do professor Claudio Mubarac abre caminho para refletirmos sobre os trabalhos acadêmicos da exposição Trabalhos de arte, que a Biblioteca da ECA apresenta entre os dias 17 de março e 17 de fevereiro. 

Não são apenas textos, são fotografias, cadernos de desenhos, gravuras, caixas de madeira, saquinhos cheios de sementes ou mel. Objetos atraentes  que podem ser tocados e manuseados à vontade, porque fazem parte do acervo de uma biblioteca.  Nessa exposição, para usar as palavras “roubadas” à autora da tese Framboesas e cerejas, a interatividade é permitida.

Veja a lista completa das obras expostas (e mais algumas):

Exposição Trabalhos de Arte

Este slideshow necessita de JavaScript.


Bibliotecas digitais de teses e dissertações

10/02/2014

Grande número de universidades disponibiliza em bibliotecas digitais o acesso gratuito ao texto completo das teses e dissertações defendidas por seus alunos.  A seguir, iremos apresentar algumas bibliotecas digitais, nacionais e internacionais, que oferecem acesso livre aos trabalhos que resultam de pesquisas de mestrado e doutorado.

  • BDTD – A Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações é coordenada pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) e reúne os sistemas de informação das bibliotecas digitais existentes nas instituições de ensino e pesquisa brasileiras. Assim, por meio da BDTD você realiza pesquisas no acervo de teses e dissertações digitais de instituições de ensino nacionais, verifica os detalhes do trabalho acadêmico e é remetido para o texto completo.

Para pesquisar em bibliotecas digitais de instituições específicas, confira a lista que preparamos com algumas delas:

Além destas, é interessante conhecer:

  • NDLTD – A Networked Digital Library of Theses and Dissertations é uma organização internacional que promove a adoção e disseminação de teses e dissertações em formato eletrônico. Além de dar suporte às instituições, para que disponibilizem teses e dissertações em formato digital, oferece a possibilidade de realizar pesquisas e acessar o acervo de todas as bibliotecas digitais que utilizam a plataforma por eles disponibilizada, por exemplo, a BDTD anteriormente mencionada.
  • DART-Europe E-theses. Apresenta teses e dissertações de instituições europeias.
  • Open Access Theses and Dissertations . Acesso a teses e dissertações de universidades e institutos de pesquisa de diferentes países.
  • PQDT Open. Acesso gratuito a teses e dissertações disponibilizadas pela Proquest.

 


Pesquisas de turismo na pós-graduação da ECA

18/11/2013

O curso de turismo da ECA comemora 40 anos. Na semana retrasada, como parte da programação da VIII Semana de Turismo, foi lançado o livro “40 anos de turismo na ECA: memórias e análise”.

Para não ficarmos de fora e também comemorar a efeméride, fizemos um levantamento dos assuntos mais populares entre as pesquisas de mestrado e doutorado sobre o tema empreendidas na ECA.

A lista de assuntos foi feita com base nos termos atribuídos às teses e dissertações no Dedalus, os quais são selecionados a partir do Vocabulário Controlado da USP.

O assunto que mais despertou o interesse entre os pesquisadores foi o planejamento turístico. Coincidindo com levantamento similar que fizemos em 2011 com os trabalhos de conclusão de curso de turismo.

Miriam Rejowski, em seu livro Turismo e pesquisa científica, que analisou  trabalhos acadêmicos da área de turismo defendidos no Brasil chegou à mesma conclusão: planejamento turístico é o assunto mais estudado.

Vamos a nossa lista, que contém o assunto e o número de dissertações e teses.

os três assuntos mais presentes nas pesquisas de turismo da ECA:

Planejamento turístico 24
Marketing turístico 18
Economia do turismo 14

outros assuntos

Turismo cultural 9
Turismo ecológico 9
Mercado turístico 8
Turismo sustentável 8
Desenvolvimento turístico 7
Turismo (pesquisa) 7
Turistas 6
Meio ambiente 5
Propaganda turística 5
Turismo (estudo e ensino) 5
Turismo de eventos 5
Turismo de terceira idade 5
Turismo rural 5
Agências de turismo 4
Agências de viagens 4
Cruzeiros marítimos 4
Demanda turística 4
Ecoturismo 4
Museus 4
Política turística 4
Promoções turísticas 4
Proteção ambiental 4
Teoria do turismo 4
Turismo litorâneo 4
Viagens e explorações 4
Desenvolvimento econômico 3
Epistemologia 3
História do Brasil 3
Hotéis 3
Hotelaria 3
Impactos ambientais 3
Parques nacionais 3
Patrimônio cultural 3
Pesquisa científica 3
Políticas públicas 3
Turismo (aspectos sociais) 3
Turismo de negócios 3
Turismo regional 3

Teses e dissertações de turismo da ECA


Trabalhos acadêmicos com CDs e DVDs

09/02/2012

Atualmente muitas teses e dissertações têm anexos em suportes físicos diferentes do texto impresso em papel.

Os materiais são de vários tipos, embora os mais comuns sejam os CDs e DVDs. Os conteúdos são também os mais diversos: filmes, programas de TV e rádio, comerciais, palestras, peças teatrais, apresentações musicais, entrevistas, depoimentos, imagens fixas e tudo o mais que o autor considere necessário para ilustrar ou documentar seu trabalho, em vídeo ou apenas áudio.

Infelizmente, nem sempre essa documentação é entregue pelo autor devidamente identificada, etiquetada e vinculada ao texto do trabalho, e é dessa forma que chegam à Biblioteca. Eventualmente recebemos CDs e DVDs sem qualquer inscrição externa, sem embalagens e até sem conteúdo algum gravado. Também ocorre que o anexo esteja bem identificado, com estojos e etiquetas informando seu conteúdo, mas sem nenhuma explicação na própria tese sobre a finalidade do CD/DVD.

Os bibliotecários que fazem a catalogação das teses precisam abrir CDs/DVDs, visualizar seu conteúdo e procurar no texto explicações necessárias. Diante de um vídeo de 2 minutos que mostra, por exemplo, uma manifestação de rua, os bibliotecários se perguntam:

  • É o trecho de um filme analisado na tese? Que filme?
  • São imagens registradas pelo próprio autor para analisar comportamento de manifestantes?
  • São imagens cedidas por um cinegrafista e usadas para discutir formas de registro jornalístico de manifestações?

O exemplo é fictício e extremo, mas situações semelhantes são comuns no dia-a-dia e contribuem para tornar o trabalho mais moroso do que deveria.

Por esse motivo, tomamos a liberdade de sugerir aos autores algumas providências simples para agilizar o processo de catalogação e, consequentemente, a divulgação dos trabalhos acadêmicos para o público interessado. Não se trata de exigência oficial da Escola, mas apenas de uma sugestão da Biblioteca para facilitar o entendimento do trabalho pelos leitores.

1. Identifique os documentos audiovisuais com os seguintes dados mínimos: autor e título da tese ou dissertação; autor, título e data de cada um dos documentos gravados no CD/DVD; data de produção e duração em minutos dos trabalhos. Essa identificação pode ser feita em etiquetas, envelopes ou estojos, de preferência impressa ou escrita com letra legível. Evite escrever diretamente sobre os CDs/DVDs, porque a tinta poderá, com o passar do tempo, danificar o material.
2. Acrescente, no texto de seu trabalho, um anexo que descreva o conteúdo das outras mídias que o complementam. Relacione cada filme, foto ou gravação em áudio que as mídias contêm. Faça resumos sucintos, explicitando a relação do seu trabalho com os documentos audiovisuais anexados: ilustração, complemento, objeto de análise, produto resultante do trabalho etc.
3. Antes de depositar seu trabalho, peça para outra pessoa abrir cada CD/DVD num computador que não seja o seu, para verificar se todos os arquivos estão abrindo corretamente. É interessante especificar que programa será necessário para abrir os arquivos, no caso de não ser um programa muito comum.

Alguns modelos simples:

Anexo XX – DVD
Registro em vídeo do espetáculo teatral XXX, adaptação da peça de William Shakespeare dirigida pelo autor desta dissertação e analisada nos capítulos 4 e 5.
Intérpretes:
Câmera:
Duração:
Gravada em 12 de fevereiro de 2011, no Teatro YY.

Anexo XX – CD
Contém trechos das seguintes obras musicais, comentadas ao longo do texto:
1. Chopin: Prelúdio op. 28, n. 6, Si menor. Murray Perahia, piano. Gravadora CBS.
2. Heitor Villa-Lobos: Bachianas brasileiras n. 4: Prelúdio. Nélson Freire, piano. Gravadora Gema.

Anexo XX – DVD
Conteúdo do DVD:
1. Vídeo experimental resultante da pesquisa de linguagem realizada para a dissertação. 15 min, 2009. Câmera e edição: ……..
2. Íntegra dos depoimentos dos artistas entrevistados durante a pesquisa: Antônio Leônidas de Souza (48 min, 2009); Helena Camargo (34 min, 2010).


%d blogueiros gostam disto: