Antigamente era assim

15/06/2020

Hoje, quando queremos ouvir uma canção ou uma sinfonia que não temos em nossa coleção particular de discos ou CDs, fazemos uma busca e chegamos ao Youtube ou a um serviço qualquer de música por streaming. Muitos nem têm mais coleções em suporte físico, ou não se dão ao trabalho de procurar nelas.

Antigamente, aqueles poucos que tinham sorte de ter acesso a uma biblioteca como a da ECA, que possui há muitos anos uma excelente coleção de discos em vinil, CDs e fitas cassetes, procuravam no catálogo da biblioteca. E como as bibliotecárias faziam para criar um catálogo quando ainda não existiam bases de dados e internet? Na verdade, no caso da Biblioteca da ECA, quando não havia nem microcomputadores?

Bem, era mais ou menos assim:

frente

verso

Uma bibliotecária (ou bibliotecário) analisava a capa, encartes e rótulos do disco e transcrevia a informações importantes para uma ficha, de forma organizada e seguindo determinadas regras para garantir a padronização das informações. Observem que eram registrados os dados gerais do disco, como título, gravadora, data, série etc, e cada uma das faixas. 

Essa ficha, que chamávamos de matriz, era de tamanho 10 x 15 cm, bem maior do que as fichas geralmente usadas em catálogos de bibliotecas, para poder mostrar os dados com clareza. Mesmo assim, muitas vezes era necessário usar o verso,ou mesmo duas ou três fichas, para álbuns com vários discos ou conteúdo muito extenso. 

Mas não era só isso. Fazíamos também uma ficha pequena, 7,5 por 12,5 cm, para cada uma das peças musicais contidas nos discos. Mais ou menos assim:

As fichas pequenas eram organizadas em ordem alfabética de sobrenome de autor, para que fosse possível localizar a música que se queria ouvir. Se o pesquisador quisesse, também poderia consultar a ficha matriz,  antes de pedir o disco, para ver o conteúdo completo. Tanto as matrizes quanto os discos eram ordenados pelo seu número de localização – no exemplo, D39. Também era feitas fichas para os intérpretes, série, meio de expressão e país de origem dos compositores. No verso da ficha matriz eram indicados quais os desdobramentos – era como se chamavam as fichinhas por autor etc – feitos para cada disco. Isso importante para podermos localizar todo o conjunto de fichas ligadas a um disco, se fosse necessário fazer uma correção ou acrescentar o código das cópias em fita cassete, quando o disco era reproduzido (Fc60, no exemplo).

As bibliotecárias preparavam o rascunho manuscrito das fichas matrizes e passavam para seus auxiliares datilografarem e prepararem os desdobramentos.

E, além disso, para fazer uma boa catalogação, era frequentemente necessário fazer pesquisas para completar dados das capas e rótulos, nem sempre muito corretos. 

E todo esse enorme trabalho nem sempre resolvia os problemas de quem pesquisava.  Não era possível, por exemplo, localizar uma obra específica sem saber o nome do compositor ou procurar por número de opus. Também era impossível fazer buscas cruzadas e localizar todas as obras de um compositor interpretadas por um solista ou grupo específico.

Atualmente o trabalho de catalogação de discos está um pouco mais simples e eficiente, já que o registro é feito numa base de dados e a busca pela internet tem praticamente todos os recursos necessários. Mesmo assim, catalogar cada disco, música por música, é uma tarefa demorada. Por esse motivo, muitos discos catalogados por processos manuais ainda não entraram na base de dados. Nosso velho fichário continua disponível, e deve ser consultado sempre que uma determinada gravação não for localizada na base de dados. Funciona, acreditem!

E não deixem de consultar nosso acervo. Temos gravações raras, que nem sempre estão disponíveis na internet.

Vejam mais algumas fichas de antigamente:

O primeiro álbum, comprado em 1971

verso

 

Este post só foi possível porque nossa funcionária Ana Paula levou as fichas para casa e está digitalizando todas.


Todos os discos de 2017

22/01/2018

No ano passado entraram para nosso acervo de gravações e já estão catalogados 149 novos CDs. Como fazemos a catalogação música por música, foram 593 novos títulos colocados ao alcance dos ouvidos do público interessado em música que frequenta a Biblioteca da ECA.

Música popular

São 22 CDs de música popular, entre os quais:

Paisagens, de Ivan Vilela – acompanha o livro Cantando a própria história: música caipira em enraizamento. CD3172

Yrupa purahéi: canções das margens do rio. Purahéi Trio. CD3199

Norton recorded anthology of western music, volume 2: classic to Twentieth Century, disco 11 – CD3310

Violas da minha terra, violas de canto a canto. Moacir Laurentino e Sebastião da Silva – CD3305

Concertando o choro. (Série Grandes clássicos em ritmos de choro) CD3303

Três canções de Tom Jobim. Ná Ozzetti e André Mehnari – CD3208

Música erudita

As gravações de música erudita, segmento mais forte do nosso acervo, foram maioria em 2017. Entre os novos CDs, destacamos:

Ultimate Berlioz (caixa com 5 CDs) – CD3228/32

Integral dos quartetos de cordas de Camargo Guarnieri. Quarteto Camargo Guarnieri. Academia Brasileira de Música – CD3177

Simon Rattle: Russian music (caixa com 8 CDs) – CD3254 a CD3261

Adventures in early music : the history of period performance practice – CD3188

Fraterno: Ernani Aguiar, H. David Korenchendler (obras para: piano solista; coro; voz solista e violoncelo) – CD3194

Choros de Guerra-Peixe. Grupo Picadinho da Velha. CD3204.

Um requiem para Waldemar. Obras de Waldemar Henrique, por vários intérpretes – CD3207

Música latino-americana para piano:  Villa-Lobos,  Alberto Ginastera, Camargo Guarnieri, Aurélio de La Vega e outros – CD3221

Antonio Vivaldi: L’estro armonico: 12 concerti –  CD3236/7

Bach: les six suites pour violoncelle : BWV 1007-1012 – CD3238/9

Ninna Nanna.  Montserrat Figueras, soprano (coletânea de canções de ninar)  – CD3241

Vamos parar por aqui, porque listar todos seria muito demorado e nada prático. Quem tiver curiosidade de acessar a relação completa do material, basta entrar na base de dados Gravações (disponível em nosso site) e digitar 2017$, assim mesmo, com o cifrão após o número.

Link para a base de dados:

http://www.eca.usp.br/biblioteca-bases/sonora/search.htm

Lembretes:

Os CDs e discos em vinil ainda não estão no Dédalus! Procure sempre na base de dados do link acima.

Além do acervo físico, assinamos a base de dados Classical Music Library, com gravações para ouvir online, disponível pela interface do SIBi.

 

 

 

 

 

 


Citando música

01/07/2011

Para a Associação Brasileira de Normas Técnicas, os elementos essenciais da referência de um documento sonoro são: compositor(es) ou intérprete(s), título, local, gravadora ou equivalente, data e especificação do suporte.

Curiosamente, a ABNT indica como essenciais elementos típicos de obras musicais, embora nem todo documento sonoro seja uma gravação de música. Seria mais adequado indicar “autor”, mais genérico do que “compositor”.

Mas vamos começar por um exemplo de disco de música, de um único autor, referenciado com os elementos principais:

BRAHMS, Johann. Songs without words. Intérpretes: Mischa Maisky, Pavel Gilivov.  Hamburg: Deustche Grammophon, c1997. 1 CD.

Neste exemplo, foi necessário buscar algumas informações no rótulo e no encarte do CD: prenome do compositor, local e data. A norma permite que sejam acrescentadas informações complementares, caso seja necessário identificar melhor o documento. Por exemplo:

BRAHMS, Johann. Songs without words. Mischa Maisky, violoncelo; Pavel Gilivov, piano.  Hamburg: Deustche Grammophon, c1997. 1 CD (68 min), DDD.

Embora a ABNT não dê exemplos de música erudita, sugerimos a indicação dos nomes dos intérpretes seguidos pelo instrumento que executam. Nesse caso, não é necessário escrever “intérpretes” antes dos nomes. DDD, AAD e ADD são dados técnicos da gravação.

Neste outro caso, temos o disco de um grupo musical, interpretando peças musicais de vários autores.


VOZ ATIVA MADRIGAL. Dominus: música sacra a capella: composições brasileiras dos séculos XX e XXI. Regente: Ricardo Barbosa. Osasco: Voz Ativa, [200-]. 1 CD.

Usamos como fonte a página de rosto do encarte do CD, por estar mais completa. Tratamos o grupo Voz Ativa Madrigal como responsável principal pelo disco e fizemos a “entrada” pelo seu nome, e acrescentamos o nome do regente. Como não há nenhuma data no disco, registramos a década provável, entre [ ].

Para citar apenas uma faixa desse CD:

RODRIGO, Joaquin. Concierto de Aranjuez. In.: RAFAEL Jiménez guitar. St. Helier: Guild, c2000.  1 CD. Faixas 4-5 (22 min 43).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Uma das grandes dificuldades que temos na referenciação de gravações musicais é a correta identificação dos elementos, em especial autoria e título.

O rótulo do CD e sua capa muitas vezes apresentam esses dados de forma diferente, e nem sempre o encarte tem algo semelhante a uma página de rosto de livro. Às vezes é necessário tomar uma decisão, já que ABNT não dá esse tipo de orientação.

GRADUS AD PARNASSUM. Biber: Missa Alleluya. Schmelzer: Vesperae sollennes. Regência: Konrad Junghänel. [S.l.]: Deutsche Harmonia Mundi, [199-]; [S.l.]: BMG Music, c1995. 1 CD.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Neste exemplo, temos duas obras distintas, a Missa Alleluya de Franz Biber e a Vesperae sollenes de Johann Heinrich Schmelzer interpretadas pelo grupo Gradus ad Parnassum, sob a regência de Konrad Junghänel.

Optamos por fazer a entrada pelo nome do grupo, e registramos como título os nomes dos compositores e suas respectivas obras. Identificamos duas gravadoras, e as registramos conforme a norma prescreve. A abreviatura [S.l.] significa que não consta do disco o local de publicação.

E vamos ver como ficaria a referência de uma gravação cujo conteúdo não é musical:

BBC Brasil. O rádio no Brasil. Narração: Jader de Oliveira. Coordenação original: Luis Alfredo Hablitzel. Londres, 2005. 5 CDs.

Entramos pelo nome da instituição que produziu o trabalho. Como a gravadora é a mesma entidade, não se repete seu nome.


%d blogueiros gostam disto: